fale connosco


2011-12-22

Arsénio Pires - Porto

COMEI OS VOSSOS PERUS


Comei os vossos perus
burgueses anafados
e dai esmolinha aos pobres
que tendes esfomeados.
Um dia há-de chegar
em que sereis assados
não para subir ao céu.

Jorge de Sena (1919-1978)
2011-12-21

A.Martins Ribeiro - Terras de Valdevez

 

"Bombilla" é o nome que se dá em Espanha a uma vulgar lâmpada eléctrica e, não sei porquê, fez-me recordar um episódio que se passou comigo quando estive no noviciado de Nava del Rey, episódio esse que, a talho de foice, me lembrei de vos transmitir, quanto mais não seja para animar as tropas neste nosso magnífico site.

Nos tempos de agora, toda a maralha fúfia anda numa chieira barata a utilizar o Pai Natal - muito pior o Santa Claus, que horror! - no tempo de celebração do Natal. Tudo muito errado, pois essa figura do velho com barbas não passa de uma criação consumista dos países nórdicos e da América, totalmente desarraigada do contexto cultural e cristão da grande maioria dos povos europeus, sobretudo os do sul. Vejo isso como uma abominação e sempre preferi o tradicional presépio, mais romântico e mais genuíno.

Quando passei pelo seminário de Gaia, todos os anos ficava encantado com os lindos e enormes presépios que lá se armavam, na pequena e familiar capela, num canto junto do altar e que obedeciam sempre a um único e rigoroso esquema: um bosque de pinheiros e abetos onde tremeluziam muitas estrelinhas de celofane colorido iluminadas por pequenas lâmpadas no seu interior, depois uma aldeia de casinhas de papel com regatos e caminhos de serrim, colinas e campos feitos com mantas de musgo onde pastavam reses e muito gado, os seus pastores, bandas de música, zés-pereiras, bonecos todos feitos de barro pintado, montanhas cobertas com neve de farinha e a encimá-lo o curral de Belém, esburacado e agreste, onde repousava o Deus menino, rodeado de Nossa Senhora, de S. José e de todo o séquito de pastores e reis Magos. Nalguns anos até um repuxo tinha, vejam lá! Ficou-me essa magia e mais tarde executei na minha própria casa, para gáudio dos meus filhos e netos, lindos presépios, pequenas obras de arte e paciência onde nem sequer faltava um comboio eléctrico que girava por entre barrancos e atravessava túneis.

Ora nesse Natal de Nava e como eu tinha fama de coca-bichinho nessas coisas - e até me gabava disso - fui encarregado pelo padre Mestre de fazer um presépio nos moldes tradicionais, no coro da igreja do mosteiro. Meti mãos á obra com entusiasmo e denodo e, não querendo deixar os meus créditos por mãos alheias, idealizei um projecto sumptuoso onde nada faltasse. Tudo ia saindo bem: o bosque, as casinhas, os bonecos, o repuxo, as montanhas de musgo e papel pintado a imitar pedras. Porém, no meio disso tudo, surgiu uma dificuldade aparentemente intransponível e que, no meu entender, seria o remate glorioso de tão mirífico trabalho; as estrelinhas acesas e a  piscar. As estrelas foi fácil fazê-las, mas na parte eléctrica é que estava o busílis. Eram precisas pelo menos uma vinte e tal lâmpadas das mais pequenas e não se via a forma de as conseguir nem eu tive coragem de as pedir ao Mestre. Mas como a necessidade aguça o engenho, não sei como, calhou de olhar para o altar mor, muito grande, todo iluminado ao redor, de cima a baixo, com centenas de pequenas "bombilhas" todas alinhadas como numa fieira, que davam uma luz do caraças e só de olhar para ele era como contemplar um céu aberto numa noite de luar. Se bem o pensei, melhor o fiz:

Bem, se eu tirar umas quantas lâmpadas salteadas do meio daquelas todas, ninguém vai dar por isso nem se vai notar!

Pobre de mim, nesse tempo não percebia nada de corrente eléctrica, nem de ligações em série ou paralelo e mal pude imaginar a bronca que dali veio a acontecer quando as foram acender no dia seguinte para a missa da manhã. De repente, nada, tudo escuro, nem uma delas pataniscou sequer ou deu sinal de si. Quando foram ver o motivo do apagão, lá estava a causa; ena, faltava uma porrada de bombillas. Quem foi, quem não foi, quem teria sido … mistério! Claro que eu estava caladinho como um peto e não me descosi. A coisa pareceu esquecida e fui continuando a minha tarefa. Com as estrelas prontas, colocadas e espalhadas pelo bosque do presépio, antevendo o semblante de admiração dos outros noviços, padres, leigos e restante pessoal quando tal maravilha fosse acesa, aprontei-me para experimentar a ligação á respectiva tomada. Desgraça das desgraças; o imponente cenário daquela mirabolante criação minha pareceu rebentar, no meio de um ofuscante clarão e com tal estrondo, como se nele tivesse caído o projéctil de um morteiro. Foi um alarido tal que fez acorrer muitos a verificar a tragédia e, como se tornou claro, fui descoberto e apontado como o autor do surripianço das bombillas do altar mor recebendo, por isso, severa reprimenda das "autoridades" pela minha tratantada. 

Não sei se teria sido esse o motivo de, pouco tempo depois, me terem vestido a indumentária de presidiário da Quinta da Barrosa: creio que não, mas não me atrevo a  jurar.

 

2011-12-20

Arsénio Pires - Porto

Agora, dou-vos poesia. Da boa.

Esta é da autoria duma excelente poetisa: Maria do Rosário Pedreira.

 

Avó

 

Ficou vazio o teu lugar à mesa. Alguém veio dizer-nos

que não regressarias, que ninguém regressa de tão longe.

E, desde então, as nossas feridas têm a espessura

do teu silêncio, as visitas são desejadas apenas

a outras mesas. Sob a tua cadeira, o tapete

continua engelhado, como à tua ida.

Provavelmente ficará assim para sempre.

 

No outro Natal, quando a casa se encheu por causa

das crianças e um de nós ocupou a cabeceira,

não cheguei a saber

se era para tornar a festa menos dolorosa,

se para voltar a sentir o quente do teu colo.

2011-12-20

manuel vieira - esposende

O natal trouxe já páginas excelsas que deleitam a nossa leitura neste precioso recanto.

O natal exorcisa o "damanho do cepo" como cita o Nicolau, de onde brota a fogueira à volta da qual se juntam as almas- Ah, a farinheira esquentada na tigela de barro, o presunto, as azeitonas, o vinho.

O Alexandre estremeceu memórias da Carminho sem botar poemas.

Mas escaldou desejos com a lebre brunida com ervas aromáticas colhidas nas ribeiras de águas limpas.

No derrube da marquise da Nani o Arsénio mencionou as pataniscas de bacalhau inigualáveis e ontem alguém me afirmava que ainda não arranjara o polvo e o congro para a noite de natal.

 

Alguém dizia que a gastronomia nos acompanha e sustenta desde o nascimento até à morte. Aumenta as delícias do amor, a confiança da amizade, desarma a ira e facilita os tratos e nos oferece, no curto trajecto das nossas vidas, o único prazer que, não sendo seguido de fadiga, nos revigora todos os outros.

O olfacto, o tacto, o paladar e até o amor são indissociáveis do acto de desfrutar uma refeição. É um processo artístico repleto de delicadezas e preceitos, num misto de necessidade e desejo.

Bem, com este argumentário concupiscente pressinto a ofegância do Alexandre num ritual que inscreve o aroma de estevas e frutos do bosque, como ele bem refere na sua Primeira Parte, que encheu a alma do nosso colega Peinado.

Depois da sobremesa com preceitos silvestres e de olhar as musas Carminha e Elisa que ainda vão alimentando sonhos dos nossos comparsas, lembrei-me que só vim por cá para um mero exercício de letra.

Claro que não é assim tão linear pois uma boa conversa por cá merece sempre um copo de brinde à amizade.

2011-12-18

Nicolau - Oeiras (Soito)

A festa da família está à porta. É Natal! As minhas raízes esperam por mim. A minha aldeia já fumega. E, mais uma vez, o fogo está na base da reunião. Alguns lugares, à volta da lareira, já há muito que são só recordações. Portanto, cadeiras há, em que o vazio se apoderou delas.  Só o amor dessas lembranças se faz sentir.  Ouçam, apenas, o eco das palavras desses tempos idos: "Vá, atiça aí esse damanho do cepo que teima em não arder! Vou buscar mais uns paus à loja; A lenha é de carvalho e seca como ela está, é só vê-la a arder...; Vou fazer um lume valente, pois não quero que ninguém passe frio." E como a ceia ainda demora, vou assar, na tigela de barro, umas farinheiras. Este ano são  boas como o caraças.E olhem que o presunto não lhe fica atrás.O vinho não é do melhor, mas bebe-se... Mas já as as azeitonas são mesmo de comer e gritar por mais." Pelo menos, no Soito, era assim. Era a festa da família. Era o Natal.
Era a noite da consoada. As prendas!!! Para a miudagem, era a noite mais longa do ano. Logo que a manhã clareava, corríamos para a chaminé, para desembrulharmos as prendas. As prendas eram colocadas nos sapatos, colocados em cima do moirão.  Naqueles tempos, era o Menino Jesus que descia pela chaminé, para nos deixar as prendas. O valor delas era correspondente ao nosso comportamento, de um ano inteiro. As minhas eram sempre as de menos valor. Pudera! Mas como eu era o benjamim da família, acabava por ficar com o melhor quinhão, pois os mais velhos sempre me doavam alguns excedentes do que tinham recebido.  
Depois, muito depois, nasceu o pai natal, importado, sabe-se lá de onde. O lucro destruiu o sonho de se ser criança, na mais mágica noite do ano. Teria sido, nesta altura, que os ricos nasceram e que começaram a subjugar os pobres? Mas não! Ou teriam começado quando a Eva corrompeu o Adão, como uma simples maçã? A partir desta maçã, o consumismo tomou conta de nós. 
É por isso e por outras que, actualmente, na minha casa, já há um bom par de anos, não se trocam prendas. Chegámos à conclusão que as melhores prendas são aquelas que recebemos, quando menos se esperam. Detesto as prendas obrigatórias! Assim, privilegiamos, apenas e só, a festa da família, com as vozes misturadas em coro. A alegria baila no ar. As histórias passam de boca em boca. A amizade sai reforçada e do amor faz-se um hino. Mais tarde, outros se lembrarão das nossas frases. Outros vazios irão ocupar as nossas cadeiras. 
Mas, hoje, fugindo à regra, quero deixar-vos uma pequena lembrança. Sim, fica aqui uma amostra do CD, gravado na Catedral de Lisboa, pelo Coro com o mesmo nome. Na próxima ida a Palmela, vou deixar um exemplar com o Alexandre, para os peregrinos do amor, pela amizade, ouvirem. E, embora não seja um menino de coro, informo que também aceitei participar, por convite, com a minha voz de Baixo para a gravação. O CD é todo ele dedicado a João Paulo II. O link, apenas contém o 1º. cântico, acompanhado de imagens. Mas, por favor, não me atirem com tomates à cara, quando eu surgir no ecrã.  Não sou cantor, mas canto... desafinado! Não sou escritor, mas escrevo... palavras à toa! Não tenho o dom da palavra, mas falo... demais. Não sou amor, mas sei amar... convencido! 
A segunda lembrança, vai direita para a minha mãe, melhor dizendo, para as nossas mães, no poema "MÃE" de Miguel Torga, sobejamente conhecido por todos, pelo que não se torna necessário deixar aqui a sua transcrição (está na Net). Um grande bem haja para ela, pela matriz que me deixou, na qual assenta, hoje em dia, todo o meu acreditar. De todo, eu quero continuar a fazer jus a esta herança.
E deixo também o poema "URGENTEMENTE" de  Eugénio de Andrade (também está na Net), que tem o condão de me transmitir toda a paz e tranquilidade, quando o ódio e a raiva tentam apoderar-se de mim. Comigo, dá efeito, principalmente, quando a maresia me fustiga, vinda dos mares da Madalena. A areia da praia, já  há muito, que desertou. Com ela, também eu parti, quando de calças arregaçadas, até ao joelho, escrevia o mais lindo poema, sobre a areia molhada. Do poema, apenas recordo o seu nome: "Partida para a Liberdade!"  
Lá, ao longe, muito ao longe, um barco esperava por mim. Ao leme estava a nudez, esbatida na espuma, de um corpo de mulher. A escultura das suas formas arredondadas estavam em sintonia com a minha pulsação. Sobre os mastros, os corvos, conhecidos pelas suas vestes negras, estavam ausentes. Era um bom presságio. Só os medos, o pecado e a visão de todo um mundo hostil, tantas vezes publicitados, tentaram, em vão, dissuadir-me. Era urgente içar a âncora, soltar as amarras, ler o poema "URGENTEMENTE" e partir... Hasta la vista! 
Para todos vós, uma grande abraço amigo, com os votos de um Feliz Natal (à lareira) e um Ano 2012, sem corruptos (???!!!)

Quer partilhar alguma informação connosco? Este é o seu espaço...
Deixe-nos aqui a sua mensagem e ela será publicada!

.: Valide os dados assinalados : mal formatados ou vazios.

Nome: *
E-mail: * Localidade: *
Comentário:
Enviar

Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório.

Copyright © Associação dos Antigos Alunos Redentoristas
Powered by Neweb Concept
Visitante nº