fale connosco


2014-12-21

Assis - Folgosa

NATAL =  FRATERNIDADE

APROVEITO O DIA DE HOJE, O MAIS PEQUENO DO ANO, PARA VOS ENVIAR, AMIGOS ASOCIADOS DE APALMEIRA, A VÓS E AOS VOSSOS FAMILIARES, A MAIOR e menor (?) DAS MENSAGENS:

SEDE FELIZES NESTA ÉPOCA NATALÍCIA E EM TODOS OS DIAS DE 2015.

Beijos e Abraços Fraternos

F. Assis    



2014-12-20

Ismael Malhadas Vigário - Braga

Poema virgem:

E o frio das palavras magoa fundo

em mim o desejo de não as sentir,

mas vai até ao fundo de mim

e transtornam-me o ser

e deixo de ser eu

para ser a dor em mim

sinal das marcas das tuas palavras em mim.

 

Queria viver a usufruir o ser

e sentir completamente

o que vai fundo em meu desejo

 de me sentir em ti.

(Dou comigo a não querer ouvir-te

e as palavras são a minha ferramenta

desde a manhã ao entardecer .

 Como desgostar das tuas palavras

que para mim diriges?

És um novo Cupido!...

A política, a economia... Não, isso é apenas prosa,  ponto.

Não quero ouvir as palavras

que impedem de ver

 e sentir a verdade , (aletheia, diziam os antigos gregos)

que desde cedo tanto desejo

e quero sentir, Aesthetica,

sentir o espírito no corpo, como sensação única,

ser individual, existencial, pessoa.

E os dias são maravilhosos  porque sensuais

desde a cor das folhas das árvores,

o chão que toco e me segura, pedestal de mim próprio

e desloco-me  até onde me conduz a minha imaginação.

Eu sou a minha imaginação, mais que as coisas em que habito.

II

Adoro estes dias de outono ao entardecer,

são frios e a luz embeleza as árvores

que da sombra se destila das colinas de nuvens até  às chamas crepusculares.

Vou e sigo as ruas de passeios empedrados

e históricos de tão gastos pelos mares de gente a passar

e são luz e contraluz que me choca o olhar

faço o caminho em contramão de ilusão

alojo o sonho

mesmo que haja mais nuvens de fogo

a enrolarem-se no mar.

Atiro-me em frente do meu caminho e que vejo?

 Relâmpagos a saírem do mar

 desfazem-se  em centelhas na duna

eis uma torrente a inundar-me de mar.

As ondas enrolam-se em ternuras de mãos

e são auréolas em regaços de águas matinais

És mulher

és onda

és nuvem

e os cabelos são carícias em rochas

envoltas em madeixas frondosas a escorrerem tardes outonais

 gaivotas fugidias de voos picados no mar

recolhem a presa tão desejada

mulher ou sonho?

 Brinquedos anelados seguram dedos finos

e as mãos são frescas e lustrosas,

conduzem veados das dunas até ao mar

enrolam-se na areia fina de brilho estelar,

e as tuas ideias fluem em mim

 luz anosa de exausto serviço natural…

e as tuas faces de rosas doiradas ao amanhecer-

recendem em centelhas  a incandescer as fontes,

 e ondulam jorros de luz a quebrar ao céu.

Mulher!...

Vens donairosa de ternura à planura do corpo

guias em brisa  ao romper da alva

levitas na minha mente como suave asa

 desejo ser mais que um corpo sensual

madrugada perene na planura do teu corpo

vitória da luz sobre a treva…

és deusa ou és mulher?!...

Autor: Ismael Malhadas Vigário

 

19/12/2014

2014-12-15

José Manuel Lamas - Navarra - Braga

 

 

        Veio o companheiro Castro, secundado pelo nosso presidente Vieira, sugerir-nos que lembremos aqui, o que foi a nossa primeira vez. Mas, será este o momento ideal, será que já estamos tão adiantados na idade, ao ponto de sentirmos tanta saudade do passado? Enquanto eu acho que não, outros há, para quem parece que sim. Refiro-me em particular ao Gaudêncio, que chegou até a pedir que nos apressemos, pois teme já só poder recordar a sua ultima vez.

         Falou-nos o Gaudêncio, de fósforos de pau e de cêra e deu-nos ainda conta, de que já está na era da cêra. Só ele sabe do que fala.

 

         Meu bom amigo Gaudêncio. Naquele meu jeito, vou tentar dizer-te o que penso a respeito .

 

 

                        Gaudêncio não fiques incomodado

                  Se algo já te pende p'ró chão

                  Podes ainda dar conta do recado

                  Se souberes usar a imaginação.

 

 

                  Nada interessa se é de pau ou cêra

                  O fósforo que o homem tem

                  Pois a mulher de nós só espera

                  Que façamos o nosso trabalho...bem.

 

   Aproveito para a todos desejar, um "santo" e feliz Natal .

 

 

                   Aquele abraço

 

                                              Zé Lamas

         

2014-12-15

Arsénio Pires - Porto

Meus caros amigos:

Voltei.

E voltei para agradecer a todos os que já responderam à Sondagem sobre a Palmeira.

Já responderam 26 associados!

(Outros mais ainda vão responder!)

Esta é a prova de que há interesse na nossa Palmeira e disponibilidade para ajudar o Grupo Coordenador. O que é muito motivador.

Obrigado a todos.

2014-12-14

Ismael Malhadas Vigário - Braga

Uma Estrela!...

 

No caminho chegam uns peregrinos: José e Maria …

esta mulher, que é virgem traz na mala um prémio

diferente de todas as nossas prendas

e que a Humanidade tanto procura

 à custa de tanta dor!...

 

Este casal é pobre de haveres,

 mas traz risos de tanta ternura

que mais tarde ou mais cedo

alguém compreenderá  seu segredo.

 

Há quem lhes chame inconscientes,

pois pobres e com um menino entre palhas

de uma tão pobre manjedoura!...

 

A nossa riqueza, sentirá Myriam e Jouseph ,

na contemplação do  pimpolho a espernear,

não são riquezas,

apenas gestos deste nosso olhar:

estamos embebidos de sonho a gozar

de maneira estranha a nossa filiação,

 parece um de nós e já não é um de nós,

 ao vê-Lo, assim, tão desvalido

a jazer em tanta pobreza

sai d’Ele tanta ternura

 que vai inundar de luz todo o mundo!...

 

Ainda há pouco estava tão ocupada – sentiu Maria em silêncio

 mal olhando  para José – e  não fosse sentir-se  perturbada:

 

Este Menino é pequenino,

 Seus olhos são feitos de estrelas,

 saem para além da cabana

e aquecem tudo à Sua volta!...

 

 

Ora vejam, lá, a reacção de Maria e de José,

ainda há pouco parecia o nosso filho,

 agora vemos sair  d’Ele tanta luz

 e ficamos perturbados

sendo  Ele um ser tão pequenino!...

 

 

Era a nossa riqueza,

sentíamo-Lo nosso

 e parecia-se connosco!...

Mas é demais parecer apenas nosso

sendo Ele toda a Humanidade!

Este Menino é já nossa luz

e ilumina com tanta intensidade

qu’ Esta Estrela deixou de ser nossa

e passou a ser de toda a Humanidade.

 

Os Seus pezinhos mexem-se  tanto!...

Como segurá-Lo neste espaço tão pequenino?...

Tem o pezinho na boca e ri-se de satisfação

que já não posso vê-Lo aqui só para nós,

dêmo-Lo a todos os homens

e vejam como é viver com um Menino

que de nós tão pouco tem,

e  d’Ele tudo o que é bom nos vem!..

 

Autor: Ismael Malhadas Vigário

Quer partilhar alguma informação connosco? Este é o seu espaço...
Deixe-nos aqui a sua mensagem e ela será publicada!

.: Valide os dados assinalados : mal formatados ou vazios.

Nome: *
E-mail: * Localidade: *
Comentário:
Enviar

Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório.

Copyright © Associação dos Antigos Alunos Redentoristas
Powered by Neweb Concept
Visitante nº