fale connosco


2010-10-03

alexandre Gonçalves - Palmela

Transumância é a palavra de ordem. A idade ensinou-me que nada nos deve impedir de correr até onde se disser que abundam as verdes pastagens. Inventada como está a confraria do cabrito montês, aí irei eu seja qual for a data. E muito me alegrou saber que o Ricardo Morais está disposto a inundar toda a região de Arcos com a sua excepcional colheita de 2009. Tanto mais quanto já está no ventre das cubas, numa milagrosa e exaltante gravidez, um novo falerno para as futuras libações. Bem diz o Arsénio que o rectângulo não sofre dessa doença a que alguns chamam tristeza. Pelo menos o clube dos mais avisados parece desmentir a teoria da dita canção nacional...Já agora, que evoquei o conceito de teoria, acrescento que a transumância é movimento, é deslocação, é mudança. Mesmo que não se saia do qintal. Porque é por dentro que se viaja. É por dentro que se fazem as revoluções. É por dentro que se faz a vida e se ama e se escreve uma ideia.E é por dentro e para dentro que se verte o fruto da videira, na suave liturgia dum encontro.
2010-10-01

Arsénio Pires - Porto

Pego na pena, furibundo e algo mais, para riscar o mito de que o povo português é um povo triste e, nisso, alguns pretendendo justificar esse canto lamechas que por fado dos deuses da Antiga Grécia ou de Lácio, se diz chamar Fado.

Quem diz que o povo português é um povo triste é porque, nas suas emigrações, não passou de Badajoz.
Ide, criaturas, aos países nórdicos! Fazei escala em Londres e dizei-me se no meio daquele nevoeiro descortinais algum sorriso. Pernoitai em Estocolmo e contai pelos dedos duma só mão por quantos transeuntes passais que demonstrem um só sorriso!

Andar 400 kms (como vai fazer o nosso Alex!) para vir desgraçar um cabrito na companhia dos amigos, é coisa impensável em qualquer dos tais países que são evoluídos e raramente vêem o sol. Esses, sim. Esses é que são tristes!
Mas não têm Fado. Só isso lhes invejo!

Nota: Cabrito, sim! Venham mais cinco!

2010-09-30

A. Martins Ribeiro - Terras de Valdevez

Foi com certa surpresa que percebi o desejo do companheiro Alexandre, manifestado no seu magnífico tópico, de integrar o grupo dos "comedores" de cabrito montês aqui destas serras dos Arcos. Tal surpresa deu, por sua vez, lugar a uma sã alegria, porque não podemos viver só de musas, loiras ou morenas, nem da transcendente filosofia. Dizem pr'aí que não se pode agradar a todos, nem a gregos nem a troianos,  ao mesmo tempo. A concertação das datas foi um exercício difícil e o dia 14 tem uma razão. Para mim, o dia 15 seria o ideal, mas não agrada ao Peinado pelas mesmas razões que o Alexandre invoca e, então, que fazer? A solução deveria ser a salomónica: vir no dia 14 e também no dia 15 mas isso seria uma "violência" e o que é demais, é moléstia! Reitero o meu alvoroço na comparência do amigo Alexandre e daqui lhe peço um seu pequeno esforço em tal sentido. No que toca a programa, é que não há programa nem é necessário, porque nestas acções de Epicuro o essencial é comparecer. Por isso, é só aparecer aqui nos Arcos por volta das 10-11 e confiar nos peritos preparadores da iguaria caprina. Sabemos que em tais circunstâncias estes eventos materiais são aproveitados (e devem ser) para se filosofar um bocado, dando razão ao conceito de que não se pode filosofar de barriga vazia. 

Do fado já falei, mas dou toda a razão ao Alexandre: é uma canção que ilustra bem a característica dum povo como o nosso que, talvez por um decreto eterno, cumpre o triste fadário de não passar dum povo amorfo e triste, com o relativo mérito de ter inventado a palavra saudade.

Conto convosco e … abraços.

2010-09-29

Alexandre Gonçalves - Palmela

Meu Caríssimo Inimigo do Fado, Martins Ribeiro, e Ajuvantes: Tendo captado, em emissão de FM, que um vago convite andava no ar, ajeitei-me de imediato para integrar o Clube dos Predadores de Cabritos/as do Minho. Enquanto reflectia profundamente na data, na deslocação e outras prevenções... o ilustre anfitrião muda o dia, não indica a hora, nem guarnece o cabrito (ou o que for) das respectivas instruções. Afirmo a intenção de elogiar tudo o que ao cabrito se refira. Mas a data de 14 complica-me vários mecanismos, próprios de um homem comprometido com desejos e obrigações. Não poderá voltar à data inicial de 15? Se o for, garanto toda a cumplicidade e até a presença. Caso contrário, terei de tentar a volta, que de momento está complicada. Aguardo a vossa benevolência... Quanto ao dito, podemos odiar, desmascarar, esconjurar... Mas este país, feito das sobras ibéricas, cortado em tiras de alfaiate, os corpos samoanos languidamente espalhados pelas praias gregas, os chefes tribais a fingirem de reis, tudo isto inspira uma ondulada tristeza... Tragam-me uma cítara ou um alaúde ou um corno de boi... e eu comporei um salmo tão dramático como os de David. Ou farei um coro trágico à maneira de Sófocles. O destino subverte-nos a utopia. Há deuses pagãos a armarem-nos ciladas. O mar não tem ventos. Os navios aguardam em vão uma vã oportunidade. Que podemos nós fazer colectivamente, para que o rectângulo se estique um pouco e caibam lá todos os seus habitantes? Como nunca até à data o conseguimos, inventamos efes, com ou sem melodia, com ou sem acompanhamento. Bebemos-lhe, choramos-lhe, e fazemos trinados em copos de três. Não é o melhor para as contas pú(b)ticas. Mas é o que há. E há muita gente assustada com uma dor estranha, que nem é revolta nem submissão. O FADO não se gosta nem se desgosta. É um povo que anda sempre na diáspora, à busca de pastos. E teve de criar a palavra SAUDADE para se lembrar de todos os lugares onde pernoitou e donde teve de partir no dia seguinte. Mesmo que todos os fadistas fossem péssimos, e alguns são abomináveis, mesmo que ninguém desse voz à melancolia morena de um povo deitado ao sol, nem assim deixaríamos de ter uma sina que nos perpetua a mágoa de sermos um país hipoteticamente inviável.
2010-09-28

manuel vieira - esposende

Caros amigos,

a vida continua e hoje recebi notícias do nosso colega Assis, o que me acalmou depois de um seu silêncio anormal.

O nosso colega Ribeiro já esclareceu a agenda comestível e é bom que o pessoal não perca a oportunidade, tal é a qualidade do repasto e é notória a ansiedade do Peinado.

Voltando ao Assis:

Este nosso colega Assis esteve estes dias em Teresina, uma cidade a 640 quilómetros de Fortaleza para onde se deslocou de autocarro, em viagem nocturna de 12 horas, para visitar uma pequena comunidade Emaús muito pobre. Foi só pois para o Padre Henri seria de elevado risco de doença e muito cansativa devido à sua idade.

O Padre Henri continua bastante ocupado : 1 entrevista na TV  Assembleia; 2 entrevistas em jornais; várias palestras na Universidade e no palácio da Justiça. Ontem mesmo esteve na universidade pela manhã. Hoje tem um encontro com uma dúzia de pessoas pela noite  e já teve outros semelhantes.

Uma actividade intensa que lhe causa bastante cansaço apesar do seu entusiasmo.

Um nosso colega enviou-lhe uma carta com uma ajuda para Vila Velha. Vai-lhe responder para agradecer. O Pe. Henri, mal lhe entregou essa ajuda, foi logo empregá-la ajudando a construir uma casinha dum pobre que tem 8 filhos, quase todos pequenos.

 

Para o Assis e para o padre Henri o nosso abraço.

 

 

Quer partilhar alguma informação connosco? Este é o seu espaço...
Deixe-nos aqui a sua mensagem e ela será publicada!

.: Valide os dados assinalados : mal formatados ou vazios.

Nome: *
E-mail: * Localidade: *
Comentário:
Enviar

Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório.

Copyright © Associação dos Antigos Alunos Redentoristas
Powered by Neweb Concept
Visitante nº