fale connosco


2020-09-10

manuel vieira - esposende

Um título insinuante, despreconceituoso mas "assintomático", como sói hoje dizer-se ...

Gosto do exercício de prosa do Aventino, porque provoca e percorre os neurónios da  filigrana cerebral do grupo, com algum rubor experiente que não esconde  reminiscências  de um freudianismo ligeiro, desavindo de uma infância permanente.

Quando eu for grande também quero escrever assim.

Enfim, divagações curtas  para não me sentir calado ...

2020-09-10

aventino pereira - Porto

O QUE EU GOSTO É DE HOMENS

 

Nasci de entre um ventre e uma dor, não me lembro.

 

As vizinhas à volta, as minhas tias à volta, a panela de ferro ao lume e os panos todos quentes, a tesoura, o alguidar, as fraldas, os caldos de galinha e a porra todde uma parafernália toda para exorcizar os livores que houvesse de verter, certamente,

 

oh! oh! Glória, traz a tesoura, grita a minha tia Maria Amélia,

 

deve ter sido assim, ou talvez o contrário de assim, é melhor não esquisofrinarmos a coisa e,

agora, defronte da campa vinte e três do cemitério de baixo da paróquia da minha solidão, a minha mãe,

Tino, já não temos passado, vem ver-me, traz-me flores,

 

e eu aqui estou com os meus amores, os meus amores são PESSOAS, o caráter, a lealdade, a grandeza, HOMENS quase sempre,

não vou a almoços ou reuniões, paróquias e  seminaristadas onde haja as mulheres de quem, de alguém, de outrem, os meus amores são a honra, a lealdade, a palavra, os meus amores são HOMENS.

O que eu gosto mesmo?!

De HOMENS, homem e mulher, mas HOMENS.

 

2020-09-08

manuel vieira - esposende

 Conversei há dias com alguns dos nossos colegas que não aparecem pelo “face”.

Escutei o Morais confinado para os lados de Macedo, em Macedo do Mato, na sua casa de lousa de paredes largas, onde não faltam nesta altura uns figuinhos tremendamente açucarados, uns melões gulosos zelosamente guardados sobre palha seca na sua cave fresca e escura, um vinhinho divinal, tudo da sua colheita.

Disse-me que a aldeia já não tem crianças e que nos seus dias calmos sente já o cansaço dos 80, embora nada lhe falte.

Virei a agulha da bússola e rumei para as bandas de Almada, algures por ali. Não conseguia falar com o Davide Vaz, residente num lar, que frequentemente me ligava há 1 ano, talvez. O telemóvel está desligado ou já não funciona, pelo desuso.

Consegui o contacto do Lar e falei com ele. Reconheceu de imediato a minha voz, o que me trouxe alívio. Tem estado internado com problemas frequentes de desiquilíbrios. Repetimos as conversas de antanho. Demos aquele abraço.

Também falei com o Gaudêncio, que me assessorou nestes contactos e tivemos a nossa conversa longa.

Claro que ainda estes dias falei com o Martins Ribeiro, sempre impecável e novo, com o José Lamas, empenado em ascensão e o Júlio Samorinha a visitar a ilha.

Ainda vou ligar a mais alguém ...

Não precisamos de estar à mesa ou num assento de autocarro para "convivermos" ...

 

2020-08-05

Delfim - Lugar de Messines de Cima.

Casimiro

Felizmente podemos ter acesso a várias publicações em PDF neste site.

Cumprimentos.

Delfim Nascimento Pinto.

2020-08-05

Arsénio de Sousa Pires - Porto

Estimado Luís Casimiro, obrigado pelo teu contacto.

A nossa revista PALMEIRA, publicada durante 18 anos, desde Dezembro de 2016 que deixou de ser publicada. Por este motivo, temos muita pena mas não podemos corresponder ao teu pedido. Já não temos exemplares em stock.

Saudações da AAAR.

 

Quer partilhar alguma informação connosco? Este é o seu espaço...
Deixe-nos aqui a sua mensagem e ela será publicada!

.: Valide os dados assinalados : mal formatados ou vazios.

Nome: *
E-mail: * Localidade: *
Comentário:
Enviar

Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório.

Copyright © Associação dos Antigos Alunos Redentoristas
Powered by Neweb Concept
Visitante nº