fale connosco


2011-05-26

Alexandre Gonçalves - Palmela

Ponto 1.Euforia é a palavra que me ocorre para caracterizar esta farta abundância de presenças na nossa fala. É Maio, a natureza acorda duma hibernação imensa,a flor da giesta invade os bíblicos territórios deste portugal em vias de extinção. Dói viajar por estes vales e montanhas e ver uma infinita beleza sem qualquer utilidade. Os políticos de serviço ladram como cães vadios mas ignoram de que matéria é feita tanta tristeza e tanto abandono. Os humanos sobreviventes estão de pé a segurar o vento, a pôr o ombro nas casas, para que o mundo não lhes caia em cima durante a noite. Acabo de chegar pela centésima vez desse fundo obscuro a que damos o sonoroso nome de Portugal. Um país que morre devagar em Lisboa, que se extinguiu nas serranias,que balbucia quase fome quase raiva nas cidades. E uma classe política que se prepara para reproduzir um passado vexante, como se não houvesse nada de novo na frente norte. É confortante que a alma da palmeira esteja viva numa paisagem social onde tudo foi morrendo. E confesso ter saudades dum tal J.Marques, que agitou os ânimos, tendencialmente demasiado brandos. Ponto 2. Aventino, não nos acuses nem de gula nem de quaisquer pecados. Nós, como tu bem referes, pagámos tudo com antecedência. Sirva de argumento esse menino que por ser alérgico ao leite se viu privado de sucessivos pequenos-almoços. Não foi só ele que que bebeu as manhãs de neblina em jejum. No seu jejum todos nós jejuámos a mão que embala o berço. O pão quente, que não se provava. Aquela fala musical que devia ajudar a agarrar o dia e niguém ouvia. Ficou-nos a todos a palavra medo como herança. E quando tanta audácia nos fazia falta para voar, só aparecia no vocabulário hesitação e medo. De resto, em Folgosinho vamos comer a mais espiritual das culturas, que terá sabor a estética, a grandiosidade, a tradição. A mesa será apenas o lugar da fala, do encontro, de irmãos distantes que regressam. É dia de PORTUGAL. Celebrá-lo não é inflamar o discurso duma retórica hipócrita, como o irão fazer aqueles que sugaram a esperança. É andar 700 KM e ver no terreno as feridas dum país traído. É ver também como este esplendor lateral, tão mal usado de se ver, pode exaltar o espírito e devolver energias que andam perdidas. (Continua na poóxima ocasião)
2011-05-25

PEINADO TORRES - PORTO

Boa tarde Caro AVENTINO PEREIRA, é com o máximo respeito e amizade que te dirijo a ti e atodos os nossos companheiros as seguintes palavras: Efectivamente uma grande parte da educação que nos foi ministrada, teve como base O MEDO. e pior que o MEDO de vomitar,ainda agora acho eu, e já lá vão 68 primaveras, tem a ver com a parte espiritual. Quantas vezes ouvimos, nas pregações,nas leituras no refeitório e em muitos outros sítios , na famosa frase das GLÓRIAS DE MARIA, em que SANTO AFONSO MARIA DE LIGÓRIO escreveu " QUEM NÃO PRESERVERAR NA CASA DE DEUS, ÉSTÁ IRREMEDIÁVELMENTE CONDENADO AO INFERNO" . Ainda às vezes ouço isto. Assim como também me lembro do que me foi dito quando me mostraram o cartão vermelho. "não chores PEINADO, podes ser um grande homem lá fora e as PORTAS DO CÉU continuam abertas". Na altura eu tinha 16 anos e confesso demorei algun tempo a descodificar a mensagem e por isto e ouras coisas fiz uma visita após 15 de ter saído, estive 2 duas horas na sala de visitas sem que mais ninguem me aparecesse, além do IRMÃO que me abriu a porta, e o resultado desta situação foi ter estado 36 anos sem voltar à quinta da BAROSA. Há muito tempo que perdi estes e muitos outros MEDOS, mas amigos e companheiros, é com isto e outras coisas mais que me acompasnharão quando for " CROMADO ", quero dizer CREMADO. Não quero terminar sem vos dizer que a minha passagem pela BAROSA foi determinante para a minha vida futura, pois não só me deu formação intelectual, como me deu fortes directrizes no âmbito organizacional e disciplinar. Para todos um abraço. VOLTAREI se DEUS me permitir antes de ser "CROMADO"
2011-05-25

Aventino Pereira - Porto

E vós saboreais já o repasto imaginado no falado Albertino em Folgozinho. Varreu-se-vos da vossa memória a palavra gula e a palavra pecado com que tantas vezes nos varreram a nossa cabecinha de meninos imberbes e sonhadores de um prato cheio de comida como outros tinham, num outro lugar, de um outro país? Ou, porventura, não se varreu nada e lá está a sêmea e a maçã, o grão de bico e a sopa e os esquálidos corpos dos meninos da Barrosa pendurados em ossos que mesmo assim teimavam em crescer?

Havia um desses meninos que era alérgico ao leite. De manhã vinham umas cafeteiras de café com leite para todos mas esse menino não o tomava porque sabia que se o tomasse haveria de o vomitar de seguida e vomitar era, òbviamente, proibido. Havia ainda o medo, o medo de ser diferente, de ser doente e o menino que fosse doente haveria de ir embora, se não nesse mesmo dia, ao menos no fim desse período escolar. Era o medo, palavra bela para quem o impõe, palavra tenebrosa para quem o sente. Então durante os primeiros dois anos, esse menino não tomava o pequeno almoço e assim estava toda a manhã sem nada de comer no corpo e com muito pouco sentir na alma. 

Quem sabe se a gula no Albertino de Folgosinho a que vos aprontais não nos é a catarse desses tempos de fome e incerteza, desses tempos de todos os dias iguais de uma solidão consentida. Não se me varreu tudo desses tempos, não, infelizmente, e mais tarde percebi que é preciso espalhar o medo no coração de uns para que os outros reinem e que por este mundo maravilhoso profileram tantos e tantos que todos os dias, a todas as horas, o fazem em todos os continentes. E o pior de tudo isso, é que o fazem com êxito

2011-05-24

A. Martins Ribeiro - Terras de Valdevez

Depois do silêncio comatoso que pairou sobre o nosso site parece que, finalmente e com a chegada do Peinado de umas primeiras férias, (a gente fina goza várias) as línguas, isto é, as canetas se começaram a  soltar. Ainda bem! 

Foi o Arsénio, depois o Alexandre e também o Vieira que botaram faladora versando as maravilhas do tal Mestre Albertino de que eu já tinha ouvido falar mas sem conhecer em pormenor os seus dotes culinários, não me custando acreditar, por isso, no que dele relatam os referidos companheiros aqui intervenientes e muito mais credenciados que eu para ajuizar tal matéria de comes e bebes. Conheço bem Folgosinho, no entanto, estou a vê-lo pela sua vertente cultural, também digna de ser mencionada. Tem como principal característica a difusão de centenas de quadras que proliferam, debruadas com desenhos em filigrana, estampadas em painéis de azulejos dispersos por tudo quanto é prédio, fonte ou monumento. Creio bem que, depois das moedelas da viagem, saberá pela vida parar para descansar e tomar um “folegosinho”, em Folgosinho.

Já tive o prazer de falar com o Guerreiro que teve a gentileza de me contactar logo acabado de chegar das Terras de Vera Cruz. Vamos ter o gosto de o abraçar no nosso programado encontro.

Diz o Vieira que fizeram falta alguns dos companheiros habituais para quebrar o silêncio ocorrido e que não estiveram para aí virados, mormente o J.Marques: quem, Vieira? Cruzes canhoto, abrenúncio, t’arrenego, vade retro e demais latinórios esconjuradores do demo. Só se o amigo J.Marques vier com um discurso comedido que, se vir com a explanação das suas “heresias”, fará aqui tanta falta como um elefante enfurecido dentro de uma loja de cristais; no meu entender, claro. Gostaria, isso sim, era de vê-lo lá para Setembro no  planeado repasto dos nossos "duros", pois tenho a certeza de que sairia de lá muito mais santificado.

2011-05-24

PEINADO TORRES - porto

Bom dia companheiros Vejo que os meus amigos estão a sair do marasmo a que estavam acomodados. Posto isto, quero dar as boas-vindas a esta página ao JOSÉ PEDROSA, de quem fiu condiscípulo, e tenho boas recordações do tempo em que convivemos na quinta da BAROSA. E agora vou lembrar os meus caros amigos de que o FUTEBOL CLUBE DO PORTO , ganhou nesta época A TAÇA CANDIDO OLIVEIRA, A LIGA PROFISSIONAL DE FUTEBOL, A TAÇA EUROPEIA DE CLUBES, e finalmente o TAÇA DE PORTUGAL, e que quero eu dizer com isto? apenas o seguinte: O F C PORTO é o expoente máximo da minha CIDADE, é conjuntamente com BRAGA e GUIMARÃES a força dinamizadora de toda uma região deste PORTUGAL que tão mal tratado tem sido pelo9s nossos governantes e por todos nós, e temos ainda uma região que é o DOURO TRÁS OS MONTES e o norte da BEIRA ALTA que produz o melhor vinho do MUNDO que é o VINHO DO PORTTO. Alem disso como pudemos ver pelas televisões . a onda de euforia ordeira que vivemos nesta CIDADE, foi o pão e o lenitivvo para muitos milhares de pessoas para esquecer momentâneamente as agruras da vida. Li o programa da visita que o ALEX elaborou desde já lhe endereço os meus parabéns, vai ser qualquer coisa de fantásticco e sobretudo o ALMOÇO NO ALBERTINO. O GRANDE ENCONTRO de 2011 vai ser um exito, estarei presente espiritualmente, já agora recomendo a todos os meus amigos que se guardem para a " FODA DE MONÇÃO " encontro que se irá realizar a convite do nosso prezado amigo MARTINS RIBEIRO lá para Setembro. A todos enivio um grande abraço- VOLTAREI

Quer partilhar alguma informação connosco? Este é o seu espaço...
Deixe-nos aqui a sua mensagem e ela será publicada!

.: Valide os dados assinalados : mal formatados ou vazios.

Nome: *
E-mail: * Localidade: *
Comentário:
Enviar

Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório.

Copyright © Associação dos Antigos Alunos Redentoristas
Powered by Neweb Concept
Visitante nº