fale connosco


2010-10-04

A. Martins Ribeiro - Terras de Valdevez

Espantosamente pessimista este tópico do colega Aventino. Quiçá eu, por já estar fossilizado ou, como alguém um dia me classificou,  ser do tempo do Afonso Henriques, não entenda bem o simbolismo da quinta feira do nosso companheiro. Porque, reconheço, nesse meu tampo, eram,  possivelmente outros tempos: melhores, piores, não sei. Mas eu, desde muito novo, amei sempre, nunca deixei de amar e só parei já no fim do tempo, no desgaste e no esfrangalhar da máquina. Mas amei sempre: tapado pelas  dunas, escondido atrás das moitas de tojo dos montados, ao calor da  lareira, até em noites de invernia; e não me arrependo. Agora, não preciso de ir aos Arcos porque já estou nos Arcos, terra impregnada de fragrância e lindeza, que não sendo a minha terra  a fiz minha pois nela vivi o melhor do derriço e da aventura. Tudo consumado, presentemente só me resta o cabrito. Cabe-me aqui dizer que ninguém convidou ninguém e tudo o que vai acontecer nasceu dum impulso expontâneo da imaginação e da amizade: os convites estão todos feitos e se o caro Aventino quiser e estiver disposto só nos trará alegria com a sua presença. É numa quinta feira, é certo, mas este dia foi acordado entre todos os que decidiram aparecer. E qual o óbice ou a animosidade contra a quinta feira? É um dia da semana como qualquer outro, tão bom para nascer como tão mau para morrer. Caro Aventino, pelos vistos parece não gostar, mas deixe-me que  fale de amizade, de encontros, de almoços de cabrito, de Arcos de Valdevez, da serra, do mar, de noites oníricas porque, para mim, é o que me resta e que ainda me proporciona uma grande felicidade. Acho que o amigo não deveria virar-lhe assim as costas.

2010-10-04

Alves Diamantino - Terras da Maia

Aproxima-se o dia da imolação,em Terras Altas do Minho,em honra da Santa Convivência. Perante o sacrifício de um animal puro,preparemo-nos,expurgando os maléficos sabores quotidianos. Expiadas algumas convicções, elevemos o pensamento,para a Santa Degustação. Confiai nele,na nobreza proteica,anti-inflamatória e da resistência imunológica da sua carne. Mas o espírito,também se alimenta. Louvemos,as nossas raízes que seivaram nossa vida,formação e personalidade. Levai o breviário – A PALMEIRA - . As sua raízes, em cabeleira, interlaçam orações, credos e memórias. Creio na sabedoria e tolerância da solidariedade. Um Abraço do ex-seminarista Redentorista
2010-10-03

Aventino - Porro

E tu que partes, partes em busca ou buscas-te? Caminhas um quilómetro e outro quilómetro; e um silêncio e uma ausência; e o sonho e uma alegria; e um repasto e um cabrito; e um encontro e um regresso; e uma tristeza e um outro dia; e um novo dia e um outro sonho e um outro cabrito. E tu que partes, partes? E aqueles que ficaram, como ficamos, numa quinta feira, às quintas-feiras não havias aulas era o recreio e o almoço melhor e o dia melhor e uma esperança e o teu pai e o meu e a minha mãe e a tua e nós à espera que nos viessem visitar e o fim do dia e nada, nada, nada, nada e novamente o silêncio e o jantar e as orações e o dormitório. Agora tu lá caminhas para Arcos de Valdevez, convidado, só tu és convidado, só tu és quinta feira, quem é que pode ir à quinta-feira para Arcos de Valdevez? Também eu já quis ir para Arcos de Valdevez à quinta-feira, quando o corredor era ali adiante, lentamente, um passo, outro passo, o gabinete, a chave a trancar a porta, era quinta-feira e lá dentro eu e ele, uma criança, o silêncio,  e o resto. Nesse tempo é que eu queria ir para Arcos de Valdevez, ou para o mar, ou para o mar, ou para o mar, ou para o mar. Nesse tempo o que eu queria era não ir às quintas-feiras, pelo corredor adiante, uma porta, uma fechadura, um trinco e o silêncio. Nesse tempo eu não sabia que havia Arcos de Valdevez, nem Portugal, nem Europa, nem África, nem. Nesse tempo eu amava a minha mãe e o meu pai; eu amava as minhas irmãs e os meus irmãos. Nesse tempo eu amava-me a mim, a criança que eu era e era feliz assim, amando esses que não mais me deixaram amar. Esse tempo era o tempo em que eu ainda sabia o que era o amor. Agora o que eu queria era que não me falasses de Arcos de Valdevez, nem de amizades, nem de encontros, nem de almoços nem de felicidade. E muito menos de quintas-feiras.

2010-10-03

alexandre Gonçalves - Palmela

Transumância é a palavra de ordem. A idade ensinou-me que nada nos deve impedir de correr até onde se disser que abundam as verdes pastagens. Inventada como está a confraria do cabrito montês, aí irei eu seja qual for a data. E muito me alegrou saber que o Ricardo Morais está disposto a inundar toda a região de Arcos com a sua excepcional colheita de 2009. Tanto mais quanto já está no ventre das cubas, numa milagrosa e exaltante gravidez, um novo falerno para as futuras libações. Bem diz o Arsénio que o rectângulo não sofre dessa doença a que alguns chamam tristeza. Pelo menos o clube dos mais avisados parece desmentir a teoria da dita canção nacional...Já agora, que evoquei o conceito de teoria, acrescento que a transumância é movimento, é deslocação, é mudança. Mesmo que não se saia do qintal. Porque é por dentro que se viaja. É por dentro que se fazem as revoluções. É por dentro que se faz a vida e se ama e se escreve uma ideia.E é por dentro e para dentro que se verte o fruto da videira, na suave liturgia dum encontro.
2010-10-01

Arsénio Pires - Porto

Pego na pena, furibundo e algo mais, para riscar o mito de que o povo português é um povo triste e, nisso, alguns pretendendo justificar esse canto lamechas que por fado dos deuses da Antiga Grécia ou de Lácio, se diz chamar Fado.

Quem diz que o povo português é um povo triste é porque, nas suas emigrações, não passou de Badajoz.
Ide, criaturas, aos países nórdicos! Fazei escala em Londres e dizei-me se no meio daquele nevoeiro descortinais algum sorriso. Pernoitai em Estocolmo e contai pelos dedos duma só mão por quantos transeuntes passais que demonstrem um só sorriso!

Andar 400 kms (como vai fazer o nosso Alex!) para vir desgraçar um cabrito na companhia dos amigos, é coisa impensável em qualquer dos tais países que são evoluídos e raramente vêem o sol. Esses, sim. Esses é que são tristes!
Mas não têm Fado. Só isso lhes invejo!

Nota: Cabrito, sim! Venham mais cinco!

Quer partilhar alguma informação connosco? Este é o seu espaço...
Deixe-nos aqui a sua mensagem e ela será publicada!

.: Valide os dados assinalados : mal formatados ou vazios.

Nome: *
E-mail: * Localidade: *
Comentário:
Enviar

Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório.

Copyright © Associação dos Antigos Alunos Redentoristas
Powered by Neweb Concept
Visitante nº