fale connosco


2012-05-14

alexandre gonçalves - palmela

 Caro Amigo Francisco

 

Antes de mais, gloriosas saudações por teres ultrapassado com glória a idiomática barreira precedente, perfazendo com inqualificável juventude uma quantia redonda e serena. Atrasei-me na data, como em tudo na vida. Se me dissessem que tinha outro tanto tempo como o que já se escoou, fazia tudo o que fiz, mas tinha de começar mais cedo. É por isso que me atraso, na vã tentativa de aumentar as horas e o tamanho dos dias. Contradições de quem está indisponível para fazer anos. Já não pratico aniversários, nem meus nem alheios. E a quem me pergunta a data, se acaso for curiosidade feminina, respondo sem pudor que já foi ou ainda está para ser. Mas em se tratando de nós, os que militamos por uma eterna mocidade, acho justo que tomemos a iniciativa de pagar simbolicamente, a quem devemos, o público reconhecimento do seu nome, da sua presença, da sua amizade. 

As favas já estavam contadas desde há muito tempo. Mas em maio, elas são não só uma devoção como também um dever. Já te querem canonizar e ainda andas por aí a cavar favas, flores e desejos infinitos de salvar o mundo. Quanto a salvar o mundo, não te acompanho, pois perdi a pedalada. Extraviei-me no caminho. E em se tratando de cristãos, mais depressa lhes recomendava o inferno do que os enviava para o céu. Mas nesta heresia, até penso que estaremos solidários. No teu espírito de subversão geral, na corajosa insubmissão aos pregadores de serviço, também não andaremos longe. Uma diferença: eu mordo  cobardemente pela calada. Tu vais para o terreno, sem conforto nem medo das muitas ciladas escondidas. Quanto ao silêncio que tu habitas, somos "em tudo semelhantes", como bocage e camões, na cava, na abstinência, na música pastoril das manhãs, na frugalidade conventual. Assim sendo, proponho um combate sem tréguas contra a santidade. Pois, bom amigo, com esta bandeira e contra todos os vampiros que infestam o território matricial da infância, garanto que no dia 26 serei dos primeiros a chegar. E era óptimo que no morro mais alto de ORBACÉM plantássemos uma bandeira verde, uma palmeira, um carvalho, sei lá eu, uma cousa grande que se visse bem através do verde mais tinto que houver na região. O som de Orbacém rima com tantas lembranças que apetece convocá-las e comê-las como se favas fossem. Com pele e osso. Levaremos o EÇA connosco, para que ele nos descodifique o encanto verde desta ementa, uma espécie de regresso à casa dos avós, isto é, a um portugal puro, cheio de água e de sol.

2012-05-13

Assis - Folgosa - Maia

Amigos... Vida da boa para todos vós, e não boa-vida...como aquela que o amigo Peinadao levou nestes últimos dias, a dar banho à minhoca ali pela serra do Gerês, pois seria sinal de que teriam de substituir por água o bom vinho minhoto ou do douro. Mas que a água, bebida ou em banhos, faz tanto bem como o vinho, ele já não tem dúvida alguma...Até só o facto de me recordar a favada - que terá lugar em Cabanas/Orbacém no próximo dia 26 do corrente mês de Maio, um sábado portanto, a menos que algo de extraordinário impeça tal acontecer - só o recordar da favada, já os bons odores de baco devem ter sido transportados por ventos suaves até seus poros olfativos. O gosto, ele o deixou por ora para a data marcada. - Amigo Peinado, obrigado pelos teus votos que, sei, são sinceros, como os de tantos que se lembraram dos meus 70. Só nós, os idosos mas não velhos, sabemos o que é entrar nos 70. Mas cá vos esperamos a todos, meus amigos, esperamos e espero que sempre com vontade de vos sorrir, pois lágrimas não pagam dívidas, nem nos devolvem aos 20. Por ora ainda me não arrependi de dar o salto. Creio que a boa música como aquela que neste momento escuto, a boa leitura e a enxada me têm ajudado a este meu não arrependimento. A leitura de todas as vossa mensagens, como agora as últimas do Alex e do nosso Presidente, têm o condão de me proporcionarem um certo "sopro" para continuar a sonhar com a tal Noite de Primavera de que falam. - A todos o meu agradecimento por esse alento.

- Antes de me despedir, comunico-vos que este sábado tive o privilégio de me encontrar com o meu primo José Peralta, pessoa que já não via desde 1969. Vive lá pelos lados de Almada, em Fernão Ferro. Entrou na Barrosa em 1951, creio, e pertencia ao curso do pe. Lopes, Jacinto, António Vieira, Barbas e Calé (estes já falecidos)...mas esteve pouco tempo em Gaia. Recebe a nossa Palmeira que "muito aprecia". Junto o seu Email para quem deseje contactá-lo - «zecaperalta@hotmail.com». - Voltarei, diz o Peinado e eu espero seguir-lhe os passos...

 

 

 

2012-05-13

PEINADO TORRES - Porto

Do meu teclado para todo o MUNDO DOS AAAR Bom dias companheiros. Regressei da minha cura de àguas e cá estou a marcar a minha presença. Depois de ter lido todos os escrito enviados por vós meus distintos amigos: Em 1º lugar os meus sinceros parabéns e umk FORTE abraço para o FREI ASSIS CONCEIÇÃO pelo seu aniversário, que se repita por muitos anoos e não se esqueça da FAVADA . Em 2º lugar dar as boas vindas ao companheiro ANTÓNIO PINHEIRO, que lamentavelmente não consigo lembrar-me dele, daqui também te envio o meu abraço. Em 3º lugar também felicitar o JOSE CASTRO, pois embora não tendo estado presente fisicamente em MESSINES, esteve com todos nós, como se leu no seu escrito. em 4º lugar lamentar a ausência de comentários de participantes que foram até MESSINES, foi a mais concorrida de sempre. Andai lá amigos dai alegria a esta página, dizei o que vos vai na ALMA . em 5º lugar . O meu amigo HUMBERTO MORAIS , prometeu~me em MESSINES , que ia mandar correio. Grande Morais estamos à espera. Em 6º lugar . Não podia ir-me embora sem escrever sobre o FUTEBOL CLUBE DO PORTO . Como sabem foi novamente CAMPEÃO. Deu gosto acompamhar a reportagem que a R T P Informação, transmitiu ontem . Num PAÍS triste, em crise, a enpobrecer dia a dia, com uma onda de falências nunca vis to e consequente desemprego, foi um S. JOÃO antecipado difundido para todo o mundo, mostrando além de muitas outras coisas o edifício da CAMARA MUNICIPAL devidamente iluminada, obra prima da arquitectura portuense. Por ultimo agradecer a todo a FAMíLIA AAAR, que me enviou saudações pele vitória do FUTEBOL CLUBE DO PORTO, e para alguns " encarnados " aqui vai a informaçáo . Fizemos os mesmos jogos , fizemos mais pontos, marcamos mais golos e sofremos menos golos.Fomos CAMPEÕES absolutos. Um forte abraço para todos, sem olhar a cores partidária e clubistas VOLTAREI
2012-05-12

manuel vieira - esposende

Sonho de uma noite de Primavera ou talvez uma noite de sonho onde o lirismo das vozes e a execução nas teclas emocionaram uma sala em tijoleira rústica sem regra nos assentos e libertina em tantas emoções. Um texto exuberante do Alexandre onde as amoras negras  também me transportaram para o clafoutis, um doce francês muito apreciado que usa os frutos silvestres e as cerejas  escuras e bojudas.

 O Assis antecedeu-se e em resposta ao Ismael mostrou a forma e o jeito poético, não se omitindo de mencionar as favas que agora crescem com tanto calor e humidade e serão pretexto para um salto à montanha, a tal de onde se avista e contempla o mar por entre o ondulado dos montes.

O lugar de Cabanas, onde Boursicaud respirava alento, tem belezas tais que até o acesso à casa do Assis se faz pelo caminho do Fradinho e por ali se perfuma de natureza e encantos rústicos ao jeito do Minho. Sem esquecer as tardes de outono cheinhas de diospiros ou as tangerinas e laranjas doces que sustentam a sede.

Cada recanto tem seus encantos...


e nós que somos tantos...

2012-05-10

Alexandre Gonçalves - palmela

SONHO DUMA NOITE DE PRIMAVERA - I---------

 

Caros Delfim e Dulce: desculpem que até agora não tenha escrito uma palavra. Mas como temia um silêncio, de certo modo colectivo, eu fui adiando... para manter por mais tempo, no gume da faca, o sangue das amoras pretas. Felizmente, foram bastantes os que se referiram, na fala ou na escrita, ao ENCONTRO DO SUL. Mas temos o vício da palavra rápida, como se ela nascesse dum teclado. E nessa rapidez, não nos custa transformar em adjectivo o verbo gostar. "Gostei" ou "gostei muito", como se disséssemos, em jeito de síntese luminosa: foi tudo muito lindo. Ou então, "não há palavras" que exprimam o que ali se passou. Como quem diz: esta já foi, venha a seguinte! Só que isso pode em boa verdade dizer-se de quase tudo. Por isso nos repetimos, nos imitamos, e caímos sem nos dar conta no pântano dos lugares comuns. Eu sei que somos na maioria aposentados e que o tempo já vai sendo pouco para aquilo que ainda não fizemos. A menos que a aposentação seja absoluta, desde os ditos até ao saber que a idade impõe... Esta última hipótese abandono-a já, para recomendar a todos que usem em pleno todos os dotes de que a natureza e a cultura nos equiparam. Salve-se a imaginação quando já nada mais possa ser salvo!!! ------

Falava eu de amoras. Que frutos sugestivos e carnudos a mãe terra nos dá! Basta uma breve gota de suor, como a que terá deslizado pelos trasmontanos sentidos que se evidenciam no Delfim. Num dia de primavera, farto do ruído urbano, rasga uma pequena ferida no solo da cerca. Nessa fenda aconchega as frágeis raízes de duas amoreiras. Faz depois uma pequena costura e a cicatrização foi imediata. Dois anos apenas foi o tempo de que as plantinhas precisaram para se cobrirem de frutos oblongos e negros. O seu criador, qual deus atravessando a tarde serenamente, disse: vinde e comei, vós todos os que chegais como amigos dos largos campos da infância! Na verdade, sois meus irmãos de  sangue, desse que corre no corpo das amoras. Vinde, não temais a hora. Ainda temos tempo para erguer uma taça de vinho branco. Sentai-vos por aí! Esta casa é ampla. Cabe lá a nossa memória toda. O sul não é bem o litoral. Pode ser mais à frente ou mais atrás, mais por dentro ou mais por fora. O sul chama-se abril. Tem oitocentos metros de noras. E uma morena presença de Alá, não em pedra mas na urgência silenciosa duma alma que procura em vida o sentido da terra. Ide até à eira. Olhai o mar comum ao longe. Vede como aqui medra o silêncio e se ouve a ondulação mediterrânica. Sem as multidões sazonais. Sem o betão encavalitado nas colinas ou nas dunas. Mantende-vos por aí. Ser-vos-á servido o mais tenro cordeiro destas pastagens. Abriremos um odre de vinho velho. Intenso e perfumado. Diremos isto e aquilo, ou nada diremos. Mas esta tem de ser uma hora suave. Vamos prender nela o tempo, porque um sonho anda no ar. Em a noite vindo, atentos estai, porque ninguém pode ficar fora desta harmonia. Amadeus chegará dos confins do século dezoito e do velho piano, torturado por tantos dedos e desejos passados, arrancará uma passadeira sonora, de mil cores. Estendê-la-á por sobre esta paisagem da noite. E então, num cenário onírico que poderá fazer inveja a Mendelssohn, ouviremos as belas e trancendentes Ana e Jacinta. Assim, nomes simples, quase tímidos, arriscando-se à nossa rudeza auditiva e distribuindo-se entre nós generosamente, dando a cada um os pedaços de voz que cada um conseguir receber. Assim falou o Delfim. Assim se faça, disse a Dulce. E assim se fez, digo eu. Porque estas palavras sabem a bíblia. São criadoras. São transformadoras e não se adiam. Quem esteve antes e viu durante pode confirmar depois que tudo isto foi verdadeiro. E que para o silêncio vai o melhor quinhão. Os sons e a noite prolongaram-se no dia seguinte, desde Silves até às fontes. Expandiram-se no almoço de despedida no alto de Alte, donde se alcançava com os olhos o passado, o presente e até o futuro que possa haver.  Nem é difícil presumir que este sul, assim vivido, possa marcar a memória colectiva por muito tempo. ---------------------------

"Voltarei" em breve para amar publicamente aquelas divinas criaturas, servidoras da beleza e da bondade gregas, a quem ainda ouço de joelhos, como quem rezava, no suave chão da tijoleira. Ou em diferido, entre oito colunas, na intimidade secreta do vokswagem, quando parto para longe... 

Quer partilhar alguma informação connosco? Este é o seu espaço...
Deixe-nos aqui a sua mensagem e ela será publicada!

.: Valide os dados assinalados : mal formatados ou vazios.

Nome: *
E-mail: * Localidade: *
Comentário:
Enviar

Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório.

Copyright © Associação dos Antigos Alunos Redentoristas
Powered by Neweb Concept
Visitante nº