fale connosco


2018-09-29

alexandre gonçalves - palmela

F R O N T E I R A


(Regressando da quinta da ribeira à lua de palmela, verifico agradavelmente que ainda não é o fim mas apenas um pouco tarde. Aqui e além, ouvem-se vozes ao longe, como quem chama. O som não é nítido. A ondulação vocal tropeça no cimo dos montes e nos abismos submersos das muitas ilhas. Vai ficando para trás um currículo irrelevante, agravado pela vertiginosa decadência da memória. Vão-se os rostos, dissociam-se os nomes, esfumam-se as palavras que ainda sobravam.

Afectos? Em tempos havia uma escada, com degraus regulares. A vida não reconhece a finta. Os degraus eram para serem subidos sucessivamente, sem saltos de acrobacias pedagógicas. De que serve a uma criança a tortura metafísica? Como se faz crescer uma árvore de grande porte? Para que serve um adolescente amputado nos seus rebentos mais vigorosos? Como se pulam, sem consequências, os degraus da idade? Para que fim implantou esse DEUS magnífico o fogo hormonal no mais fundo silêncio da vida, para depois o vetar como fonte de ruína? Afectos? Só de remorso e penitência. E os perversos retiros de setembro, para retomar o caminho, presumidamente abandonado nas voláteis férias do verão. Quem na hora certa não foi amado nem amou só por obra do "Espírito Santo" pôde provar o amor.

Mesmo assim não é o fim , como se prova pelas gotas de água vertidas neste areal. Quero juntar-me às veementes vozes que repudiaram esse monstro ibérico, tão carinhosamente absolvido pela maternal instituição católica, sempre solícita e acolhedora. Quando visitei o tenebroso Vale dos Caídos, o guia informava que o Generalíssimo fez uma promessa  aos prisioneiros, que em trabalhos forçados construíam o monumento. Se a obra ficasse concluída na data imposta, eles seriam postos em liberdade. Dito e feito. Palavra de rei. Os operários, cegos de esperança, aplicaram-se e cumpriram. Nesse mesmo dia, o prémio de tanto esforço foi uma execução sumária e integral. Arriba Espanha! Morte aos Cabrais e aos Generalíssimos anónimos, que parece quererem outra vez o terror.)

 

Não digas o que tenho de fazer!

Não me invadas a vida pessoal!

Não sou, nunca serei o teu quintal,

onde vais distrair o teu lazer.

 

Se me tentas gostar, deixa-me ser!

Eu sou um território nacional.

Existe uma fronteira essencial,

uma linha vermelha sem se ver.

 

Se nos amarmos, há um passaporte,

que autoriza a passagem proibida,

tornando a vida cada vez mais forte.

 

O amor é uma árvore crescida, 

exposta ao gelo, à colera e à morte.

Se morrer, morrerá também a vida.


 

2018-09-28

Delfim - Messines de Cima

Boa noite amigo Correia

Para te agradecer o teu maravilhoso sentir de alma que me sensibiliza profundamente.

Aí nos encontraremos brevemente.

Um abraço extensível ao especial Vieira.

2018-09-25

manuel vieira - esposende

FRUSTRAÇÃO

 

O MEU POEMA É REVOLTA CONTRA A VIDA.

NADA-NINGUÉM PROPÔS O QUE HOJE SOU.

BARCO-PERDIDO: NO MAR SE AFUNDOU

A ‘SPERANÇA DESDE SEMPRE PROMETIDA.

 

AGORA ARRASTO UMA EXISTÊNCIA LIDA

NAS ESTRELAS DO CÉU QUE SE TOLDOU.

NADO PARA NADA, EM CAOS SE TRANSFORMOU

UM DURO DIA-A-DIA SEM SAÍDA.

 

ATRO MUNDO EM QUE ME LEVANTO E CAIO.

EM SOMBRAS JÁ ME ASSOMBRA A SOLIDÃO;

EU QUERO SAIR DELA… MAS NÃO SAIO.

 

NUVENS D’ESCURIDADE EM TURBILHÃO

OBNUBILAM MEU SER E EU DESMAIO…

PARTIREI PENITENTE SEM PERDÃO?

 

                        FRANCISCO JOSÉ CORREIA (“Cícero”)

 

MACEDO DE CAVALEIROS, AOS 27 DE AGOSTO DE 2018.

2018-09-23

GAUDENCIO - LISBOA

Por julgar impossível fazê-lo fisicamente, quero, pelo menos em espírito, acompanhar o nosso amigo Aventino no acto de ESCARRAR, MICTAR e  DEFECAR sobre os restos mortais desse monstro que foi Francisco Franco.

Mas, escarrar, mictar e defecar sobre os restos desse anão de presépio, parece-me pouco para expressar o nojo, o desprezo e o ódio que tal personagem  suscita.

Não consigo calcular qual o grau de conhecimento, de simpatia ou antipatia que os meus caros companheiros têm sobre as  " heróicas " façanhas e os actos deste militar destemido que se intitulou  « CAUDILLO DE ESPAÑA POR LA GRACIA DE DIOS »  ( será Deus vesgo ? ).

Podem saber muitas coisas e podem ter-vos contado outras tantas mas mas o que a História moderna nos conta é que foi um militar medíocre, um assassino rancoroso e vingativo e um diligentíssimo ladrão que saqeou metade da Espanha em benefício  seu ou da sua família.

Poucos dias antes da sua morte manteve a ordem de enforcar três jovens etarras ( e foram mesmo enforcados ) e poucos dias depois morreu confortado com todos os sacramentos da Santa Madre Igreja Católica Apostólica Romana. Amen.

 

2018-09-14

Aventino - PORTO

FINALMENTE:

Franco para a vala comum.

Lá estarei no dia em que ele sair do lugar onde nunca deveria ter estado.

Lá estarei para a minha cuspidela de ódio.

Quer partilhar alguma informação connosco? Este é o seu espaço...
Deixe-nos aqui a sua mensagem e ela será publicada!

.: Valide os dados assinalados : mal formatados ou vazios.

Nome: *
E-mail: * Localidade: *
Comentário:
Enviar

Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório.

Copyright © Associação dos Antigos Alunos Redentoristas
Powered by Neweb Concept
Visitante nº