fale connosco


2015-06-30

José Manuel Lamas - Navarra - Braga

 

 

 

 

                                   Porque o fradinho de Orbacém

                                    Viveu uma vida de pecado

                      O seu caminho nem calçada tem

                      E até o cruzeiro está quebrado

 

                      Mas por isso não merece ser castigado

                      Porque até foi homem de juízo

                      Pois foi por viver em pecado

                      Que viveu num paraíso

 

                      Não foi por Deus que na serra viveu

                      Foi porque ele assim quis

                      E quem como ele procedeu

                      Foi o nosso companheiro Assis

 

                      Parabéns meu bom amigo

                      Pelo teu refúgio sossegado

                      Podes sempre contar comigo

                      Quando por ti eu for convidado .

 

 

 

       E aquele abraço

 

                                Zé Lamas

2015-06-25

alexandre gonçalves - palmela

 

BARROSAL VIII- A Palmeira, os Mestres e o Verão

 

Outra vez Orbacém. Outra vez o silêncio da terra, uma ilha de luz calma, onde os deuses passeiam ao fim da tarde, entre o verde intenso da montanha e o aroma branco do verão. Outra vez vila nova, sem muros nem ameias. Passou o tempo por cima da idade, os caminhos foram imensos e dispersos, mas o mapa ficou tatuado nos recantos mais íntimos da pele. Para sempre. Vila nova não é geografia. É uma espécie de itinerário, um percurso, um trilho de manutenção. Vila nova não é uma palmeira, onde a ruína começou a roer as raízes. São resíduos de infância, dolorosas sobras da mesa parental. São remotos gritos adolescentes, que rasgavam o silêncio das noites frias, dos sonhos proibidos, do corpo interdito. É uma juventude inteira, adiada para uma eternidade fantasma. Por isso, vila nova nem morre, nem se esquece, nem se repudia. Muda-se de uns lugares para outros, segundo o itinerário possível. Feliz tansumância, que encontra verdejantes pastos nas múltiplas paisagens da imaginação.

Há uma herança espiritual e física em actividade permanente. Naquele tempo, aconteciam coisas que duravam muito. A fugacidade mundana tropeçava no latim, nas leituras, mesmo que fossem as glórias de Afonso de Ligório. O catecismo também imprimia uma lentidão insuperável e dramática. Os próprios mestres, carregados de um saber vertical e autocrático, uniformizavam sem culpa a infinita variedade do coração. A luz vinha do altíssimo, que não enganava nem se enganava. Os aprendizes do futuro, fosse ele qual viesse a ser, eram treinados como potros. Romper o cerco era perder-se tanto para o céu como para a terra. Uma tristeza secreta crescia à margem da consciência. Claro que havia mestres que falavam de esperança e de alegria. Estimulavam a indepedência do espírito. Apelavam para a criatividade e para a diferença. E havia literatura bastante para inventar um mundo por acontecer. E havia música sobeja para voar por cima de tanta melancolia. Mas tudo isso era um espaço onírico, inverosímil, sem qualquer contacto com evidências visuais. Fora de muros, passavam corpos parcialmente visíveis pelas ranhuras do salmo cinquenta. Um sufoco pedagógico, que marcava de afecto e solidariedade os sobreviventes. É isso em grande parte a fonte que alimenta a vitalidade destes encontros, de muitos outros que se fizeram, e de outros que ainda se farão.

Assim surge com uma espontaneidade surpreendente o novo encontro de Orbacém, traço de união entre uma primavera precocemente esgotada e um verão joanino que ainda arde pelas ruas do Porto. E no centro desta alegria ingénua, um amigo especial, um dos tais mestres rebeldes, acusado muitas vezes de subversão. Luís Guerreiro (que perdoe este ruído verbal, tão avesso ao seu feitio!), foi sem dúvida uma voz diferente. A sua palavra era feita de excepção, onde o dizer e o fazer vinham de dentro e por isso coincidiam. E por isso tinham consequências. Não era forçoso que se concordasse com ele. Mas era inegável que ali havia um projecto, uma convicção, e um compromisso radical com a realidade. O divino Espirito Santo nem sempre lhe terá iluminado as decisões. Era demasiado humano para aceitar de ouvido imposições extraterrestres. E por isso era um educador, isto é, exigia de cada discípulo que extraísse do fundo de si próprio o ouro que lá houvesse. Chama-se a isso crescimento. Ou melhor, uma região autónoma. Como quem, ao cultivar uma horta, não só colhe os frutos da terra, como até encontra diamantes. É por dentro que se nasce. O fora é consequência. Só nessa relação dialéctica, em que o dentro e o fora, o eu e o outro, se unem ontologicamente, será possível encontrar um sentido para a existência. Haja ou não haja alguém, no andar de cima, a justificar o mundo e a distribuí-lo segundo o mérito de cada um. Neste contexto, abre-se um verão novo, uma viagem para o universo, simbolizada no regresso do Luís Guerreiro e da Hirene a Brasília, onde esteticamente tecem os dias e os cuidados como obra de arte, sempre inacabada. Nessa viagem, partem também os amigos deste doce rectângulo virado ao sol e ao mar. É o verão de vila nova. É o verão que naquele tempo não havia. Viajar, partir, dar um abraço de chegada, dar outro de despedida. Entre Orbacém e Brasília, entre o passado e o presente, entre palavras e rituais, um nome, um aniversário, uma ponte por sobre toda a solidão.

 

 

2015-06-08

A. Martins Ribeiro - Terras de Valdevz

Adicionar legenda

 

 

 

 

VERSOS DO AMOR PERFEITO

 

No dia em que foste minha

Houve coisas de pasmar

De espanto e admirações,

De assombro, grande aparato,

Planetárias convulsões

Ou de Encontro imediato

Que doutros Mundos provinha.

 

Anjos e Dominações - 

Querubins e Potestades

Desceram vindos do céu

Não com as asas voando                      

Mas sem fazer escarcéu

Bicicletas montando,

Entre raios e trovões.

 

No dia em que foste minha

tocaram tubas, timbales

Com estrepitoso vigor

De orquestra ao jeito que era

Do russo Stravinki, o Igor

Sagrando outra Primavera

Como assim ali convinha.

 

No dia em que foste minha  

Cuspindo lavas de fogo 

Irromperam os vulcões

Pariram todos os montes

Em violentas contrações:

Jorraram todas as fontes

Dilúvios, nem se adivinha.

 

Correram os peixes nas águas

Borbulhentos e agitados;

Fizeram as ‘strelas rosários

De luz em noite Lucina;

Tocaram os Stradivarius

Melodias em surdina

Daquelas que espantam mágoas.

 

No dia em que foste minha

Houve paz entre inimigos,

Os cães dançaram com gatos,

Cantou o pisco nos quintais,

Estridularam grilos chatos

Conviveram animais

Como o coelho e a doninha.

 

Estremeceu toda a Terra

O sol bailou com a lua;

Surgiram Bestas tamanhas

Como Moloch e Godzilla

E do alto da Montanha

O abominável Gorila

De eternas neves  que aterra.

 

Tudo isso que foi contado

Foi só p´ra me impressionar

Mas nada me impressionou;

E onde é que eu me espantei?

Foi quando o prazer brotou

No momento em que amei, 

Num desejo consumado.

 

Foi quando te vi sozinha

Á beira duma roseira

Com modo e maneiras calmas

Que o nosso amor chegou

E ao juntarmos nossas almas 

Seu botão desabrochou:

No dia em que foste minha.

 

*********

 

Arcos, Junho 2015

2015-06-04

Arsénio Pires - Porto

EPIGRAMA para NÓS


De favas e castanhas se alimenta

a nossa envelhecida Associação.

E nada mais produz ou mesmo inventa

pra endireitar a curva dos setenta

que a muitos dobra e mata a criação.

 

A maioria joga na bancada

confiando que a bola venha a entrar.

Mas, se alguém a convida pra jogada,

dá a morte da tia, já enterrada,

por desculpa pra não se levantar.

 

Quase todos, derreados, estremecem

sem saberem por onde hão-de seguir.

Alguns espetam farpas e emudecem,

outros surgem mas não mais aparecem

e há quem diga: A Palmeira vai cair!

 

Mas se houver quem forneça o alimento,

a mesa, o prato, o copo e o tintol,

não vai faltar vigor ao regimento,

que a CULTURA não é o seu sustento

nem tal arma se encontra em seu paiol.

 

E assim vai o mundo dos AAR

em que impera esta vã ociosidade.

Sem história pra termos que contar,

só nos resta um milagre e esperar

que da Palmeira brote a eterna idade!

2015-06-02

José Manuel Lamas - Navarra - Braga

 

 

                                      Um suspiro de alívio

 

 

                  Como o tempo de si mesmo chora

                  também nós de nós podemos chorar

                  chorando pela Palmeira que se vai embora

                  se dela não soubermos bem cuidar.

                  Mas porque a sul do Mondego

                  tal como no norte há companheiros

                  que pela nobre causa nutrem apego

                  e dela querem ser obreiros

                  ainda que lhes chamem mouros pagãos

                  por vezes comunistas também

                  mesmo assim são eles que se dão as mãos

                  e juntos com os de Orbacém

                  numa luta qual canseira

                  como se defendessem a própria mãe

                  tentam salvar a velha PALMEIRA .

 

 

 

       E aquele abraço 

 

                              Zé Lamas

Quer partilhar alguma informação connosco? Este é o seu espaço...
Deixe-nos aqui a sua mensagem e ela será publicada!

.: Valide os dados assinalados : mal formatados ou vazios.

Nome: *
E-mail: * Localidade: *
Comentário:
Enviar

Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório.

Copyright © Associação dos Antigos Alunos Redentoristas
Powered by Neweb Concept
Visitante nº