fale connosco


2019-11-08

alexandre gonçalves - palmela

 

 

NOVEMBRO II

 

Estremeço de pensar novembro. Sendo uma rima perfeita com setembro, bastam trinta dias para abandonar a infância e entrar na austeridade conventual. Em setembro ainda havia resíduos de verão. O rosto da mãe ainda chegava fresco e húmido por uma ternura absoluta. A ribeira da aldeia ainda corria em vila nova, entre juncos e amieiros. E eu trouxe nos olhos todas as raparigas que brincaram comigo no adro da igreja. Lembrava-as minuciosamente sem culpa, ora vestidas de branco, ora despidas nas águas transparentes. Estavam ainda na minha vida e eu já fora expulso do paraíso. Quando fui "anjo" de um infeliz qualquer, eu ri para dentro de mim, por me atribuírem tanto estatuto. Uma das ditas era pastora e apascentava a sua inocência morena em campos rentes aos meus. Um ribeirinho do nosso tamanho separava os nossos gados e os nossos corpos. E uma cerejeira cúmplice e pontual baixava ramos vermelhos até às nossas bocas. Outra era, outra fazia, outra sonhava ser doutora. E outra ainda foi arrastada numa impetuosa corrente que um vendaval levou às águas fluviais. Foi amparada por salgueiros que a recolheram amorosamente roxa de morte. Nesse dia chorei mas ninguém viu. E eu não disse a ninguém. Setembro era a casa, era o fumo dos telhados, era o pão do forno, era uma penedia em forma de monstro. Era o sino marcando o ritmo de toda a gente. Ouvia-se de longe e era triste.

Em chegando a vila nova, havia uns portões, que pareciam os do inferno. Quando se fechavam, lembravam mandíbulas de um gigante pré-histórico, provavelmente já extinto. E havia um retiro de iniciação ao terror espiritual que ali se praticava. O pregador de serviço , num rasgo de síntese luminosa, depois de ter chamado à papoila "grito vermelho na planura", inspirado pelo divino espírito, declarou: "bela é a terra, que se cobre de flores na primavera. Bela é a chuva, que irriga os campos. Mas quando se juntam e se revolvem no subsolo, o que produzem é apenas lama. E é lama o que fazem o homem e a mulher, quando se juntam." Ouvi e tomei nota. Fiquei elucidado, disposto a iniciar uma carreira de remorso e pavor. Porque havia um argumento poderoso: o inferno.

Assim se abre novembro para sempre. Outubro apenas tinha o primeiro feriado, que arrefecia oficialmente o bosque, a avenida e os corredores. E tinha maçãs brancas e sêmeas, que aliviavam do frio e da solidão. Era um momento nobre a hora da merenda. Mas a chuva não tarda. Em começando, pega-se às paredes, aos telhados de coimbrões e devesas. Cola-se à roupa, ao chão, coberto de serradura. E pior que tudo, entra pelas fendas do corpo abandonado. Há no ar uma tristeza colectiva. Há um piano algures que se ouve obsessivamente. E vozes que ensaiam o natal, que não demora. A melodia dominante tem uma toada monacal, quase doce, quase embaladora. Chego a comover-me com aqueles sons antiquíssimos e ondulantes. Rorate caeli desuper et nubes pluant justum. Demorei muito a entender o texto mas a ondulação vocal era avassaladora e arrepiava. Cantava-se em novembro e contaminava de gregoriano os sentimentos, o desejo, as ausências acumuladas. E toda a paisagem envolvente era filtrada por essa melodia profundamente melancólica.

Vila nova começou a sequestrar as muitas idades que fomos tendo. Aos dezasseis anos sinto-me um caso de laboratório. Perguntava a deus e ao diabo, num segredo indecifrável, qual era o meu futuro ali. Queria sair mas tinha medo. Queria ficar, mas só de o pensar entrava em pânico. Cheguei assim ao segundo natal. O jantar estava francamente melhorado. A rapaziada delirava. A alegria fora previamente estabelecida, com argumentos que lhe davam solidez. No salão de festas, depois de uma peça de teatro ensaiada para a noite mais bela do ano, vinham os jogos e as rifas. Muitos escapavam pelo escuro e refugiavam-se a ouvir rádio e em conversas clandestinas. Eu era certamente um deles. Naquela  noite fugi sozinho. Tive medo de que algum prémio me saísse. Não estava para isso. Mas fugir para onde? Estava cercado de altos muros, dentro e fora de mim. Discretamente, como quem vai cometer um crime, entrei na capela e acolhi-me no recanto mais oculto, junto à lâmpada sagrada, que sinistramente fazia tremer a noite e até o próprio edifício. Sentei-me na extremidade mais oculta da minha vida e delirei até à infância primitiva. Em dado momento, repeti uma pergunta que já me fizera entre montes e calhaus: Tonho, Tonho (era assim que me chamavam na aldeia), quem és tu? Que vais fazer da tua vida? Queres ficar aqui a rezar os teus segredos e remorsos?Não fui capaz de responder e chorei. Chorei muito. Até cair de sono no banco. Quando acordei, o relógio assustou-me. Se me apanham às cinco da manhã, fazem de mim uma encomenda  e despacham-me para o fim do mundo. Não me apanharam nem me despacharam. Subi em bicos de pé, cozi-me à parede e subi as escadas. O universo dormia feliz, como se nunca houvera guerra no mundo. Ninguém dera pela minha falta. Ninguém sabia o meu nome. Nem ninguém imaginava que eu havia de dar em padre, para minha desgraça e desgosto de muitas mulheres que em vão me escolheram. E que eu tive de rejeitar, porque, sem saber como o fiz, fiz-me padre. Igual aos outros padres. Igual aos outros homens.



 


2019-11-07

manuel vieira - Esposende

Há uns bons meses o José de Castro remeteu-me 3 textos manuscritos do nosso colega já falecido Albino Lopes, que connosco partilhou algum do seu tempo, estabelecendo-me o compromisso de um dia os publicar, se bem o entendesse.

Pedi à minha filha que os transcrevesse para word, para assim ser mais fácil essa partilha e cá vai o primeiro:

 

Diálogos com o Luiz

 

L – Ó Bino, Bino! – Estou sempre à espera que chegue Sábado. Sei que vens. Falamos, jogamos e rimos.

B – Nem sempre sinto vontade de rir… contigo, rir dá-me vontade de rir.

L – Ris de mim?

B – Rio contigo!

L – Vais atirar-me ao rio?

B – Um dia farei – para aprenderes a nadar.

L – Gostava! E às vezes sonho, Bino – o que é sonhar?

B – Sei lá… esperar e acreditar.

L – O que é acreditar?

B – Não sei explicar… é como respirar fundo, medir e sentir – ser capaz!

L – Não percebi.

B – É! Calma! Agora vamos aos matraquilhos.

L – Sei que hoje vou ganhar. Sinto tão bem a tua mão – está transpirada…

B – Tem calma – passa tudo quando começar. Vou-te confessar – sinto a tua falta.

L – Porque a semana tem sete dias?

B- F…da – se – Vamos jogar!

 

L-Luiz

B-Bino (Albino)

2019-11-03

Aventino - Porto

VOU PARA SUL

Estão a ver bem? Sim? Ah! Ok.

Tenho algumas dificuldades no atrevessar a ponte d' Árrabida, para sul:

1. o meu pai foi um dos tripeiros que barrou o caminho aos automóveis aquando da inauguração da Ponte D'Árrábida. Sabereis, com certeza, que o magano António, sim, sim, o Botas, fixou uma portagem para quem quisesse atravessar a "Ponte". Azar. teve azar. O POBO, chamando POBO ao POBO da INVICTA (antiga, mui lobre, leal e invicta cidade do Porto) ajuntou-se por sobre o asfalto e, queres passar?, queres? vai passar pro c...e o meu pai lá estava.

2. Para sul da Ponte D'Arrábida, é tudo comunas. E como levei porrada da comunistada, como sofri um tentativa de saneamento pela simples razão de não ser comuna, como eles são todos tão feios, tão mal amanhados, tão barbudos, e como elas são tão acigarradas, tão avinagradas, tão mal coisadas, fiquei fobicomuna. Mais três ou quatro dias, estaremos livres dessa matilha.

3. A sul encontro-me com o sol e a minha mãe, Tino, Tino, já p'ra casa, e o sol tisnava-me, queimava o branquelas, o magricelas, o enfezado, o palito, e tudo o que os doces beijos da minha mãe encontravam para me afagar no seu colinho e para me trazer para casa.

MAS vou p'ra sul. Não há nada MAIOR do que um abraço do ALEXANDRE, deste SENHOR de que todos os AAR'S se orgulham.




2019-10-29

Alexandre Gonçalves - Palmela

 

OUTONALIDADES  2019 

 

Viajantes Deste Jardim Litoral

A doçura pluvial de novembro caiu sobre as nossas inclinadas vidas. Há quantos anos foi o verão passado? Que ninguém conte nem os dias nem os meses. Seria uma contagem ilusória, pois ignoraria as sucessivas emoções que perpassam pela vida. É o tempo e o vento que, numa simbiose obscura, arrastam este navio para longe. Num olhar imediato, nem se move. Parece quase parado na repetição distraída dos nossos actos. Se insistirmos, veremos que o navio já se extingue na distância. Assim a duração de um ano, entre dois novembros.

Para nos opormos a essa vertigem, ritualizámos a memória, que através de encontros actualiza o passado, do qual se diz que é passado e que portanto não volta. Há aqui uma liturgia dos sentimentos. As palavras antigas voltam. A amizade não se perdeu nos caminhos nem em divergências. Um aceno simbólico e oportuno chama por nós, numa convocatória silenciosa. Sorrimos e dizemos:não, não posso faltar. Ó mulher, arranja lá isso!  Estamos convocados. Fixa a data. Eu não me importo de não comparecer aos exercícios religiosos. Mas nestas datas, contem comigo! (Perguntem ao Meira!) Tenho a memória em plena actividade. O tempo circular parece que leva mas tabém traz. E o que traz faz esquecer o que leva. E prolonga-nos a vida e aumenta a(s) vitalidade(s).

Pois é. Estou a falar do dia 16 de novembro, que. de acordo com a nossa tradição, é o primeiro sábado a seguir ao  S.Martinho. Do santo já sabemos tudo e retemos dele em especial a bênção que ele dá à vida enquanto festa. Das muitas ausências e distâncias chegam nomes em vias de esquecimento. Como estamos ainda acordados e propensos para a sabedoria, instituímos este lugar como um templo, um culto, um conjunto de gestos e atitudes onde celebramos as muitas idades que já tivemos. Castanhas e vinho de novembro presumem afectos e saudades. Por cada taça que levamos à palavra, o coração agita-se de lembranças que se atropelam umas às outras. A mesa está cheia de sentimentos que se  comem. O tempo acelera a tarde. Sem darmos por isso, o fogo do poente, entre cedros e casuarinas, pede o V(B)iv(b)at. Cantamos o abraço final e até novembro de 2020!

 

PS/O convite é para todos: gregos, troianos, ateus, piedosos, clérigos e anti-clericais, Senhoras e Cavalheiros. As regras são as dos outros anos. Não se esforcem por trazer vinho. Seria um acto néscio. Aqui esse líquido espiritual corre pelas ruas inclinadas. A recolha só exige recipientes adequados. Não abusem nas quantidades seja do que for. O que sobrar tem retorno obrigatório à procedência. As portas abrem às 10h e os seguranças estão de folga. Captivem o dia 16 e façam a melhor viagem possível|

 



2019-10-01

ANTONIO GAUDENCIO - LISBOA

Contando com a autorização postcipada do Aventino, subscrevo aqui, integralmente, as palavras dele.

Amen 

Quer partilhar alguma informação connosco? Este é o seu espaço...
Deixe-nos aqui a sua mensagem e ela será publicada!

.: Valide os dados assinalados : mal formatados ou vazios.

Nome: *
E-mail: * Localidade: *
Comentário:
Enviar

Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório.

Copyright © Associação dos Antigos Alunos Redentoristas
Powered by Neweb Concept
Visitante nº