fale connosco


2010-12-25

Ismael Vigário - Espinho

Um sinónimo da vida será a controvérsia, talvez mais que a concórdia.Esta é um desejo, uma força. Função da razão, como diria Hegel.Isto porque no inicio era o caos. Hoje, iludimo-nos com o cosmos.As explicações mais ou menos racionalizadas. Os artistas movem-se mais no caos que no cosmos. PREFEREM MAIS O EROS QUE O LOGOS. Saramago é um artista. E é neste âmbito que temos de o situar. Mesmo quando se explica, é no plano estético que ele se move. Saramago encanta-se com o texto bíblico e vê nele uma mina que sabe explorar. Não só explora a temática, mas até é ainda a Bíblia. Usa parábolas, imagens, alegorias e nomes bíblicos.Saramago recria e prolonga os temas num diálogo da cultura bíblica com a cultura actual. Saramago está sempre a fazer paráfrase de qualquer texto. Recorreu à História e aos nomes da nossa cultura."O ano da morte de Ricardo Reis", "Memorial do Convento" espécie de metáfora da luta de classes no tempo do Sr. D. João V. É criativo? É. É católico? Talvez não. Mas era sobretudo heterodoxo, polémico, controverso e inspirava-se e provoca-se com os teólogos (Carreira das Neves) O texto literário não é um texto ensaístico, diz mais do que diz, porque o fazem dizer, porque é aberto. A uns agrada, pela sua imaginativa metáfora, a outros pelas possíveis verdades que talvez nele se plasmem. Pessoalmente, prefiro os artistas e dar-lhes a liberdade de criação e sem peias e quaisquer cerceamentos. A controvérsia que se instala é com as várias leituras que fazem os vários leitores. Nada de criticável. Situamo-nos no plano do livre exame e da tolerância. Mas esta intenção de polémica conhecia Saramago e alimentava-a, pelo desejo de fama de todo o artista que faz jus ao seu público. A arte está além do artista. E não tem, necessariamente que ser dialectica. Platão no Ion distinguia muito bem esses planos. Mas nós somos amigos e podemos filosofar sem nos hostilizarmos, porque gostamos de partilhar diferentes pontos de vista. Continuação de Boas Festas para todos.
2010-12-25

Arsénio Pires - Porto

Meu caro Martins Ribeiro:

Só agora venho a terreno pois fugi da cidade para a aldeia e regressei agora mesmo.

Compreendo a tua indignação perante o desbragado texto do J. Marques. Estou contigo.

Mas eu não me sentirei assim tão ofendido pois "vozes de burro não chegam ao céu", não é? Conhecemos bem o seu estilo! E também o nosso sentido de sã tolerância e até de Amor (somos nós os crentes n'Ele...) leva-nos a reagir, sim, mas a "deixar correr"... Uma coisa é a forma e outra bem diferente é o conteúdo.

Assim daremos mais vida ao site. Como se vê.

Lamento ter sido o texto do Saramago, que eu coloquei no "Pontos de Vista", o iniciador desta pequena polémica. A minha intenção ao colocá-lo foi partilhar com todos nós este texto, muito humano e muito aproximativo do que poderia ter acontecido no nascimento d'Aquele que, sendo Filho de Deus, "em tudo foi igual a nós excepto no pecado" como nos diz S. Paulo.

O que mais me maravilha neste texto é a solidariedade e amor daqueles pobres pastores perante a pobreza e desamparo de Jesus, Maria e José. Saramago dá-nos esse maravilhoso retrato da solidariedade humana que, como sempre, é mais própria dos pobres do que dos ricos.

Os pobres sabem bem dividir o pedaço de pão que os ricos, quando e como querem, lhe concedem. Então, como agora.

Apesar de tudo, o J.Marques parece-me um homem profundamente inquieto e preocupado com o essencial da nossa fé (e dele, pois confessa-se crente).

E isso é bom.
A nossa fé só interessa na medida em que fazemos alguma coisa com ela em favor dos outros. Disse o pastor:

“Com estas minhas mãos amassei este pão que te trago”!

2010-12-24

manuel vieira - esposende

Meus amigos,

andei todo o dia a compôr o texto para "atirar" ao Marques nas minhas calmas e depois de o colocar é que me deparei já com outras mensagens.

O nosso amigo Davide, o tal dos sabores requintados, omitiu-se do discurso aberto. Mas pelo menos apareceu, o que é muito bom, para a mensagem natalícia, embora este espaço esteja destinado à conversa, e por vezes esta não é consensual nem tem de agradar sempre a gregos e troianos.

Um dos últimos livros que li e que tem por título "Deus existe"? é um confronto sobre verdade, fé e ateísmo e coloca frente a frente o Cardeal Joseph Ratzinger e Paolo Flores d'Arcais, este último director da revista Micromega, filósofo ateu , em que o actual papa diz que "é importante que não vivamos apenas no recinto das nossas aquisições e das nossas identidades e estejamos realmente expostos às perguntas dos outros."Também debatem o "absurdo da fé" ou a expressão de S.Paulo de que "a fé é escândalo para a razão" e os temas desenvolvem-se com tolerância perante mais de 2 mil pessoas. Já falei sobre esta obra aqui.

Não tenho pedal para estes temas e sou mais afoito a falar sobre as preciosidades à mesa em noite de ceia natalícia e tenho a certeza que o Davide daria umas dicas interessantes para "embelezar" o bacalhau à portuguesa.

 

2010-12-24

António Gaudêncio - Lisboa

Meus caros companheiros:

Desta vez vou acompanhar o Davide e dizer pouco, ou não dizer o que penso. (" nem sempre o que  penso digo mas também nem sempre o que digo penso " Zeca Afonso )

Considero o último escrito do JMARQUES um texto de antologia e concordo integralmente com o que ele diz. Melhor era impossível ! Já li o livro do Zé Saramago há tanto tempo que já nem me lembro de quase nada. Mas do que me lembro, nada me feriu a atenção naquela altura. 

De quando em vez surgem, entre nós, estes encapelamentos por causa da religião.Mas eu rio-me bastante quando penso que, neste momento, o Saramago deve estar sentado ( não à direita de Deus padre ) mas um pouco mais ao lado e mais discreto a uma sombra, discutindo com S.Paulo, com o Imperador Constantino e com Santo Agostinho, verberando-os por terem inventado todas as trapalhadas que, só têm atribulado a tribo dos seguem o Cristianismo " cegamente". Deve ser uma cena e tanto......
Festejemos o Natal mas não se esqueçam de festejar também o solstício do inverno. E agora batam.....
Boas Festas e um bom Ano Novo para todos.         
2010-12-23

jmarques - penafiel

Não pretendo alimentar polémicas estéreis e o que eu disse foi o que muitos disseram já e outros pensaram e em nada ofendi quem quer que fosse e não posso ser culpabilizado por aquilo que cada um pensa ou crê. Fátima será um bom exemplo sobre as questões de fé, de interpretação do fenómeno religioso e não religioso por parte de grandes crentes.A própria expressão inseminação espiritual não é da minha autoria e já a vi repetida em várias obras e a primeira vez que a interpretei sorri e não precisei de me ir confessar logo a seguir pois a maldade está muitas vezes em quem a lê e não em quem a escreve.O meu amigo António Ribeiro entendeu explodir e está no seu direito e eu até poderia explodir também pelas suas blasfémias, quando as diz porque também diz,  mas não o fiz pois entendo a lupa por onde olha e admirando a forma como combate, entendo ter o direito de não concordar com as causas da sua batalha e uso a minha linguagem que não tem de ser igual à dele por razões diversas, nomeadamente da diversidade e experiência de culturas.Não o incomodo por isso e não pensei que a minha interpretação do texto do ateu Saramago constituisse blasfémia, tanto mais que sou crente, embora em crenças que a sua crença talvez desconheça ou atinja. A profundidade da fé não tem que ver com  dogmatismos instituídos pelo homem falível, embora perceba a falibilidade do ser humano como ser pensante e inteligível que descodifica segundo a sua formação e capacidades. Pela forma como reage e interpreta compreendo a sua formatação mas eu também tenho humanamente os meus limites e procuro perceber os outros na esperança que me saibam interpretar e compreender, o que vejo que por vezes é difícil, sobretudo quando o temperamento não ajuda.Mas quero-o bem disposto e menos blafesmo em relação a quem tem ideias diferentes, porque não é batendo no peito que vai garantir um dia o Reino dos Céus e mais lhe garanto que é mais fácil um espírito aberto e de bom coração sentar-se ao lado do Pai do que um conservador nato e de espírito fechado, que só entende como verdade aquilo que lhe rezaram.A seu lado estará Maria que se dará bem pelo nome humilde, pois viveu na humildade e servidão, em vez de Maria Virgem Santíssima, palavras geradas pelo homem ambicioso de títulos.Espero que concorde comigo e se reveja na sua singeleza.

Uma Festas Felizes para todos.

Quer partilhar alguma informação connosco? Este é o seu espaço...
Deixe-nos aqui a sua mensagem e ela será publicada!

.: Valide os dados assinalados : mal formatados ou vazios.

Nome: *
E-mail: * Localidade: *
Comentário:
Enviar

Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório.

Copyright © Associação dos Antigos Alunos Redentoristas
Powered by Neweb Concept
Visitante nº