fale connosco


2011-02-03

manuel vieira - esposende

O Peinado saltou e disse: quem quer vem, quem não quer não vem. Ele sabe que Ponte de Lima é catedral de sabores e nós somos catedral de saberes. Tudo junto...

O Pedrosa apresentou o seu livro e o Alexandre Pinto fez a reportagem que está em "Notícias".

Também em "Notícias" está a partida do Padre Ibanhez...

2011-02-03

Peinado Torres - PORTO

Bom dia companheiros encerraram as inscrições para o almoço convivio a realizar no próximo dia 10. Um grupo de ex-reclusos da quinta da BARROSA, também conhecido por SEMINÁRIO DE CRISTO REI, voltam a reunirem~se desta vez em Poiares, para confraternizarem e aprefundarem a amizade, lealdade e outros principios que nos foram ensinados e outros que não foram ,mas que aprendemos no decorreer da vida. Por motivos óbvios a comissão organizadora não permite a presença de jornalistas e fotógrafos, queremos privacidade. Um abraço para todos que tiveram a paciência de lerem a minha mensagem. OBRIGADO
2011-02-03

Assis - Folgosa - Maia

Não venho comentar nada, nem louvar ninguém. Apenas dizer-vos que tenho apreciado, no intervalo dos meus serviços agrícolas, os belos trabalhos que têm surgido no nosso site. Alguns deles poderiam ter brotado da pena de Pessoa, de Camilo, ou de Queirós...não os diminuiriam em nada. O meu obrigado aos seus autores

Hoje, quero aqui deixar, para os interessados apenas, o caminho que os poderá levar até aos escritos que diariamente vão surgindo no jornal FRATERNIZAR. São escritos com muito sumo - polémicos talvez (polémico é o Evangelho de Jesus) - mas que nos conseguem dar uma nova visão da realidade actual, e não apenas. Poderão consultar, por exemplo, artigos de Boff, Frei Betto, Gaillot e até algo sobre o Doutor João César das Neves...

Um abraço fraterno

 

2011-02-01

Arsénio Pires - Porto

Ando com o poema do Aventino

no bolso

e aperto-o sempre que as lágrimas me turvam

porque o poeta é um fingidor

mas não todos dias.

 

Também eu tive mãe

e certezas que esqueci

e cabritadas que comi

e disse amo-te sem saber que o amor

nunca se diz

inefável que é como as flores que crescem

e morrem

sem nunca terem nome.

 

Ando com o poema do Aventino

no bolso

junto bem junto ao coração.

 

Matar-me? Para quê?

Ainda se ao menos acabasse de vez…

Mas morrer é apenas deixar de ser visto

como Pessoa

depois da curva do caminho

e então lamentaria eternamente

não ter abraçado os meus amigos

naquela cabritada bem regada

lá para os lados dos Arcos

onde o Vez

corre sempre novo debaixo dos salgueiros

e das sombras dos salgueiros

e das folhas dos salgueiros

e das flores dos salgueiros

em cada primavera que me acorda.

 

Ando com o poema do Aventino

no bolso

junto bem junto ao coração.

2011-02-01

A. Martins Ribeiro - Terras de Valdevez

Após ter acabado de ler o magnífico poema do Aventino verifico, encantado,  que o tema do amor voltou ao nosso site. É um assunto que eu aprecio deveras e com o qual me sinto nas minhas sete quintas. É um motivo que fica lindamente neste nosso espaço, apesar de ele pertencer a seminaristas e, ainda por cima, seminaristas redentoristas da Barrosa que, pelo que ouço e concluo de certas e ressabiadas reacções, tão aperreados e mortificados foram noutros tempos. Porque o amor é belo, é reconfortante, é um poderoso catalisador da felicidade. Seja ele um amor que inspira poemas lamechas á nossa santa mãezinha que Deus já lá tem, quer rebente em torrentes de fogo e arrebatamento, quer arda em labaredas alterosas na paixão fremente por uma mulher adorada. E esta segunda faceta do amor é a que mais me arrebata e transtorna!

Não pretendo com este meu arrazoado tecer qualquer comentário sobre o poema do Aventino, quem sou eu para o fazer; apenas confesso a minha satisfação por sentir o aroma do seu eflúvio. Para isso está o nosso Vieira que, quando puxa dos galões, também é capaz de produzir textos tão burilados como o exarado neste lugar, ele próprio um deleitoso poema.

Poemas, em prosa e verso, tenho bastantes, porém, lá virá um dia em que os colarei para vós. Por ora, não. 

O amor, apesar do seminário, é um sentimento que perdura sempre, mesmo para além da morte.

Quer partilhar alguma informação connosco? Este é o seu espaço...
Deixe-nos aqui a sua mensagem e ela será publicada!

.: Valide os dados assinalados : mal formatados ou vazios.

Nome: *
E-mail: * Localidade: *
Comentário:
Enviar

Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório.

Copyright © Associação dos Antigos Alunos Redentoristas
Powered by Neweb Concept
Visitante nº