fale connosco


2014-09-22

José Manuel Lamas - Navarra - Braga

 

 

 

                      No dia vinte saí de casa

              Encetando marcha não vagarosa

              P'ra comer uma fêvera na brasa

              Lá p'rà quinta da Barrosa

 

 

              Cumprimentando os demais

              Logo após que cheguei

              Acompanhado pelo Nabais

              Fui tratado como um rei

 

              Fui eu mais a minha mulher

              Pois quando prometo não falho

              Mas depressa voltei e a correr

              Tinha que voltar p'rò trabalho

 

 

 

      E ; aquele abraço

 

                                    Zé Lamas

2014-09-22

Ismael Malhadas Vigário - Braga

Não vou esperar mais. Vou partilhar as minhas impressões com os amigos da AAAR.

Tudo correu bem, a generosidade dos órgãos gerentes dos Ar’s, o pic-nic que, embora não sendo à moda de Manet, houve qualquer coisa de Cesário e muito, mesmo muito de todos nós, a nossa identidade que, apesar de problematizarmos sempre, ela existe e o futuro, o futuro a Deus pertence, se é que esta proposição com o sujeito Deus, ainda faz espécie a alguém, ou se é um problema para cada um, porque um dia entrámos num lugar e nos disseram que estávamos ali porque alguém acreditava em Deus e era dessa força que provinha todo o alimento e, não menos a confusão. Depois de Babel, o mundo não mais foi igual, e ficou encarregado o homem de refazer o mal que causou a quem? a ambição de ser Deus, os deuses contra Deus, seres de liberdade. “Vamos? Não vamos, Chegamos?” (Sebastião da Gama).

            Foi pena não termos tido a celebração eucarística. Sou um beato? Sou um crente? Quem dera saber, seria mais pacífico. Deus morreu? Quando o homem morre um pouco em si. Perde o desejo de se procurar com os outros, que cada um procura-se e só em Deus se reencontra: inquietus cor meus et in Deo quietus est(STº Agostinho).

            Pois, nunca tinha abraçado os colegas com tanta amizade. E a amizade move montanhas. Aquilo que inicialmente parecia um incómodo soube a um prazer insubstituível. Que poderíamos ir a outro lado, claro, mas não era igual. Olhar uma carvalheira ou um caramanchão ribeirinho e curtir aquele éden egologicamente só com o nosso prazer sem ninguém a ver, sem ninguém a ver-nos naquele comprazimento tão do próprio e do alto da nossa sela a curtirmos como único e só nosso.

            Mas, podem crer, soube bem. Não só na charla com os varões, mas com as donzelas das intempéries e das bonanças.

            Que deveriam ir mais? O verbo dever é forte. Lá estamos sempre contra a liberdade de alguém, o desejo sempre da ordem cósmica. Já me esquecia da teoria do caos. Como governar no caos. Que cada um pode ter o seu caos, percebo. Mas todos a viver o caos dos outros, foge.

Eles virão se quiserem

se eu vim até este lugar

se amei beber na fonte

origem do encontro,

também podes vir

e não há culpa ou expiação

libertaremos o eu no reencontro dos eus

Com eles construiremos a fratria

onde tu te anuncias

e regressaremos sempre ao tempo

de sermos o promontório

pr’a outra margem.

 

           Ismael Malhadas Vigário

2014-09-20

José Manuel Lamas - Navarra - Braga

    Porque hoje , o dia sorriu p'ra mim

 

     Venho dar-vos o recado

     Do que hoje me aconteceu

     Por companheiros fui visitado

    E que grande felicidade me deu.

 

    Pediram-me versos como prenda

    De pronto respondi em negação

    Não faço versos por encomenda

    Faço-os sim ... Por intuição.

 

    Os nomes deles não vos dou

    Não os vou denunciar

    Podeis saber quem eu sou

    Mas não sabeis de quem estou a falar .

2014-09-18

Arsénio Pires - Porto

Já somos

47

LISTA DOS FUTUROS PRESENTES NO ENCONTRO NACIONAL 2014 

01. Vieira 

02. Alexandre

03. Arsénio e Carolina

04. Nabais e Micas

05. Assis

06. Barros

07. Delfim e Dulce

08. Cabral e Antónia

09. Serapicos e esposa

10. Peinado

11. Martins Ribeiro e Conceição

12. Sacadura

13. Castro

14. Ismael Vigário e Fátima

15. Eugénio e Maria do Céu

16. António Rodrigues e Silvina

17. Aventino (não comunicou que não vinha! ehehehehe!)

18. Cardoso e Luísa

19. Lage e Adília

20. Barreira e Isabel Maria

21. Bernardino e Domitila

22. Pedrosa e Manuela

23. Samorinha

24. Duarte Almeida e Maria de Fátima

25. Freitas e Idalina

26. Sampaio Gomes

27. António Gomes e Balbina

28. Campos (Fernando)

29. Adelino Padrão e Eulália

2014-09-17

A. Martins Ribeiro. - Terras de Valdevez

Amigo e companheiro Rodrigues;

 

esse meu poema á mulher rechochudinha foi publicado neste nosso espaço não tanto pelo seu significado (que pouco interesse lhe atribuo) mas sim pretendendo fazer dele uma pedrada no charco de águas quase paradas em que o nosso sítio quase se transformou; mesmo assim parece que pouca agitação causou para oxigenação das mesmas. Quanto ao poema em si e não pretendendo fazer uma auto-crítica devo dizer que ele é subjectivo pois as mulheres - e como muito bem diz o amigo e eu concordo- são todas bonitas, mesmo aquelas que se julga  serem feias. Depois, a concorrência é que dita as suas regras e elege aquelas de quem mais se gosta pelo que, todas elas são merecedoras de qualquer poema laudatório. Não direi tanto do protótipo da referida padeira de Aljubarrota que, mesmo assim, a História não reza que fosse, na verdade, uma mulher do tipo virago, podendo ter sido até um exemplar de luminosa beleza feminina. E não faço nem farei poemas inflamados dessa natureza com medo de que, em vez de um esbelto corpo de donzela, possa estar a glorificar um daqueles conhecidos machorros travestidos de virgens pudibundas ou de elegantes vestais. Fazem-me lembrar uma mulher espadaúda do lugar da Peneda, tanto quanto sei ainda viva, daquelas ditas de pêlo na venta e de bigode assanhado, chamada Ti Maria Larua que quando urinava de pé, fazia no caminho por onde seguia tal buraco que nele se podiam abrigar coelhos ou mesmo outras reses. Consta até por aqui que, em tempos mais distantes, chegou a abrigar debaixo das saias alguns contrabandistas que fugiam da guarda fiscal, muito embora os infelizes que deitavam mão de tal artimanha ficassem depois meio intoxicados pelos pestíferos aromas do abrigo. Por isso, caro Rodrigues, não conte com um poema desses vindo da minha parte. Volto a dizer que toda a mulher é um ser intemporal, uma maravilha de Deus que terá sempre a minha incondicional admiração até que a cova ma corte cerce. Quanto ao mais e nesse aspecto é tudo uma questão de gosto, absolutamente legítimo e sacrossanto. Vamos ver se isto por aqui se anima; senão até sábado em Gaia. Até lá, o meu abraço.

Quer partilhar alguma informação connosco? Este é o seu espaço...
Deixe-nos aqui a sua mensagem e ela será publicada!

.: Valide os dados assinalados : mal formatados ou vazios.

Nome: *
E-mail: * Localidade: *
Comentário:
Enviar

Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório.

Copyright © Associação dos Antigos Alunos Redentoristas
Powered by Neweb Concept
Visitante nº