fale connosco


2016-05-03

Arsénio Sousa Pires - Porto

Caros colegas:

A “Nota prévia” que o nosso colega António Manuel Rodrigues colocou ao seu post abaixo, pode deixar no ar uma dúvida sobre se eu, com o Grupo Coordenador, exercemos qualquer atitude de censura ou acção de recusa de artigos que nos chegam de qualquer um de vós. Tal nunca aconteceu nem vai acontecer.

Os factos, que já foram plenamente esclarecidos entre mim e o Manuel Rodrigues, são os seguintes:

1. É verdade que o seu artigo “Oikos” era para sair na Palmeira nº 38 (Abril de 2015). Só não saiu porque a feitura desse número coincidiu com o falecimento do nosso Peinado e eu pedi ao Manuel Rodrigues para me ceder o seu espaço a fim de o dedicarmos ao Peinado. Fi-lo com a promessa de que o seu artigo sairia na próxima Palmeira, o nº 39. O Manuel Rodrigues, compreensivo como é, acedeu prontamente.

E porque foi pedido exactamente ao Manuel Rodrigues tal favor? Porque, nessa altura, todos os outros artigos já tinham sido recebidos e paginados. Só faltava corrigir e ilustrar.

2. Só que a tal “próxima Palmeira”, o nº 39, só veio a sair um ano depois. E quando resolvi fazer convites para produzirmos o actual nº 39, enviei um mail ao Manuel Rodrigues (dia 12 de Fevereiro de 2016) pedindo-lhe para, se quisesse, dar uma vista de olhos ao texto, alterasse o que achasse oportuno tendo em conta os recentes acontecimentos a nível mundial e mo enviasse até à data limite de recepção dos artigos.

3. Reservei para o “Oikos” uma página da Palmeira nº 39 e esperei a chegada do artigo. Tal não sucedeu porque o Manuel Rodrigues, por artes de quem nem sequer ele sabe, não chegou a receber a minha mensagem (já lha reenviei provando que ela foi enviada) e eu tive que encher aquele espaço da pág. 14 com a Lista de Alunos 1970-71.

4. Tudo ficou esclarecido com o Manuel Rodrigues. Voltei a prometer-lhe que o artigo sairia no próximo número da Palmeira (se o houver…). O Manuel Rodrigues, talvez devido à actualidade do tema, preferiu publicá-lo no “Fale connosco” do nosso site.

 

Aí o têm. Devemos-lhe leitura atenta. Porque a merece. 

2016-05-02

António Manuel Rodrigues - Coimbra

Nota prévia: Este texto foi escrito para a nossa Palmeira de Abril de 2015.

Não foi publicado porque dedicámos algum espaço ao nosso amigo Peinado. Isto foi-me comunicado e explicado mas nem era necessário.

Com a trapalhada dos papéis do Panamá, voltou ele à minha memória e ao meu afecto. Não sei nada de economia a não ser a praticada para governo da minha casa. Não sou militante partidário mas sou político.

Se o texto for publicado e alguém o ler, veja nele a denúncia e o protesto possíveis a um cidadão comum.

 

Oikos

(casa)

 

Além das palavras de vida aprendidas com o leite materno, outras, conhecidas depois, por motivos diversos, despertam-nos sentimentos opostos de adesão ou rejeição conforme a carga significativa provinda da sua etimologia ou do seu uso.

A palavra grega oikos, embora não tenha ocorrência autónoma no Português, aglutinada, anteposta ou posposta, entra na formação de palavras referentes a valores perenes e universais.

Economia, ecologia, política, ecúmena, pároco e suas derivadas são, de momento as minhas conhecidas.

Oikos é o primeiro lugar do nosso acolhimento, da nossa construção inicial. Quanto afecto recebemos nesse espaço onde as inevitáveis carências e as primeiras contrariedades da vida, que sempre as há, com o decorrer do tempo e da idade, elas mesmas tornam-se-nos queridas e saudosas.

Alargando progressivamente o conceito de casa, passamos à nossa rua, aldeia, região, país e, por fim, o mundo, especialmente a comum mãe terra que a todos nos acolhe, nos sustenta e verdadeiramente nos irmana.

Temos, assim, a nossa Casa Grande em favor da qual os conceitos e a actuação coerente ligados àquelas palavras deviam concorrer para a boa gestão e administração desta nossa Casa.

De minha parte, consciente e deliberadamente, estou a ser lírico, ingénuo, romântico e idealista. Sei, todos sabemos que o contrário disto, lastimável e contraditória a condição humana, começa frequentemente nesse espaço sagrado – ultrajado – da própria casa. Em termos vulgares é o cada um puxar a brasa à sua sardinha. Depois qual mancha oleosa tudo se vai adensando e enegrecendo.

A partir disto temos a adulteração e a corrupção dos significados etimológicos das palavras: economia, ecologia e política. Por razões óbvias, evidente e convenientemente, deixo de parte as palavras pároco e ecúmena/ecumenismo.

Com a ressalva devida, qualquer ignorante, por isso atrevido, incluso eu, pode falar larga e longamente do trio restante.

A conquista e o exercício do poder, mesmo na conceituada e valorizada democracia, em sucessão diacrónica e paradoxal coexistência sincrónica, foram sempre prorrogativa dos poderosos em força muscular ou outra; dos possidentes em terras, meios de produção ou capital; dos bolsistas onde se alojam os espertos especuladores, eufemisticamente chamados de investidores e, mais recentemente e cada vez com maior incidência e relevância, os promotores dos chamados produtos e veículos financeiros, dos fundos de investimento, offshores e os associados e repugnantes paraísos fiscais. Todos eles explorando o próximo, o antípoda e todos os enjeitados da vida.

Minando e adulterando os conceitos de política e economia, aquela entendida como ocupação de oportunistas e aventureiros, esta praticamente desligada do conceito de boa administração da casa, aí temos nós a ecologia, actualmente quase inócua, à qual restam alguns missionários laboriosos e bem-intencionados mas afastados do poder. (É claro que sei do PEV e da Quercus mas mantenho o dito).

Nestes nossos conturbados tempos, o poder, meio difuso, anda por capitais ainda incertas que hão de revelar-se a Roma ou a Cartago do próximo devir histórico e, sem necessidade de ocupação territorial, estão instalando já um outro imperialismo absolutista que a todos nos vai escravizando.

Um dia a nossa casa vai estar atolada num pântano tão putrefacto e fétido que todos, excluindo os idiotas, teremos de acordar. Por enquanto, os economistas - cartomantes diplomados - continuarão científicos e certeiros nas suas previsões, estudos, estatísticas e gráficos. As circunstâncias externas ou erros de terceiros tirar-lhe-ão a eficácia mas não a chancela científica.

Na política temos a vulgaridade, a mediocridade e de aí para baixo. Por decoro e economia de espaço, neste assunto, ficarei pelo já dito.

Mas haja esperança! Em todo o lado há honrosas excepções. Aqui, ali, mais além, sob as cinzas ainda quentes, há minúsculas brasas das quais ventos propícios e benfazejos, aproveitando pequenas e laboriosas aparas lá colocadas pelos ingénuos e pelos idealistas, hão-de erguer de novo a chama. E a lastimável condição humana, sempre trágica, sempre alternada, há-de de novo usufruir de alguma acalmia, progresso e bem-estar.

Amigos, tempos virão em que os periecos (de novo a palavra oikos), sentirão de, e hão de alimentar em todas as latitudes e longitudes a universal fraternidade humana.

Finalizando, eu, um ser intrinsecamente político, saúdo já desde aqui e agora o tempo em que a ANARQUIA – a utópica ausência de poder, desnecessário devido a um íntegro e completo desenvolvimento do ser humano – há de morigerar um pouco a nossa nobre condição humana. Nobre mesmo nos momentos mais nocturnos mas, sobretudo, nos momentos apolíneos.

Passai bem, irmãos.

António Manuel Rodrigues – Coimbra.

2016-04-30

Delfim -

Um dos melhores textos e dos que mais gostei.
Aí está o que eu sinto e é o que me parece universal.
Um sentir de um de muitos dias que nos vão desgastando e abençoando.
Um grande abraço por mais este momento de reflexão, meu especial amigo Alex.
Durante muitos anos com esta escrita para meu/nosso deleite.
Até sempre.
Nascimento...

 

2016-04-30

alexandre gonçalves - palmela

 

BARROSAL XXII - Tempo e Música

 

Na minha qualidade de animal simbólico, qualquer coisa incerta me perturba nos rituais que marcam o ritmo do ano. Como o gesto vertical e vigoroso que o maestro imprime ao primeiro tempo dos compassos. O natal, a páscoa, a chuva de março, a verde brancura de abril, o mar e os rios de verão, a melancolia definitiva de setembro, a feroz inocência da neve. São sinfonias, óperas, canções, peças dramáticas da existência. Desiguais entre si, têm em comum a interpretação quer da vida comunitária, quer do indivíduo, quando surpreende o próprio rosto no espelho. Como se, em solidão, o medo nos impedisse de atravessar o tempo sem o conforto maternal da música.

Na páscoa ouço Bach e Handel e nas suas composições vejo de ouvido a brancura da terra, que o sol arranca do verde profundo da natureza. O carro é a minha sala de audição e todo o universo estremece nessa harmonia de mil vozes. Comovo-me, acordo a infância, as palavras essenciais, os nomes espalhados pela vida. Às vezes um olhar que se cruzou comigo. Um sorriso que me chamou. Um telefonema de súbita pressa, que me faz voar. Porém, há outras vezes que não consigo ver as bermas. E arrisco a pontualidade do encontro ou do regresso. Nesses dias, abrando o código da estrada. Encosto-me à direita e sou insolentemente vagaroso. Não quero mesmo chegar a lado nenhum. Como se o território fosse tão escasso que não coubesse nele. Só a música o expande pelos recantos mais íntimos da terra. Ou do corpo em sobressalto. As palavras emprestam a emoção com juros elevados. A música apenas solicita que ouvidos e coração estejam disponíveis. Antes, era ainda muito jovem, ensinaram-me que só a fé nos salvava. Bastava acreditar. Acreditei até onde me foi possível. Nunca estive perto da salvação. Agora, já ancião, contemplando humildemente as estrelas, direi que só a música nos pode salvar. Basta aprender a ouvi-la. 

2016-04-29

António Manuel Rodrigues - Coimbra

Assis,

pelos vistos escarafuncharam-te bem!

Trata de te retabeleceres de modo a aguentar meia dúzia de favadas, se necessário for. Falo da tua saúde, quanto ao resto, haja calma, as pragas principais deste ano, segundo a ANI, são as do melro branco e as do gaio albino. Mas estes não são tão vorazes.

 Se as ervas não as deixarem vingar, cada um levará o seu farnel, põe-se a toalha na mesa e ficam garantidos o são convívio e o apaladado repasto. A moléstia não há de ser geral e, por isso, o M. Vieira faça o favor de se encarregar dos molhos equilibrados e gostosos.

Saúde para todos.

Quer partilhar alguma informação connosco? Este é o seu espaço...
Deixe-nos aqui a sua mensagem e ela será publicada!

.: Valide os dados assinalados : mal formatados ou vazios.

Nome: *
E-mail: * Localidade: *
Comentário:
Enviar

Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório.

Copyright © Associação dos Antigos Alunos Redentoristas
Powered by Neweb Concept
Visitante nº