fale connosco


2011-07-02

manuel vieira - esposende

"Há poucos desejos tão fortes como o de ser tratado com respeito e evitar a humilhação. Sentir admiração e amor no olhar dos outros ou simplesmente ter a sua atenção. A indiferença pode ser um terrível e solitário castigo..."

Em "Pontos de Vista" podes ler uma interessante abordagem a um livro de Alain Botton intitulado "Status Ansiedade", que mais deveria chamar-se a Ansiedade do Estatuto pois seria uma tradução mais certa do seu de título.

Claro que o tema nada terá a ver com os silêncios de Verão que tanto pacificam esta nossa rubrica.

São as férias, a acomodação aos prazeres da boa vida e alguma preguicite mental que afecta os nossos cérebros em jeito de força da inércia da pouca actividade, a tal que contraria os fluxos de energia de quem não consegue parar.

Como o dinheiro faz dinheiro, suponho que a "melancolia de verão" gera melancolia e o afastamento da escrita pode ser uma consequência disso.

Daí a curiosidade do tema do Pontos de Vista para estimular, no mínimo, as pestanas.

2011-06-21

manuel vieira - esposende

 Não sei se os silêncios terão a ver com as voltas que o Côa deu mas o que é certo é que ainda se digerem sabores e imagens da região, que são lembrados pelo vídeo e pelo blogue que foram disponibilizados.

Gostei de ver a casa onde o David nasceu e a escola onde fez o exame da 4ª classe. E o cafezinho que tão bem me soube nos Fóios servido no "Nosso Bar" do filho do Ismael Henriques, ali no largo da Praça? Estes pequenos cenários particularizam vidas e reforçam a amizade pois começam por  ser registos gravados em nós.

 Fiquei a conhecer Folgosinho com todos os sinais de interioridade preservada que relevaram belezas únicas e que transcendem a gastronomia do Albertino.

Do Vergílio em Melo senti a homenagem por terra que a localidade conseguiu com a praceta e o Cantinho da Leitura, mas já se sentiam os fumos cheirosos do feijão com javali e do arroz de coelho.

 As aldeias do Portugal das Beiras foram vistas de raspão com Castelo Mendo a dar nas vistas. São cartaz estratégico da região e percebe-se na requalificação da cidadela do Sabugal que os xistos são matéria prima de grande beleza e ruralidade.

Galgamos a Serra das Mesas à procura do parto do Côa e encontramos a "bica" que dessedentava e escorria pela encosta em fios de água e por ali floriam giestas , a carqueija, a torga e o sargaço em planta.

Muitas mais coisas havia para referenciar no pressuposto de que apenas eu as senti. Mas não, o grupo era bem grande e erudito.

2011-06-18

Arsénio Pires - Porto

Pois eu também quero.

Falar.

Sobre este Re-Encontro em que todos nos abraçamos ano sim ano sim.

O condutor do autocarro, sr. Silveira, dixit:

-Este é o Grupo mais maluco que me calhou na rifa em toda a vida! – e continuava a tentar recuar o autocarro sem ferir nenhuma esquina ou berma.

E como é verdade! Somos os mais malucos desde sempre. Olhamo-nos quando em grupo e… como somos feridos daquela infantil-loucura que faz de nós as pessoas mais adoráveis e veneráveis da terra!

Crianças com cabelos brancos!

Como é possível juntar 50 pessoas ligadas por tal corrente afectiva que de todos faz um TODO tão harmónico, tão feliz, tão solidário, tão criança, tão maluco?

Gostei! Cada vez gosto mais. Nunca deixarei de gostar. Quem não gostou ainda, não sabe o que é gostar assim!

 

Notas:

Martins Ribeiro:

O filme. És um artista. Bem-aventurado és tu porque, amando as pequenas coisas, construiste, mais uma vez, uma grande e bela obra de arte. Sobretudo de amor. De amor a este grande Grupo de Malucos!

Alex: Precisamos SEMPRE dos teus saudáveis devaneios que nos fazem ainda mais malucos. Foste feito para os grandes feitos! A ti devemos esta indiscutível "marcha-à-frente" da nossa Associação.

Vieira: Precisamos SEMPRE do "grande-chefe", conciliador, motivador e sempre em cima dos grandes pormenores que constróem a Unidade do Grupo. Grupo saudávelmente maluco!

Como dizia o outro: "Amo-vos a todos!"

2011-06-16

manuel vieira - esposende

"Tudo vale a pena, quando a alma não é pequena", esventrava o poeta sem conhecer a Serra das Mesas, os fios frescos de água cristalina e ternurenta entrelaçados até ao Côa, as guritas esculpidas nas torres do Sabugal, do Castelo Mendo e do Castelo Bom.

Tudo vale a pena porque é pena que a vida se esconda também nas sombras das cidades, onde a urze não tem cheiro nem tem cor nem os fenos cegados há instantes, onde o bulício só tem fumo e frenesim e as aves de rapina esvoacem esticadas nos museus já sem vida e movimento.

Tudo vale a pena, sempre vale a pena se o poeta soubesse e sentisse no âmago que  o Encontro na Casa do Castelo se cruzou em Porto de Honra generoso trincado com os biscoitos de figo e amendoas doces em ceiras de sorrisos e Judiarias  escavadas.

Bem, viveu-se entre a gula do Albertino e os grelhados do Zé Nabeiro, com caldo de cornos no Soito.

Junto ao Côa de parto, amesendamos com queijos e vinhos, com pão rústico e enchidos de fumeiro genuínos e nos Fóios da Capeia Raiana afugentamos os sonos com cafezinho à maneira.

Para que o poeta não pense que por ali andamos ao Deus dará, que em Melos calcamos a calçada do seu percurso, que em Folgosinho subimos às ameias e sublimamos sabores e avistamos cerejais, no Sabugal descansamos e em Coimbra nos cruzamos.

Foi bom, foi muito bom e para o ano há mais!

2011-06-15

aventino pereira - Porto

 

Ouço o  vosso silêncio, ouço: acabou.

O encanto vazio

A ilusão vadia

um sonho mais que nos fintou.

Foi tanto o tempo preparado, tanto, para uma apoteose que todos sabemos que não existe. Tanto de tanto, de Alexandres e de Arsénios, de Vieiras e de Castros, de Ribeiros e de Vergílios, de Vivat's e de gulas. Foi tudo tanto e tudo tão pouco que depois, no abraço instante dos tão poucos que aparecem, há quem diga que vale a pena, há que digam que GAIA é que vale a pena.

" de repente do riso fez-se o pranto

silencioso e branco como a espuma.

Fez-se do amigo próximo o distante.

Fez-se da vida uma aventura errante" (Vinicius de Moraes).

 

Quer partilhar alguma informação connosco? Este é o seu espaço...
Deixe-nos aqui a sua mensagem e ela será publicada!

.: Valide os dados assinalados : mal formatados ou vazios.

Nome: *
E-mail: * Localidade: *
Comentário:
Enviar

Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório.

Copyright © Associação dos Antigos Alunos Redentoristas
Powered by Neweb Concept
Visitante nº