fale connosco


2011-04-01

Arsénio Pires - Porto

Insisto!

Vinde TODOS ao próximo Encontro Nacional!

A Palmeira está quase a chegar às vossas mãos.

Lá encontrareis informações detalhadas sobre o Encontro Nacional.

Reparai só:

“Às duas por três nascemos

às duas por três morremos

e a vida?

não a vivemos”.

(Alexandre O’Neill)

2011-03-30

alexandre gonçalves - palmela

"Porque é que a TV foi essa "caixinha que revolucionou o mundo"?As respostas vêm em turbilhão. Fez de tudo um espectáculo, fez do longe o mais perto, promoveu o analfabetismo e o atraso mental. De um modo geral desnaturou o homem (.../...)Mas por sobre todos o males que nos infligiu, ergue-se o da promoção do analfabetismo. Ser é um acto difícil e olhar o boneco não dá trabalho nenhum. Ler exige a colaboração da memória, do entendimento e da imaginação. A TV dispensa tudo. Na TV dá-se tudo de uma vez sem nós termos de trabalhar. Cada uma das nossas faculdades , postas em desuso, chega ao desuso maior que é deixar de existir. Mas ser homem simplesmente é muito trabalhoso." Quem pensou isto foi Vergílio Ferreira, no seu livro póstumo "ESCREVER" (Bertrand Editora, 2001). Cito esta passagem para lembrar que este Senhor não escreveu apenas romances, onde atingiu um tal nível que foi proposto várias vezes para prémio Nobel. Ao optar-se por VF, pretende-se dar a conhecer as várias perspectivas onde se impôs na cultura portuguesa. São impressionantes os seus nove volumes de "CONTA-CORRENTE", uma espécie de diário onde se filtra toda a sua vida bem como os grandes problemas do homem contemporâneo. Quem navega naquele mar de prosa é constantemente surpreendido por ilhas, por paisagens, por uma escrita irrepreensível, por uma reflexão atenta, irónica, original. Lê-lo é aprender a escrever, a pensar, a comover-se com o esplendor do mundo, a viver de olhos bem abertos para a realidade. Para lá dos 18 romances editados, há ainda a considerar os seus notáveis ensaios, três volumes de contos e ainda dois livros de reflexões extraordinariamente luminosas, quer pela urgente actualidade das suas preocupações, quer pela graciosidade da sua escrita, sempre irónica, mordaz e bem humorada. Estes dois títulos, a saber, "PENSAR" e "ESCREVER", embora menos conhecidos, correspondem à fase final da sua vida e atingem a máxima depuração na linguagem e na contenção da sua escrita. È aqui que VF se revela um verdadeiro mestre do pensar. Pensar para resistir à manipulação, à tentação fútil da aparência, ao "cacarejo" político, às mútiplas seitas religiosas que se reproduzem como cogumelos, sobretudo em tempo de crise. As crenças são resíduos de tudo o que falhou. Os moribundos agarram-se a tudo nem que seja às dobras do lençol. As certezas faliram e não se suporta a sua ausência. É por isso que os profetas se apressam a vender a salvação, nem que seja a preço de saldo. Quando uma doença não tem remédio, é que se torna imprescindível o curandeiro, remata Ferreira. Um dos campos mais vigiados por é a cultura. Daí o diagnóstico terrível que ele faz à TV. Esta milagrosa caixinha promove a ignorância, a passividade, a indolência. Os portugueses vivem na sua maioria em diagonal, como quem desliza sobre um superfície de gelo. Vivem de ouvido e de olhar sem ver. O português não pode ser senão pequenino, do tamanho do televisor, porque tudo à sua volta repele o pensamento, como as telhas repelem a chuva. O português não lê, porque isso é uma chatice. Ler em tempo de telecomandos, de eficácia nas comunicações, com essa infinito caldo que é a informação, que desperdício, minha nossa! A TV uniformiza, diverte, faz sonhar, submete, fornece argumentos para todos os gostos. Pois, aí está o novo analfabetismo, a medíocre democracia da nossa cidade, um país sem imaginação, sem soluções, sem um pingo de criatividade. E tanto nos dá um vendedor de automóveis usados a 1ºMinistro, como o novo rei D.Pedro VI, para o substituir. Etc. Viva a Bananolândia, viva a TV, vivam as revistas cor de rosa e as receitas de culinária! Mas é urgente aprender a ler, a escrever, a pensar! VF que o diga!
2011-03-30

Arsénio Pires - Porto

Vão à Beira e alimentem-na, não a deixem desertificar", diz o nosso amigo Ismael Vigário.
Se me permites, Ismael, eu rectificaria este teu conselho, dizendo:


-Vamos TODOS à Beira e alimentemo-la!                        
Não a deixemos desertificar!                                         
Que ninguém se sente no sofá durante os próximos dias 10 e 11 de Junho.                                                          
Vamos TODOS ao Encontro Nacional!

2011-03-29

Ismael Malhadas Vigário - Braga

Claro que me regozijo com a opção do percurso Beirão. E, ainda mais, tendo encimado o escritor Vergílio Ferreira. Não por ser uma visitação aos recônditos fantasmas do Seminário, mas por Vergílio Ferreira ser um represente de uma certa maneira de intepretar o trágico da alma portuguesa. E todo o beirão tem um pouco desta índole que, junto da serra ora cálida ora nevada, com ela a esculpiu. Falando de "A manhã Submersa" e, emitindo um ponto de vista sumário, relata uma vivência seminarística dos nossos avós. Rimo-nos um pouco daquilo. Uma tia beata que pedia um corpo sacrificial a um jovem seminarista, para honrar o Senhor. Vergílo viveu pelo Alentejo, fez da dor e aridez da planície  um mote de inspiração. Porque a Beira tem montanhas, tem vales e rios e amores escondidos e é diferente da grande planície a esmagar-se contra o eu. Vergílio Ferreira é um escritor existencilista e apreciador dos poetas e filósofos franceses: "Existencialismo é um Humanismo" da Editorial Presença, é um certo ideário básico do sartriano português. Mas depois vieram os volumes de Contracorrente, onde o escritor interfere criativamente com os temas da actualidade portuguesa e expõe, de forma criativa, os seus pontos de vista.Mas, como Beirão, agrada-me esta escolha. Não que precise de calcorrear, pois tenho lá a "alma"e ela não se confunde com os percursos geográficos, mas com as marcas das pessoas e dos tempos lá vividos. Ir à Beira, para mim, é entrar dentro de mim e estar em casa. É passar numa rua de um qualquer lugar e poder dizer bom dia e boa tarde e ser logo retribuído na saudação. É ouvir o bem haja e um sorriso de um velho que nunca deixei de conhecer.Na Beira há mulheres louçanas e que fazem um homem ser poeta. Na Beira há bom cabrito e bom queijo de saborear. Vão à Beira e alimentem-na, não a deixem desertificar.

2011-03-29

A. Martins Ribeiro - Terras de Valdevez

Está bom de ver que a ida a Fão não teve, de forma alguma, a única finalidade de saborear a esquisita lampreia e sim a de conviver com antigos companheiros para revivalismo de tempos que, sabemos, não hão-de voltar nunca mais, para acalmar as inúmeras tensões do presente e, acima de tudo, para cultivar a amizade. Falo por mim!

Aqui chegado e ressaltando esta última característica, não posso deixar passar em claro a generosa pena do grande amigo Peinado que me brindou de forma manifestamente exagerada com frases elogiosas que, a meu ver, não mereço. O companheiro Peinado é um magnífico amigo que muito prezo, pois lê pela minha cartilha da amizade.

Mas, por outro lado, toca num ponto acertado quando vai abrindo a antevisão duma ideia que já em devido tempo me acorreu  e que vagamente manifestei no sentido da sua concretização. Na altura certa será anunciada, com todos os pormenores, a realização dessa ocorrência. 

Quero dizer-vos que não vos escandalizeis com a bizarria de tal nome porque a dita “Foda” é uma expressão cultural da minha terra, Monção, e que a respectiva Autarquia registou para evitar que haja adulteração ou delapidação desse património gastronómico. Para ir fazendo crescer água na boca, esclareço que se trata de um prato típico que consiste em anho assado em forno de lenha por cima de arroz de açafrão. Queríeis saber o resto, não? Tende calma! Só vos digo que, bem feita, é um inimaginável manjar, digno dos Imortais da Agápia. 

Falo agora nisto para que  vades pensando no assunto com o devido tempo e possais decidir como convém. Vou adiantando, contudo,  que o acontecimento ocorrerá tendo como pano de fundo - background, como se diz em termos gráficos - o cenário grandioso da esmagadora  beleza da montanha e da natureza.

O meu prazer será que compareçam muitos. Até lá, se  Deus assim o permitir!

Quer partilhar alguma informação connosco? Este é o seu espaço...
Deixe-nos aqui a sua mensagem e ela será publicada!

.: Valide os dados assinalados : mal formatados ou vazios.

Nome: *
E-mail: * Localidade: *
Comentário:
Enviar

Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório.

Copyright © Associação dos Antigos Alunos Redentoristas
Powered by Neweb Concept
Visitante nº