fale connosco


2018-12-21

Adolfo Pereira - Porto

Perdoa-me, meu bom Aristóteles!

 

Em tempos, alguns de vós sugeriram-me que falasse da minha passagem pela Barrosa. Sempre me neguei. Hoje ainda hesito, mas desejo a felicidade de todos os sencientes e, mormente, a de todos os agapantos. E o vê-los tão desvalidos, sempre a remoer o passado inútil, ruminando e relambendo as mesmas feridas, leva-me a falar de tudo o que de mais positivo e bom que me foi dado viver na Barrosa. Faço-o também por um imperativo de consciência: o de prestar homenagem e agradecimentos àquele meu mestre que, pelo exemplo e ensino, tanto me marcou, em quem já tenho pensado muito e muito gostaria de rever. O mais religioso, perfeito e sábio que me foi dado conhecer até hoje.

Os do meu curso, e certamente os mais antigos, com ele privaram. Refiro-me, em concreto, ao nosso bom Aristóteles (assim conhecido entre nós), esse jumento que calmamente e a horas certas levava a nossa comida à praia. Não sei donde veio, não sei para onde foi. Talvez algum de vós saiba. Só sei que viveu entre nós fazendo o bem e tudo o que por nós fez fê-lo bem.

Pré-adolescente, eu tinha pouca idade e muita ignorância. Hoje a ignorância não diminuiu, é certo, mas a maturidade aumentou. Sabido é que o fogo e a muita luz queima e cega sempre a quem se encontra perto, só ilumina e guia a quem estiver longe. Foi o que se passou comigo em relação ao bom Aristóteles. Apenas agora o vejo como ele é, se é que o vejo. Nunca suspeitei, confesso, nunca me apercebi da profundidade dos seus ensinamentos. Nem mesmo quando, lendo Platão, se afirma que sob uma aparência corpórea pode morar um deus, caí em mim. (Talvez o termo anjo ou arcanjo etc. seja mais consentâneo com a nossa cultura). Infelizmente só muito tarde, tarde de mais é que intuí a possível grandeza infinita do bom Aristóteles e que ele, talvez, pudesse ser o mesmo (se não o mesmo, pelo menos parente seu!) que fora escolhido por Deus para cuidar do seu Divino Filho na Terra. Dele não se pode dizer que foi “alguém que quis amar e não amou”(F. Espanca), pois num ímpeto desmedido de amor atirou-se, em Belém, aos pés do nosso Redentor adorando e com o seu bafo O acalentou sem cessar. Comovente cena: dois seres divinos, um, menino, sorrindo e o outro, animal, adorando! Ele mesmo transportou carinhosamente os seres mais santos que existiram à face da terra e que nós hoje designamos por Sagrada Família. E diz-se que nesta caminhada para o Egito ia apagando e disfarçando as suas pegadas a fim de que os inimigos do Senhor não os detetassem. E foi com ele que o nosso Salvador brincou em criança. A verdade é que o nosso bom Aristóteles (se não foi ele, foi pelo menos um parente seu!) esteve sempre presente nos momentos mais solenes da vida do nosso Redentor. E o Filho de Deus expressamente o mandou chamar para participar consigo naqueles acontecimentos a que nós hoje chamamos “Domingo de Ramos”. Admirável! Sem dúvida, que só a uma divindade é permitido tocar assim tão intima e longamente no Corpo Sagrado do Senhor ainda vivo (mas preparando-se para a morte), transportá-Lo e guiá-Lo pelas ruas de Jerusalém, com Ele formando uma só unidade! A que outro ser celeste concedeu Deus tal honra, dizei-me? E lembrai-vos de quão categórico foi o Senhor a M. Madalena, a mais fiel dos seus discípulos: “Não me toques!”.

E agora que já sabeis, tanto como eu, quem era o nosso bom Aristóteles (assim conhecido aquando da sua permanência entre nós) e a que família pertencia, analisemos a sua doutrina, os ensinamentos mais marcantes.

Não constava na lista do corpo docente da Barrosa, é certo. Mas o seu ensino ficou indelével. Há os que afirmam: “Olhai para o que vos digo, não para o que eu faço”. Ele não, dizia o que fazia e fazia sempre o que dizia. Exemplo vivo, a via do silêncio pedagógico que adotou falava por si. Num silêncio que diz tudo, que na profundidade dum coração quando puro fala eloquentemente à alma que o aceita e escuta.

Os nossos outros mestres pacientemente passavam horas e horas a incutir-nos as célebres 3 virtudes: pobreza, castidade e obediência. E muitas outras mais, coisas e mais coisas, isto e aquilo... Creio que inutilmente, uma tentativa de fora para dentro nunca resulta. No nosso bom Aristóteles a evidência impunha-se naturalmente, imediata, saía de si, dele tudo brotava espontaneamente. Bastava olhar! Transmitiu-nos quietação e paz de espírito, paciência, aceitação, persistência, harmonia, fé em si, alegria de viver, esperança, compaixão, perdão e a plena entrega ao sagrado. Tudo isto em abundância. Olhos de pura bondade e humildade inata. Outros parentes seus receberam prémios, o Platero, de Ramón Jiménez ganhou um Nobel… Ele, anónimo, tudo recusou. A História Sagrada fala dele, é verdade, mas não diz como se chama. O mesmo acontece com Deus…

Achais isto extraordinário? Nada mais falso. Não se confunda o cântaro mesmo quando cheio de água com a fonte, viva e eterna. Tudo isso é secundário, de pouco interesse, não passa de meros frutos ou folhas caídas da árvore da Vida.

O essencial da sua doutrina, raiz de tudo, além da filosofia da momentaneidade, resume-se, quanto a mim, a ter conseguido chegar a ser apenas ele e ele só. Mas para se alcançar a unidade e centrar-se no todo, onde já não exista dualidade nem separação, é preciso ultrapassar a barreira do medo e da sombra. Ser pura seidade como ele, conectado com o coração da vida, já religado, nada mais se é; sem virtude nem pecado: o estado alcançado é assim eterno e sem mudança. Já não há crenças, não há verdades, teorias, mitos e ideias, problemas ou desejos de… Não há tradição, nem passado ou futuro, nem religiões, gurus ou templos. Cessa a necessidade de nos refugiarmos em igrejas, ideias ou palavras… Está-se apenas no rio da vida sempre nova, onde não existe repetição do passado, apegos, nem memória. Não se está condicionado por pensamentos, palavras ou emoções antigas, imagens e sensações. Viver no desconhecido, no novo, que é sempre criativo. É-se, não se espera vir a ser. Não há transformação em si, luta nem conflito, não há divisão, contradições, desejos opostos – o que deveria ser e o que é. Já nada há a defender, nada a conquistar. Por se estar além da medida do tempo, a mente não depende de quaisquer experiências, de qualquer moral, não procura resultados porque não precisa de vir a ser. Quando liberta da continuidade do pensamento, dos condicionamentos tanto internos como externos, deixa de haver lutas, condenação ou justificação, compulsões e superstições a pressionar-nos. Cessou o conflito entre o que é ou deveria vir a ser. Já não se é o resultado do tempo e das contradições vividas, já se libertou do ideal, não luta por vir a ser. Atingido o Ser, tem-se o amor e a liberdade plena.

Perdoa, meu bom Aristóteles, a muita cegueira e imaturidade que revelei, quando te tive junto de mim. Guia-me. Quero que saibas que no templo improvisado da minha pobre alma tens uma cátedra sempre à tua espera. E seja qual for o lugar deste infinito multiverso aonde agora te encontras, na tua missão de senhor de compaixão, lembra-te daqueles agapantos da Barrosa entre os quais viveste algum tempo e dá-nos a tua bênção. Roga por nós ao Nosso Pai Comum para que rasgue os véus do mistério e da ignorância que nos envolvem e nos liberte das teias do passado em que ficamos enredados.

E tu, leitor, se algum dia deparares com o Aristóteles, não hesites em recebê-lo de braços abertos. Confia nele. Mas só o coração é que te poderá dizer se é ele ou não. Que a sua aparência não te detenha. Pois, por vezes, sob o disfarce de mendigo oculta-se um príncipe, já que nada o impede de usar a roupa que entender…

Vive e sê feliz! Perdoa-me este naco de teologia, se te fez perder a paciência. Podes acompanhá-lo com bolo-rei e vinho do porto. Ou, se preferires, usa-o no WC nessa função muito útil também, além de necessária. Mas não te esqueças nunca daquelas palavras do Salmista (não parece, mas a citação é fiel): “A sericaia e o mel são bem doces, mas são mais doces ainda os passos daqueles que seguem os caminhos do Senhor”.

Boas Festas

Adolfo Pereira

 


2018-12-20

ANTONIO GAUDENCIO - LISBOA

Parece que me deram um murro acima do umbigo, para não dizer no estômago, e sinto-me meio pateta com o que acabo de constatar : um « ESTUPENDO » escrito, aqui posto, pelo nosso companheiro Adolfo, desapareceu do site, da manhã para a tarde.......

De manhã, numa leitura rápida, constatei que o Adolfo, retirado lá para o "Praquistão", tinha abandonado a sua natural reserva e havia dado rédea solta à sua imaginação, ao seu engenho, à sua fina ironia  e ao seu humor elegante.

Aquela peça escrita pelo Adolfo trouxe-me à lembrança o Adolfo que eu conheci na Barrosa, ainda éramos meninos e mocinhos, e que, já nessa época, era dono de uma ironia e  humor que jamais se esbateram na minha memória. E a referência  dele era, como só podia, o Eça.

Haverá, seguramente, uma qualquer explicação para este desaparecimento repentino mas, seja qual seja o motivo, eu lamento pois era uma peça que o próprio Eça não desdenharia e que  subscreveria sem esforço (penso eu....).  

Espero que esta minha entrada no site não demore duas semanas a entrar, como sucedeu com a anterior, e que também não seja banida para o caixote dos papéis sem nome.

2018-12-16

A. MARTINS RIBEIRO - Terras de Valdevez

POSTAL DE NATAL

                  (2018)

 

Mais um Natal acontece fazendo-me lembrar todos os meus Natais vividos até hoje e que se diluíram na espuma do tempo; o Natal de quando eu era pequenino, da minha infância na casa dos meus pais na aldeia onde morava, aqueles dos meus estudos na Barrosa, um ou dois passados durante o serviço militar e depois, já longe e em terras dispersas, tantos outros Natais no seio da própria família que criei com a mulher e os filhos, mais tarde também com todos os netos. Natais diferentes mas todos  iguais na sua essência mística e arreigadas tradições do meu Pais, sempre na Paz e no recolhimento de uma oração à fartura da mesa. Era o costumeiro bacalhau com batatas e hortaliça, com o tenrinho e colorido polvo, tudo bem regado com azeite do lavrador, eram as gostosas filhós e as saborosas rabanadas de leite e de mel, eram as tostas borrachonas e os bolinhos de jerimu, eram os esquisitos formigos, eram as sopas de vinho com canela servidas em rústicas malgas, eram os pinhões descascados das pinhas mansas queimadas numa fogueira, eram os do jogo do rapa e da bisca lambida. Neles havia sempre um presépio, quase todos por mim arquitectados com muito engenho, com luzes e casinhas de papel, com anjinhos papudos de barro e celulóide, com repuxos de água e tufos de musgo, lindos de morrer e encanto da pequenada. 

Desta forma, aos meus familiares, aos meus companheiros de jornada, aos meus amigos e pessoas conhecidas, a todos aqueles que são mansos do coração, aqui lhes estou a reiterar a minha cordial amizade, a desejar umas festas felizes e a deixar a imensurável Paz desta Solenidade. 

Porque estou quase no fim do meu percurso pelas colinas e pradarias da Vida, próximo já de contemplar o esplendor do seu afogueado Ocaso, desejo limpar todo o rancor que me foi arranhando o peito, por isso, às duas ou três pessoas que, sem qualquer senso, amei profundamente e depois me esfrangalharam a alma e traíram o sentimento, a essas vou deixar também a minha Paz.

Glória a Deus no reino dos Céus e Paz na terra àqueles que têm sede de Justiça!

 

 

 Arcos, Dezembro de 2018


2018-12-12

José Manuel Lamas - Navarra - Braga

    Aqui deixo um sincero desejo de boas festas, a quantos que por acaso por aqui passem .

 

          Mas... Será que ainda anda alguém por aqui  ? 

 

2018-12-04

ANTONIO GAUDENCIO - LISBOA

Estes silêncios prolongados não me perturbam mas incomodam-me. Por isso, esta entrada mais não é que uma pequena tentativa para acabar com eles.

Assunto??? Pois há uma fila deles mas hoje, evocando uma efeméride pessoal, vou convocar os meus amigos, os que aderirem claro, para falarmos de um assunto que tem sido meio tabú neste espaço.

Amanhã, 5 de Dezembro, vou recordar que, no mesmo dia mas de 1 963 , tal como o Jonas bíblico, fui engolido para a barriga de um barco enorme e levado para Luanda, para a guerra.

As peripécias que por lá passei foram muitas e prometo contar algumas se tiver ouvintes que as queiram escutar.

Alguns companheiros poderão ter escapado a esta experiência mas um elevado número passou pela Guiné, por Angola ou por Moçambique. E outros, mais sortudos, passaram por Timor, São Tomé ou Cabo Verde.

Mas todos devem ter uma pequena história para nos contar. Vamos a isso?

Um abraço amigo para os que guerrearam e, também,  para os que o não fizeram.

 

Quer partilhar alguma informação connosco? Este é o seu espaço...
Deixe-nos aqui a sua mensagem e ela será publicada!

.: Valide os dados assinalados : mal formatados ou vazios.

Nome: *
E-mail: * Localidade: *
Comentário:
Enviar

Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório.

Copyright © Associação dos Antigos Alunos Redentoristas
Powered by Neweb Concept
Visitante nº