fale connosco


2019-04-10

Aventino Pereira - Porto

GASTRONOMIZA-TE

 

E, eis que do alto deste penhasco, vislumbro ao longe o resto dos prazeres que nos restam:

                                                                                     I

-De avental ao peito, mexe que mexe, remexe, remexe, o panelão a ferver , e o VIEIRA,

Oh mulher! Já ferve,

e ele prova, volta a provar, medita nos sabores sentidos e o que lhe apetece é começar já já a comer,

uma pitada mais de sal fica mais apurado,

a colher rola, rola outra vez, agora o vinagre, tinto, mulher é do tinto, todos pra mesa, grita ele,

eei-la: fémea, gorda, grande, às postas a abrilhantar a gula de um repasto de deuses.

                                                                  II

-O CASTRO é todo butelo e casulas que vieram lá do fim das terras quentes do Nordeste para ali, naquele cantinho de Sabrosa, à vista do vale onde o Douro parece abraçar-nos.

Fez-se silêncio. A primeira garfada à boca esilêncio de novo. Começou o banquete. Mastigai bem, devagar, devagar, que isto é indigesto, diz o Castro, e ele sorve, chupa, trinca, lambe, osso a osso,

que nada se perca,

o dia começou cedo é preciso alimento forte para aguentar,

e a vinha, vinhedos de Sabrosa onde ele ainda vai namorar o tempo antes de regressar ao Porto. Oh mulher! despacha-te que quero estar com os netos.

                                                                   III

-Agora, seja  o ALEXANDRE, vem de Sesimbra, uma posta de cherne no “O Velho e o Mar” e dois comunas ao lado, na mesa ao lado, espreitam, espreitam o prato do Alexandre e conspiram,

a burguesia come peixe fino, diz o comuna invejoso;

os pobres comem peixe vagabundo, diz o outro comuna invejoso.

O Alexandre segue o seu caminho, Coina para a direita, Palmela para a esquerda, hesita se vai a Coina ou para Palmela, pensa (o Alexandre não pensa, cogita) e lenta, lentamente, refugia-se no seu refúgio:

-ao menos se o meu pensamento parasse!... e adormece.

                                                                      IV

-Na Rua das Portas de Santo Antão, o GAUDÊNCIO espreita, espreita as ementas, restaurante, outro restaurante, outro, o Gambrinus:

-folhado de perdiz:  50,00 euros

-crepe suzete:           30,00 euros

-café de saco:               9,00 euros.

Ladrões, grita o Gaudêncio. Ladrões, Ladrões, grita o povo na rua, chamem a Polícia, ouve-se, chamem a polícia, a sirene, a patrulha chega, arma, escudo no braço, viseira e cassetete em riste para o que der e vier,

onde estão os ladrões, onde estão os ladrões grita o polícia baixinho borrado de medo,

e o Gaudêncio,

ali, ali, e aponta o Gambrinus.

Continua a subida, agora sereno, a alegria interior própria de uma patifaria infantil de que todos nós gostaríamos de ser os autores,

Avenida da Liberdade, encosta-se à vidraça e vê. Que luxo, diz baixinho, “Je ne sais quoi”, JNcQUOI restaurante, aberto das 12 horas às 02 horas, e lê os preços, incrédulo, outra vez os preços,

“grandes ladrões, soletra,

continua a subida, Avenida de Berna, o Rêgo, passagem para o outro lado, “Adega Tia Matilde”. E repasta-se. Finalmente.

                                                                       V

-O ARSÉNIO ainda não decidiu. Entre um peixe grelhado em Matosinhos e um cozido à portuguesa, talvez um bife do lombo, “mal passado, faz favor”. E depois? Depois, meditar e poetar!

                                                                       VI

-Quem circula pela A28 e pela A3 depara-se com uns cartazes que ficarão na memória para os nossos restos de sempre:

“3ª edição da Foda à Monção”.

O MARTINS RIBEIRO ri-se, impõe-se, goza com quem não sabe, é muito bom é, diz ele, em forno de lenha o anho a assar e pinga, pinga sobre o arroz, continua, mas saibam bem que a boa foda é lá nos Arcos, na minha terra.

                                                                         VII

-O nosso ASSIS escarafuncha, ancinho numa mão, a pá na outra,

a terra ainda está seca, tenho que regar isto, fala com as rosas, beija aquelas orquídeas altas que tem junto à porta e volta ao quintal,

mais mês menos estas hão de estar boas

e nós à espera das favas lá para maio ou junho misturadas com grandes doses de afeto com que nos haveremos de amar, ali, em terras de Orbam.

                                                                          ***

E eu, um prato de sopa de nabos, acompanhada com a minha imensa solidão.

 

AVENTINO, algures, em abril de 2019 (d.c.)

 

2019-04-03

Manuel Vieira - Esposende

O tempo vai encurtando, escrevia eu há dias noutro espaço, referindo-me ao desaparecimento precoce do nosso colega Amândio Acácio Pires de Mirandela, que terá entrado em Gaia no ano de 1961.

Não o conheci pessoalmente, mas dirigi-lhe palavras  escritas de agradecimento por nos ter apoiado com a cedência de um autocarro num belo Encontro que realizamos naquela região e nos permitiu calcorrear o castelo de Ansiães com as doces  cerejeiras à entrada, subir ao monte da Senhora da Assunção em Vilas Boas e descer à foz do Tua onde nos deliciámos com os gulosos "peixinhos do rio".

Faleceu com 70 anos de idade e na altura do dito Encontro estava ligado ao Município de Mirandela. Paz ao seu espírito.

2019-03-25

ANTONIO GAUDENCIO - LISBOA

Meus amigos

Apenas duas linhas para pedir desculpa ao Vieira pelo meu lapso de atribuir ao Delfim a evocação do nosso muito lembrado amigo Peinado Torres.  A paternidade do acto é do Vieira e ponto final.

O seu a seu dono, amigo Vieira, e desculpa o meu disparate que se deve imputar  a uma falta de atenção que não de consideração.

Reposta a verdade, passai todos bem. 

2019-03-24

ANTONIO GAUDENCIO - LISBOA

O último, o que vai fechar a porta, já agora  que apague também a luz. Poupam-se umas coroas......e completa-se o serviço.

Todavia eu não acredito que haja algum  " valente " que tenha a coragem de fechar a porta depois de apagar a luz.  Sou pouco optimista em relação às coisas normais  da vida e ao mundo que me rodeia mas, depois de ler os  dois textos muito bons (   cada um no seu registo ), aqui inseridos nos últimos dias, eu sigo esperançado que o silêncio, pressagiado pelo Alexandre, não nos vai abafar tão depressa. Ainda mexemos !!!!!!

As entradas  a que atrás me referi são, obviamente, a do Aventino que, depois de um letargia invernosa, despertou impetuosamente na Primavera mostrando que as suas memórias ressaibiadas e a sua veia provocadora continuam vivas e intactas. Gostei, apreciei e relembrei com ele alguns restos das minhas memórias, passados que são mais de sessenta anos, e agora fico à espera que a próxima "crónica " não demore tanto como esta.......

A outra entrada é a do  " mestre " Alexandre que, ao mesmo tempo que nos fala, vai brincando, elegantemente, com o português. Mas desta vez noto-lhe uma pequena tendência para o pessimismo, território onde ele, penso eu de que.... , nunca tinha entrado ao longo dos anos o que se pode confirmar lendo os belos textos com que nos tem mimoseado.

É verdade que a Revista acabou e finiu-se por causas que andarão perto das " guerras de alecrim e mangerona ". Talvez me apetecesse ser mais explícito mas isso não vai acontecer.  Quanto ao fim do  Passeio Anual é diferente pois julgo que interesse havia mas a logística para juntar o norte e sul, no mesmo dia, é obra de peso quase incontornável.  ( Quase...)

Quanto ao site ele só se calará se nós quisermos. Custa-me aceitar que tenhamos gente bem dotada para as letras mas que não consegue perder uns minutos para debitar uma qualquer  laracha para fazer prova de vida e entreter a malta. E não me venham falar de velhice pois dessa moléstia sofremos quase todos......

Julgo que, no pºpº dia 08/03/2019, escrevi aqui no site o epitáfio do mesmo e dizia :  «  AQUI JAZ O FALE CONNOSCO  RIP  »  mas o gestor do site não o quis publicar, e ainda bem, porque, uns dias depois, vislumbrámos sinais de vida. Afinal o «Fale Connosco » não estava morto mas, apenas, moribundo. 

O Delfim, com muita oprtunidade, trouxe-nos à memória o nosso Peinado. Também me lembrei da data e ainda tive o telefone na mão para falar uns minutos com a MIMI, esposa dele. Mas, ao contrário dos anos anteriores, acabei por não ligar.

Toavia, ainda não consegui preencher o vazio daquele amigo que era mesmo amigo desde Agosto de 1955.  

( Código Ortográfico Antigo )  

2019-03-23

alexandre gonçalves - palmelaO

 

 

ONDE TUDO VAI MORRENDO

 

Saúdo os Ares, especialmente os que perturbaram o nosso infinito silêncio. De entre estes é forçoso salientar por diferentes razões o Aventino e o M.Vieira. A associação nasceu infantil, como tudo o que nasce. Cresceu e tornou-se árvore. À sombra dela gastámos gostosas horas de festa e construímos amizades com raizes antigas. Temos uma história, eventualmente irrelevante. Mas cada um à sua maneira terá aumentado o tamanho da sua vida, na medida em que se inseriu nas práticas desenvolvidas. Notam-se agora alguns sinais que indicam decadência? Naturalmente, estando já inclinados pelos anos e vacinados contra as fraudes amorosas; com o céu de deus cada vez mais vazio; num rectângulo cada vez mais litoral; que resta ainda para fazer da nossa idade um cântico de alegria? Primeiro, foi a revista, a palavra que não voa. Um lugar privilegiado para exercícios de ancianidade. Como foi possível que tão cedo nos faltasse esse mármore, onde poderíamos ter gravado a ouro o coracão escrito? Depois foi o encontro anual, esse filme do país profundo.Essas viagens nordestinas, como quem visitava a própria infância. Essas mesas alongadas, presididas pelo pão e pelo vinho, em circuito familiar. O regresso hesitante à música, que na sua imperfeição nos dava a ilusão sadia da vitória final sofre as sucessivas falênccias da vida. Houve ainda a breve leviandade do facebook, numa tentativa de acompanhar a onda alheia, incompatível com pruridos de "valores e princípios" de alegada superioridade moral. E agora temos esta página imaculada, que preservamos com uma sistemática ausência. Apetece dizer que tudo nos foi morrendo, sem o nosso consentimento.Sem darmos por isso e sem remorso. Qual de nós vai fechar a porta?

 

Quer partilhar alguma informação connosco? Este é o seu espaço...
Deixe-nos aqui a sua mensagem e ela será publicada!

.: Valide os dados assinalados : mal formatados ou vazios.

Nome: *
E-mail: * Localidade: *
Comentário:
Enviar

Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório.

Copyright © Associação dos Antigos Alunos Redentoristas
Powered by Neweb Concept
Visitante nº