fale connosco


2011-03-30

Arsénio Pires - Porto

Vão à Beira e alimentem-na, não a deixem desertificar", diz o nosso amigo Ismael Vigário.
Se me permites, Ismael, eu rectificaria este teu conselho, dizendo:


-Vamos TODOS à Beira e alimentemo-la!                        
Não a deixemos desertificar!                                         
Que ninguém se sente no sofá durante os próximos dias 10 e 11 de Junho.                                                          
Vamos TODOS ao Encontro Nacional!

2011-03-29

Ismael Malhadas Vigário - Braga

Claro que me regozijo com a opção do percurso Beirão. E, ainda mais, tendo encimado o escritor Vergílio Ferreira. Não por ser uma visitação aos recônditos fantasmas do Seminário, mas por Vergílio Ferreira ser um represente de uma certa maneira de intepretar o trágico da alma portuguesa. E todo o beirão tem um pouco desta índole que, junto da serra ora cálida ora nevada, com ela a esculpiu. Falando de "A manhã Submersa" e, emitindo um ponto de vista sumário, relata uma vivência seminarística dos nossos avós. Rimo-nos um pouco daquilo. Uma tia beata que pedia um corpo sacrificial a um jovem seminarista, para honrar o Senhor. Vergílo viveu pelo Alentejo, fez da dor e aridez da planície  um mote de inspiração. Porque a Beira tem montanhas, tem vales e rios e amores escondidos e é diferente da grande planície a esmagar-se contra o eu. Vergílio Ferreira é um escritor existencilista e apreciador dos poetas e filósofos franceses: "Existencialismo é um Humanismo" da Editorial Presença, é um certo ideário básico do sartriano português. Mas depois vieram os volumes de Contracorrente, onde o escritor interfere criativamente com os temas da actualidade portuguesa e expõe, de forma criativa, os seus pontos de vista.Mas, como Beirão, agrada-me esta escolha. Não que precise de calcorrear, pois tenho lá a "alma"e ela não se confunde com os percursos geográficos, mas com as marcas das pessoas e dos tempos lá vividos. Ir à Beira, para mim, é entrar dentro de mim e estar em casa. É passar numa rua de um qualquer lugar e poder dizer bom dia e boa tarde e ser logo retribuído na saudação. É ouvir o bem haja e um sorriso de um velho que nunca deixei de conhecer.Na Beira há mulheres louçanas e que fazem um homem ser poeta. Na Beira há bom cabrito e bom queijo de saborear. Vão à Beira e alimentem-na, não a deixem desertificar.

2011-03-29

A. Martins Ribeiro - Terras de Valdevez

Está bom de ver que a ida a Fão não teve, de forma alguma, a única finalidade de saborear a esquisita lampreia e sim a de conviver com antigos companheiros para revivalismo de tempos que, sabemos, não hão-de voltar nunca mais, para acalmar as inúmeras tensões do presente e, acima de tudo, para cultivar a amizade. Falo por mim!

Aqui chegado e ressaltando esta última característica, não posso deixar passar em claro a generosa pena do grande amigo Peinado que me brindou de forma manifestamente exagerada com frases elogiosas que, a meu ver, não mereço. O companheiro Peinado é um magnífico amigo que muito prezo, pois lê pela minha cartilha da amizade.

Mas, por outro lado, toca num ponto acertado quando vai abrindo a antevisão duma ideia que já em devido tempo me acorreu  e que vagamente manifestei no sentido da sua concretização. Na altura certa será anunciada, com todos os pormenores, a realização dessa ocorrência. 

Quero dizer-vos que não vos escandalizeis com a bizarria de tal nome porque a dita “Foda” é uma expressão cultural da minha terra, Monção, e que a respectiva Autarquia registou para evitar que haja adulteração ou delapidação desse património gastronómico. Para ir fazendo crescer água na boca, esclareço que se trata de um prato típico que consiste em anho assado em forno de lenha por cima de arroz de açafrão. Queríeis saber o resto, não? Tende calma! Só vos digo que, bem feita, é um inimaginável manjar, digno dos Imortais da Agápia. 

Falo agora nisto para que  vades pensando no assunto com o devido tempo e possais decidir como convém. Vou adiantando, contudo,  que o acontecimento ocorrerá tendo como pano de fundo - background, como se diz em termos gráficos - o cenário grandioso da esmagadora  beleza da montanha e da natureza.

O meu prazer será que compareçam muitos. Até lá, se  Deus assim o permitir!

2011-03-28

PEINADO TORRES - PORTO

Bom dia companheiros Eu também estive em FÃO. Fomos 10 convivas que representaram 6 cursos, foi muito bonito, agradável, formidável todo o ambiente de sã camaradagem . Resumindo foi mais uma jornada de franca amizade, que iremos dar continuidade para remomorar a nossa adolescência e venerar os tempos que vivemos hoje. Também temos que dar a oportunidade ao AVENTINO, ISMAEL VIGÁRIO e muitos outros que vivam o suficirnte tempo para se REFORMAREM e se desponibilizarem a juntarem-se a NÓS, já que não querem seguir o exemplo do nosso amigo e companheiro MUNUEL VIEIRA que nos tem acompanhado e ainda está no activo. Nós somos um nucleo de AAAR que nos reunimos para combater o ostracismo, a solidão e manter a capacidade intelectual que possuimos por obra e graças de DEUS. Está na forja a realização de mais um almoço , será em MONÇÃO terra do nosso distinto amiço MARQUÊS DE VALDEVEZ, insigne POETA, ESCRITOR, REALIZADOR etc. de nome MARTINS RIBEIRO, quem se inscrevar e apresentar irá ser presenteado com a " FODA DE MONÇÃO ", oportunamente sereis avisados, tende calma dormi sossegados porque a provecta idade que temos leve-nos a ser pacientes. AMIGOS aqui vai a minha inscrição para o GRANDE ENCONTRO " 2 DUAS PESSOAS" ATENÇÃO : em FÃO ninguém me respondeu a que corresponde a sigla V A P. quem responder acertadamente tem direito grátis a uma "FODA DE MONÇÃO " VOLTAREI uma feliz PÁSCOA para todos
2011-03-28

manuel vieira - esposende

Há gente que vai a Fão para apreciar a boa lampreia, há gente que vai a Fão de propósito para se lambusar com as Clarinhas e os Folhadinhos. Isto quase que é indesmentível e quem o faz sabe porque o faz e alguns confessam-no. Outros juntam o útil ao agradável e o útil pode também interpretar-se pela sã e animada convivência, como podem confessar os nossos estimados colegas que passearam pelas ruas de Fão e depois se sentaram à mesa.

Este meu intróito pretende apenas confrontar o meu amigo Ismael de Vale de Espinho com os estímulos gerados para atrair os nossos colegas, que calcorrearam muitos quilómetros de linhas férreas para assentar prazeres pertinho dos corcéis de Ofir, que a lenda atribui a Salomão e às suas riquezas.

É que Fão até para comer é bão. E para conviver,claro...

Vergílio Ferreira atiçou o Aventino, às vezes de tantas parecenças que têm.

Ainda não li as Manhãs Submersas mas as palavras do Aventino forçam ao desejo de ler essa obra que retrata as marcas comuns de um paradigma dominante na educação fradesca.

Dizia há dias o Professor Pinto da Costa que o ser humano transporta cerca de 30% de herança genética, sendo o restante resultado de uma formação composta do meio, da educação e outros factores.

A interacção dos factores exógenos com o ADN irá resultar certamente, deduzo, nas formas diferentes de ler e de reagir, embora eu ouça sempre dizer dos ex-seminaristas que "têm cara de padre", o que me leva a supor que determinadas marcas em idades de crescimento deixaram o desenho do ferro.

Provavelmente também a psicofisiologia tenha dado algum contributo na caracterização psicomorfológia de um-seminarista e aí começo a compreender melhor o nosso colega Aventino, que lê em cada um a irreversibilidade desse marcante destino.

Quer partilhar alguma informação connosco? Este é o seu espaço...
Deixe-nos aqui a sua mensagem e ela será publicada!

.: Valide os dados assinalados : mal formatados ou vazios.

Nome: *
E-mail: * Localidade: *
Comentário:
Enviar

Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório.

Copyright © Associação dos Antigos Alunos Redentoristas
Powered by Neweb Concept
Visitante nº