fale connosco


2015-10-02

Arsenio Pires - Porto

Aventino:


Parece-me que não há associados com direito a assistir e participar com voz e voto na tal dita cuja pré-anunciada assembleia geral.

Porquê?

 

Porque NINGUÉM pagou as quotas do ano corrente!

 

A não ser que...

 

2015-10-01

AVENTINO - Porto

 

Habemus dia para a Assembleia Geral da Associação.

Perguntem ao CASTRO.

 


2015-09-22

José Manuel Lamas - Navarra - Braga

 

 

 

           A urgência dos meus compromissos de hoje , não me permite tempo , para mais do que  " uma rapidinha "

 

 

 

 

                        Do órgão sexual da mulher 

                        Muitos nomes conheci na vida

                        Mas só ontem fiquei a saber

                        Que também se chama perseguida .

 

 

 

          Com aquele abraço

                                           Zé Lamas 

2015-09-15

alexandre Gonçalves - palmela

BARROSAL XI - Vila Nova de Setembro

 

É bom estarmos atentos ao rodar do tempo

O outono por exemplo tem recantos entre

dia e noite ao pé de certos troncos indecisos

cercados um por um de sombras envolventes

Ruy Belo

 

Entrei em setembro com melancolia. O verão foi uma doce miragem, rente ao mar, rente aos corpos sem nome, rente a um tempo que foge, sem nada que o domine. Que força é esta que tão subtilmente nos leva para lado nenhum? Como se já fôssemos póstumos a nós próprios e de certo modo fora de prazo. Como os consumíveis, à espera de reciclagem. Um dia acordei com raiva. É preciso resistir, é preciso ter pressa como toda a gente. Meter-se no carro, acelerar até poder, integrar pacificamente uma fila e admitir de antemão que não haverá estacionamento. Fiz tudo, encavalitei o carro entre calhaus, caminhei como um paregrino e por fim estendi a toalha. Apanhei sol, apanhei ondas, acendi desejos sem utilidade e adormeci. Depois abri um livro, mas não ultrapassei as primeiras linhas. Inquieto e tardio, afiz-me ao regresso e tive pena de mim. Agosto já não me pertence. Virei-me para os fidelíssimos animais, mondei ervas e lembranças e perdi-me em pequenas viagens.

Setembro antecipou-se ao calendário, com uvas e figos, algumas caminhadas pelos campos e algumas nuvens de betão no céu do sul. Foi então que reconstituí aquela viagem de cinquenta e sete, a primeira da minha vida. A carreira chegou, roncando cancerosa e medonha. Nunca tinha recebido um beijo, não tinha nenhum para dar. Havia pessoas curiosas à despedida mas eu fugi. Não que tivesse para onde fugir, mas tão só para não ficar. Ajeitei-me ao banco, não olhei para trás, acho que alguém chorou mas eu não quis ver. Quem foge é porque tem medo. O medo era única força que me empurrava. Medo de ficar, medo de partir, medo de me chamar Rui. Quando a aldeia se perdeu na montanha, aliviei os censores e comecei a ver coisas tremendamente novas. A que me arrepiou pele e coiro foi o comboio. Parecia uma cozinha imensa, botando fumo por todos os lados. As máquinas, de tão negras, e puxando uma cousa tão comprida, gelaram-me o sangue nas veias. Só me acalmei quando me assentei num banco de madeira, brilhante e sólido, com pessoas finas muito contentes e duas raparigas da minha triste idade. Riam-se muito, meteram-se comigo, acharam piada ao sotaque das beiras. O pior era que elas eram demasiado bonitas para eu as não levar comigo para vila nova. Por lá andaram muito tempo, até eu perceber que elas eram absolutamente proibidas. 

Era setembro, fazia uma chuva lânguida e mole, uma espécie de poeira húmida, que só molhava os sentidos e o coração. Por fora, a roupa mantinha-se bastante seca e aceitável, para os meus hábitos de consumo. Mas descobri com alegria que pelas janelas da camarata não se via a minha aldeia. Nem a neve que fazia pelo natal e ficava nos rostos e nas mãos até maio. Nem as brutas pedras que emolduravam a infância. Até posso afirmar que enquanto outros mastigavam dores maternais, eu apascentava um rebanho de pequenas alegrias. E não tarda que eu descubra lá dentro a minha mãe, a minha prima e mais que tudo a primeira namorada. Uns chamavam-lhe solfejo e eu rimava tudo com desejo. Outros diziam melodia, harmonia, polifonia. Eu dava-lhe o nome da maria, que era assim que se chamava a pastora com quem eu misturava o meu gado e os dedos cheios de cerejas. Quando integrei o coro, já não foi para cantar mas para gritar e chorar de alegria. A música prendeu-me por dentro. E eu perdi a liberdade inútil de querer sair. Mesmo depois de estilhaçar a vocação em sucessivos fragmentos, tantos quantas as vezes que tropeçava no esplendor do mundo.

A vida tem doze meses. Cousa pouca para a importância absoluta que os pregadores teimavam em atribuir-nos. Gastámos muito tempo a ser meninos. Mesmo depois de termos ficado sem mãe.Em abril, começamos a ser belos e desejados. É aí que entramos em fusão e perdemos os direitos adquiridos. A individualidade nascente tende a fundir-se e a confundir-se em gestos gerais e comuns. Mas a esperança mantém-se viva e actuante. Há ainda um tempo de recuperação dos caminhos perdidos. Setembro abre o outono e mostra os frutos  e as colheitas. Sobra agora um intervalo flutuante conforme o jeito e o destino. A biografia está a aproximar-se dos últimos capítulos. Começámos em setembro e regressamos a setembro, à praia da madalena, à chuva sobre coimbrões, ao céu de vila nova, cor de chumbo. Temos de estar atentos ao tempo que agora roda violento, sobre um passado que ainda não passou.


 


2015-09-10

José Manuel Lamas - Navarra - Braga

 

                              Politicagem

 

                   Estamos em tempo de eleições

                   Lá vêm eles com suas intrigas

                   Passeando-se pelas televisões

                   Enquanto o país vai p'ràs urtigas

 

                   Julgam-se muito nobres

                   Esses que se dizem políticos

                   Mas enquanto prometem aos pobres

                   Vão enchendo o bolso aos ricos

 

                   Se os políticos estão onde estão

                   É porque o povo assim quer

                   Por mim faça-se já uma revolução

                   P'ra pôr esta corja a correr

 

                   De suas obras não se faça tábua rasa

                   Com estes as coisas já estão vistas

                   Está na hora de mandar os políticos p'ra casa

                   E dar lugar a verdadeiros estadistas

 

 

 

            Aquele abraço 

 

                                 Zé Lamas

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

           

 

 

 

 

 

 

 

  

                           

                                       

Quer partilhar alguma informação connosco? Este é o seu espaço...
Deixe-nos aqui a sua mensagem e ela será publicada!

.: Valide os dados assinalados : mal formatados ou vazios.

Nome: *
E-mail: * Localidade: *
Comentário:
Enviar

Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório.

Copyright © Associação dos Antigos Alunos Redentoristas
Powered by Neweb Concept
Visitante nº