fale connosco


2011-11-02

António Peinado - Porto

Bom dia companheiros.

 Já temos o nosso adorável PASKIM ou PALMEIRAONLINE que é mais elegante a funcionar. É uma alegria para muitos de nós. a sua suspensão já estava a criar uma melancolia em todos nós, e basta ler o texto enviado pelo MANUEL VIEIRA para nos inteirarmos de que sem este espaço estamos todos como o país, isto é mais pobres e quase orfãos.

 Bom , mas não foi para dizer isto que eu vim cá hoje, e vamos lá ao que interessa . No passado 26 de Outubro, um pequeno grande grupo de ex-presidiários da QUINTA DA BARROSA, apesar de um dia chuvoso e aparentemente triste, reuniram-se em VIEIRA DE LEIRIA, 12 AAAR, para degustarem um opíparo ARROZ DE MARISCO e só restou as cascas e as CAÇAROLAS DE BARRO.

 Dos doze presentes, tivemos três novos aderentes, o VITERBO, o PASCOAL que ricas tangerinas que nos ofereceu, e o FERNANDO CAMPOS condiscípulo que eu já não via há 52 ANOS.

 Apesar do dia chuvoso e triste , os nossos corações e espíritos não podiam estar mais satisfeitos . Todos botamos faladura, em parte e como sempre o nosso companheiro ALEXANDRE é o SOL e monopoliza o tempo de intervenção, gosto de o ouvir pois tudo ou quase tudo o que diz tem interesse, mas neste encontro houve dois pontos que me sensibilizaram profundamente: 1º a presença do FERNANDO CAMPOS 2º O discurso do VITERBO, que disse que nunca falou para mais do 3 ou 4 pessoas, o que eu não acredito e presenteou-nos com este POEMA ERA NATAL!

“ Finalmente o NATAL estava a chegar. Nos dias anteriores, todos procurávamos portar-nos bem, mas o João, para não se arriscar a ficar sem presentes de NATAL, passava longos períodos deitado, que iam aumentando à medida que a data se aproximava . Assim, o tempo passava mais depressa e as oportunidades de fazer disparates diminuíam.

Os presentes que o Menino Jesus nos deixaria na chaminé estariam de acordo com o comportamento de cada um, Embora o Menino Jesus visse tudo quanto fazíamos, a nossa mãe não deixaria de nos recomendar, mas, se necessário, também testemunharia em nosso desabono.

No dia da consoada a porta da cozinha era fechada logo após o almoço. Havia que fazer as rabanadas, filhós, cornucópias e aletria. Se tal medida não fosse tomada, e se nós, os seis irmãos, entrássemos por ali dentro, ninguém daria vazão à nossa gula.

 A porta abria-se, por momentos ,para uma prova  cada um e voltava a fechar-se. Ao entardecer, levávamos aos animais que havia de melhor tudo do que mais gostavam de comer .O Natal era para todos  e eles pertenciam ao nosso presépio vivo. Só assim nos poderíamos sentar à mesa, sabendo que todos estavam felizes.

Assim que na serra, a luz começava a esbater-se, os pastores recolhiam os rebanhos. A quietude era total. Pouco tempo depois, os sinos da igreja repicavam alegremente .O som corria montes e vales e misturava-se com o dos sinos das aldeias vizinhas, anunciando Paz aos Homens e Glória nas Alturas.

Quando finalmente nos chamaram, já a nossa mesa estava posta .Entrávamos lavados e vestidos para a nossa festa maior. Por cima da toalha de linho, alva e rendada, fumegavam as travessas com arroz de polvo, bacalhau cozido com couve e batata. Igual em todas as casas. A ceia era alegre e demorada. Seguiam-se as rabanadas, filhós e outros bolos. Depois contavam-se histórias, jogávamos ao par-ou-pernão, ao rapa e outros jogos.

 Pela meia-noite alinhávamos as botas junto à lareira e seguíamos alegres e ordeiros para a cama, esperando que, enquanto a neve pousava sobre as telhas, o Menino Jesus descesse pela chaminé, com as nossas desejadas prendas de Natal. Era Natal!

 

 NESTE MOMENTO EM QUE A GUERRA AINDA EXISTE

O ÓDIO SE ENRAÍZA, A FOME INSTALA-SE, PERSISTE.

O DINHEIRO DOMINA, ESCRAVIZANDO O MUNDO.

 UM DEUS CRUEL, IMUNDO.

 FALHA A JUSTIÇA. HÁ VALORES QUE SE INVERTEM,

 PROTELAM-SE OS MAIS NOBRES

 VALEM OS QUE PERVERTEM.

 DESPONTAM E LOGO ESTIOLAM PRIMAVERAS

 MORREM OS SONHOS, ESFUMAM-SE QUIMERAS.

 MAS AINDA SE AFIRMAM VALORES  QUE NOS LIBERTAM

 ESPERANÇA PAZ, AMOR

 VENCEM, CONQUISTAM DESPERTAM!

 QUE HAJA EM CADA CASA UMA LAREIRA!

 É URGENTE UM NOVO NATAL NA TERRA INTEIRA:

 NA FAMÍLIA

 DE AMOR, DE TERNURA E CORAÇÃO

 NATAL DA ESPERANÇA

 UM NATAL COMO O MEU

 QUANDO EU ERA CRIANÇA .”

 

Não queria terminar o meu texto sem dirigir uma palavra muito especial ao VITERBO, gostei muito do seu POEMA quando o ouvi ler, mas agora ao transcrevê-lo é que senti toda a profundidade e simplicidade do mesmo, obrigado VITERBO, acompanha-nos sempre pois os nossos almoços são para confraternizar , comer, beber, viver e muito mais como se pode provar.

 Por fim e porque já sou capaz de estar a meter nojo a alguém que não pertence ao nosso grupo ( SEITA ), daqui envio o meu abraço ao companheiro JOSÉ CASTRO, não só pela sua presença neste espaço, mas também pelo teor do texto que nos enviou, assim no meu modesto entender é que se é solidário. COMPANHEIROS ATÉ AO PRÓXIMO DIA 12 VOLTAREI - Amigo JOSÉ CASTRO não cobro direitos de autor e estou muito feliz - VOLTAREI

 

2011-10-29

manuel vieira - esposende

Às vezes penso que estou cansado destas coisas pois outras coisas importantes da vida se sobrepõem e se colocam à frente, obrigando-me a um esforço maior de concentração nas coisas da vida a que a vida obriga.

A vida familiar é para mim sempre prioritária sabendo que da vida profissional ela também depende e em tempos de maior exigência e pressão tem de haver maiores cuidados com a utilização do tempo.

Esforço-me também por experimentar a amizade aproveitando os momentos das oportunidades.

Quando aqui venho em gesto diário esboço um sorriso ao ter novas leituras, porque algum esforço de estar por aqui é compensado.

Hoje apareceu o Castro, normal cliente de bancada como ele afirma e num ápice "botou" letra bonita num texto que soube a pouco, mesmo dizendo muito.

É verdade que depois de ler o Castro senti mais um alívio de alma, um estímulo despreocupado de quem percebe que todos têm a sua vida mas a amizade é também um compromisso.

Antes aparecera o Edgar Lima de João Pessoa, no Brasil, curioso por saber como funcionamos e vou esclarecê-lo por e-mail, de um país que tem outra Associação em Aparecida, a UNESER com quem já temos ligações há algum tempo. Num país enorme os Redentoristas espalharam-se.

Entretanto o Assis anda na reforma agrária, ora em Cedovim alijeirando a terra às oliveiras, ora em Orbacém no Minho dando alento às suas plantações.

O nosso amigo Nabais, que já goza a reforma, andou nas vindimas do verde em Ponte de Lima e agora deu-se em obras pelos lados de Gaia.

O Davide telefonou-me há minutos e jantava no Zé Nabeiro no Soito onde dedilhava um borrego grelhado, um pouco a ver com o que lá "manjamos" este ano no Encontro.

Estas referências foram em jeito de conversa para que percebam que o nosso grupo funciona... 

2011-10-29

José de Castro - Gondomar

Caros Amigos: Foi com satisfação que registei o renascimento deste sítio, onde muitos de nós bem instalados na bancada, participam de forma "activa" e anónima como consumidores, das saborosas dissertações, contendas e discussões que nos são servidas por muitos e bons intervenientes. A minha participação é a de um consumidor compulsivo dos belíssimos textos com que me têm presenteado. Vem a propósito lembrar com saudade o nosso MARQUES que ainda se lembra vagamente do meu nome... Caro Amigo: ainda nos havemos de encontrar! Com arte, disparavas directamente para o meio da ninhada,despertando emoções aos protagonistas que contigo pelejavam, mas também aos consumidores de bancada como eu. Bem gostava de te ter de volta, pois o despique que se gerava nunca deixou de ser salutar, apesar de nem sempre o tempero dos "pratos" que nos servias, estar ao gosto de todas as bocas. E por falar de pratos, não posso deixar de fazer uma referência que desde já prometo não ser enfadonha, pois no essencial já quase tudo foi dito desse delicioso prato que, tudo indica, é mais saboroso se for comido em dia útil. Essa delícia a que uns chamaram "DITA", outros "CUJA" e poucos "FODA DE MONÇÂO". Estes últimos, poucos é certo, mas certamente também bons e mais leais à tradição Monsanense, sempre se referiram ao afamado manjar, pelo nome que lhe deu a fama. Cabe aqui uma especial referência a um Amigo portuense de seu nome PEINADO. Sempre fiel ao respeito pela tradição, sem perder a elegância a que nos habituou, foi o único, tanto quanto percebi, que sempre se referiu à "DITA CUJA FODA DE MONÇÂO" como "FODA DE MONÇÂO". Já todos fomos seminaristas, mas já nenhum de nós é virgem, pelo menos dos ouvidos... Parabéns Amigo Peinado, também em nome dos Monsanenses que apesar dos esforços desenvolvidos, não conseguiram ainda a certificação da designação, desse manjar que tanto os orgulha. Agora que estou virado para os pratos regionais, é a ti que me dirijo Caro Aventino. Pelo que percebi na ultima abordagem que fizezte ao assunto, estamos à espera uns dos outros, para a tal visita guiada, que apesar de um atraso de quase um ano, mantém toda a sua actualidade. Com as portas do Porto franqueadas por ti a quantos queiram entrar e ver elém das paredes, será concerteza um dia memorável. Estou certo de que tal evento acontecerá num dia "inútil" a que nós daremos toda a utilidade, sem esquecer que, não há Porto sem umas "TRIPAS À MODA DO PORTO", sabendo que alguns preferirão certamente comer "UMA FRANCESINHA"... Até eu!!! Claro que para sermos mais bairristas deveria ser comida "UMA PORTUGUESINHA" mas isso daria concerteza lugar imediato à instauração de um processo crime por pedofilia pelo que apesar do nome não ser muito próprio, vou mesmo comer "UMA FRANCESINHA". Outra designação não ficaria bem...foi este o nome que lhe deu a fama! Caros Amigos: é uma oportunidade a não perder! Somos muitos nesta região. Muitos e bons são também os que já por cá passaram. Parafraseando o Peinado, que neste modest texto sem engenho e arte mas sincero, me mereceu especial destaque: "VOLTAREI"!
2011-10-28

Edgar Teixeira de Lima - Rua Geraldo Mariz, Nº 1076 - Tambauzinho, João Pessoa-PB - Brasil - CEP 58042-060

Olá Pessoal!

Sou brasileiro de João Pessoa, extremo oriental do país, portanto mais próximo de vocês. Faço parte de um grupo de ex-seminaristas redentoristas (Redentoristas Ontem e Sempre) que se reune anualmente para se confraternizarem. Já vamos para o nosso X encontro e já trouxemos até um amigo que reside em Portugal. Somos parte da Sub-província do Recife que instalou-se também em Garanhuns e em Campina Grande no estado vizinho. Fiquei interessado em saber como funciona vossa associação e gostaria muito de trocar informações.

ogozxemosxno existimos há jH

2011-10-27

manuel vieira - esposende

"Habemus site", me perdoem os nossos  linguístas extremosos.

Embora esta situação para mim não seja nova, enfurece a nossa paciência, também por alguma morosidade associada às diversas e necessárias purgas do malware.

Mas também foi bom sentir que esta ferramenta afinal já fazia parte dos hábitos quase diários de um grupo razoável de aaar's.

Mas a nossa palmeiraonline já está de saúde e como diz o nosso amigo Ribeiro, é preciso dar-lhe uso.

Quer partilhar alguma informação connosco? Este é o seu espaço...
Deixe-nos aqui a sua mensagem e ela será publicada!

.: Valide os dados assinalados : mal formatados ou vazios.

Nome: *
E-mail: * Localidade: *
Comentário:
Enviar

Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório.

Copyright © Associação dos Antigos Alunos Redentoristas
Powered by Neweb Concept
Visitante nº