fale connosco


2019-11-03

Aventino - Porto

VOU PARA SUL

Estão a ver bem? Sim? Ah! Ok.

Tenho algumas dificuldades no atrevessar a ponte d' Árrabida, para sul:

1. o meu pai foi um dos tripeiros que barrou o caminho aos automóveis aquando da inauguração da Ponte D'Árrábida. Sabereis, com certeza, que o magano António, sim, sim, o Botas, fixou uma portagem para quem quisesse atravessar a "Ponte". Azar. teve azar. O POBO, chamando POBO ao POBO da INVICTA (antiga, mui lobre, leal e invicta cidade do Porto) ajuntou-se por sobre o asfalto e, queres passar?, queres? vai passar pro c...e o meu pai lá estava.

2. Para sul da Ponte D'Arrábida, é tudo comunas. E como levei porrada da comunistada, como sofri um tentativa de saneamento pela simples razão de não ser comuna, como eles são todos tão feios, tão mal amanhados, tão barbudos, e como elas são tão acigarradas, tão avinagradas, tão mal coisadas, fiquei fobicomuna. Mais três ou quatro dias, estaremos livres dessa matilha.

3. A sul encontro-me com o sol e a minha mãe, Tino, Tino, já p'ra casa, e o sol tisnava-me, queimava o branquelas, o magricelas, o enfezado, o palito, e tudo o que os doces beijos da minha mãe encontravam para me afagar no seu colinho e para me trazer para casa.

MAS vou p'ra sul. Não há nada MAIOR do que um abraço do ALEXANDRE, deste SENHOR de que todos os AAR'S se orgulham.




2019-10-29

Alexandre Gonçalves - Palmela

 

OUTONALIDADES  2019 

 

Viajantes Deste Jardim Litoral

A doçura pluvial de novembro caiu sobre as nossas inclinadas vidas. Há quantos anos foi o verão passado? Que ninguém conte nem os dias nem os meses. Seria uma contagem ilusória, pois ignoraria as sucessivas emoções que perpassam pela vida. É o tempo e o vento que, numa simbiose obscura, arrastam este navio para longe. Num olhar imediato, nem se move. Parece quase parado na repetição distraída dos nossos actos. Se insistirmos, veremos que o navio já se extingue na distância. Assim a duração de um ano, entre dois novembros.

Para nos opormos a essa vertigem, ritualizámos a memória, que através de encontros actualiza o passado, do qual se diz que é passado e que portanto não volta. Há aqui uma liturgia dos sentimentos. As palavras antigas voltam. A amizade não se perdeu nos caminhos nem em divergências. Um aceno simbólico e oportuno chama por nós, numa convocatória silenciosa. Sorrimos e dizemos:não, não posso faltar. Ó mulher, arranja lá isso!  Estamos convocados. Fixa a data. Eu não me importo de não comparecer aos exercícios religiosos. Mas nestas datas, contem comigo! (Perguntem ao Meira!) Tenho a memória em plena actividade. O tempo circular parece que leva mas tabém traz. E o que traz faz esquecer o que leva. E prolonga-nos a vida e aumenta a(s) vitalidade(s).

Pois é. Estou a falar do dia 16 de novembro, que. de acordo com a nossa tradição, é o primeiro sábado a seguir ao  S.Martinho. Do santo já sabemos tudo e retemos dele em especial a bênção que ele dá à vida enquanto festa. Das muitas ausências e distâncias chegam nomes em vias de esquecimento. Como estamos ainda acordados e propensos para a sabedoria, instituímos este lugar como um templo, um culto, um conjunto de gestos e atitudes onde celebramos as muitas idades que já tivemos. Castanhas e vinho de novembro presumem afectos e saudades. Por cada taça que levamos à palavra, o coração agita-se de lembranças que se atropelam umas às outras. A mesa está cheia de sentimentos que se  comem. O tempo acelera a tarde. Sem darmos por isso, o fogo do poente, entre cedros e casuarinas, pede o V(B)iv(b)at. Cantamos o abraço final e até novembro de 2020!

 

PS/O convite é para todos: gregos, troianos, ateus, piedosos, clérigos e anti-clericais, Senhoras e Cavalheiros. As regras são as dos outros anos. Não se esforcem por trazer vinho. Seria um acto néscio. Aqui esse líquido espiritual corre pelas ruas inclinadas. A recolha só exige recipientes adequados. Não abusem nas quantidades seja do que for. O que sobrar tem retorno obrigatório à procedência. As portas abrem às 10h e os seguranças estão de folga. Captivem o dia 16 e façam a melhor viagem possível|

 



2019-10-01

ANTONIO GAUDENCIO - LISBOA

Contando com a autorização postcipada do Aventino, subscrevo aqui, integralmente, as palavras dele.

Amen 

2019-09-30

Arsénio de Sousa Pires - Porto

Meu querido monte Aventino onde talvez Nero se tenha sentado para beber Roma a arder!

Da lira que ele tangeu, não restam harpejos. Nem do poema que ele teceu, pés ou versos foram cinzelados.

Um poeta, que não imperador, cantava: Quem vive do passado é museu!

Aceitemos os dias que passam como a espuma nos rios que correm. 

Não vale a pena morrer assim tão cedo.

Finjamos que somos jovens... enquanto há tempo. 

Um pouco de tempo apenas. 

Só. 

2019-09-27

Aventino - Porto

Meu querido ARSÉNIO:

Se eu tivesse facebook não concordava. Como, não tenho, concordo PLENAMENTE.

Um dia escrevi nesta coisa inexistente: "não escrevo para mortos".

Errei, claro que errei. "erros meus, má fortuna, amor ardente".

Errei.

Agora, ressuscitados que são todos os AAAR's pelo facebook, desejo que se facebookem todos.

Quer partilhar alguma informação connosco? Este é o seu espaço...
Deixe-nos aqui a sua mensagem e ela será publicada!

.: Valide os dados assinalados : mal formatados ou vazios.

Nome: *
E-mail: * Localidade: *
Comentário:
Enviar

Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório.

Copyright © Associação dos Antigos Alunos Redentoristas
Powered by Neweb Concept
Visitante nº