fale connosco


2011-12-20

manuel vieira - esposende

O natal trouxe já páginas excelsas que deleitam a nossa leitura neste precioso recanto.

O natal exorcisa o "damanho do cepo" como cita o Nicolau, de onde brota a fogueira à volta da qual se juntam as almas- Ah, a farinheira esquentada na tigela de barro, o presunto, as azeitonas, o vinho.

O Alexandre estremeceu memórias da Carminho sem botar poemas.

Mas escaldou desejos com a lebre brunida com ervas aromáticas colhidas nas ribeiras de águas limpas.

No derrube da marquise da Nani o Arsénio mencionou as pataniscas de bacalhau inigualáveis e ontem alguém me afirmava que ainda não arranjara o polvo e o congro para a noite de natal.

 

Alguém dizia que a gastronomia nos acompanha e sustenta desde o nascimento até à morte. Aumenta as delícias do amor, a confiança da amizade, desarma a ira e facilita os tratos e nos oferece, no curto trajecto das nossas vidas, o único prazer que, não sendo seguido de fadiga, nos revigora todos os outros.

O olfacto, o tacto, o paladar e até o amor são indissociáveis do acto de desfrutar uma refeição. É um processo artístico repleto de delicadezas e preceitos, num misto de necessidade e desejo.

Bem, com este argumentário concupiscente pressinto a ofegância do Alexandre num ritual que inscreve o aroma de estevas e frutos do bosque, como ele bem refere na sua Primeira Parte, que encheu a alma do nosso colega Peinado.

Depois da sobremesa com preceitos silvestres e de olhar as musas Carminha e Elisa que ainda vão alimentando sonhos dos nossos comparsas, lembrei-me que só vim por cá para um mero exercício de letra.

Claro que não é assim tão linear pois uma boa conversa por cá merece sempre um copo de brinde à amizade.

2011-12-18

Nicolau - Oeiras (Soito)

A festa da família está à porta. É Natal! As minhas raízes esperam por mim. A minha aldeia já fumega. E, mais uma vez, o fogo está na base da reunião. Alguns lugares, à volta da lareira, já há muito que são só recordações. Portanto, cadeiras há, em que o vazio se apoderou delas.  Só o amor dessas lembranças se faz sentir.  Ouçam, apenas, o eco das palavras desses tempos idos: "Vá, atiça aí esse damanho do cepo que teima em não arder! Vou buscar mais uns paus à loja; A lenha é de carvalho e seca como ela está, é só vê-la a arder...; Vou fazer um lume valente, pois não quero que ninguém passe frio." E como a ceia ainda demora, vou assar, na tigela de barro, umas farinheiras. Este ano são  boas como o caraças.E olhem que o presunto não lhe fica atrás.O vinho não é do melhor, mas bebe-se... Mas já as as azeitonas são mesmo de comer e gritar por mais." Pelo menos, no Soito, era assim. Era a festa da família. Era o Natal.
Era a noite da consoada. As prendas!!! Para a miudagem, era a noite mais longa do ano. Logo que a manhã clareava, corríamos para a chaminé, para desembrulharmos as prendas. As prendas eram colocadas nos sapatos, colocados em cima do moirão.  Naqueles tempos, era o Menino Jesus que descia pela chaminé, para nos deixar as prendas. O valor delas era correspondente ao nosso comportamento, de um ano inteiro. As minhas eram sempre as de menos valor. Pudera! Mas como eu era o benjamim da família, acabava por ficar com o melhor quinhão, pois os mais velhos sempre me doavam alguns excedentes do que tinham recebido.  
Depois, muito depois, nasceu o pai natal, importado, sabe-se lá de onde. O lucro destruiu o sonho de se ser criança, na mais mágica noite do ano. Teria sido, nesta altura, que os ricos nasceram e que começaram a subjugar os pobres? Mas não! Ou teriam começado quando a Eva corrompeu o Adão, como uma simples maçã? A partir desta maçã, o consumismo tomou conta de nós. 
É por isso e por outras que, actualmente, na minha casa, já há um bom par de anos, não se trocam prendas. Chegámos à conclusão que as melhores prendas são aquelas que recebemos, quando menos se esperam. Detesto as prendas obrigatórias! Assim, privilegiamos, apenas e só, a festa da família, com as vozes misturadas em coro. A alegria baila no ar. As histórias passam de boca em boca. A amizade sai reforçada e do amor faz-se um hino. Mais tarde, outros se lembrarão das nossas frases. Outros vazios irão ocupar as nossas cadeiras. 
Mas, hoje, fugindo à regra, quero deixar-vos uma pequena lembrança. Sim, fica aqui uma amostra do CD, gravado na Catedral de Lisboa, pelo Coro com o mesmo nome. Na próxima ida a Palmela, vou deixar um exemplar com o Alexandre, para os peregrinos do amor, pela amizade, ouvirem. E, embora não seja um menino de coro, informo que também aceitei participar, por convite, com a minha voz de Baixo para a gravação. O CD é todo ele dedicado a João Paulo II. O link, apenas contém o 1º. cântico, acompanhado de imagens. Mas, por favor, não me atirem com tomates à cara, quando eu surgir no ecrã.  Não sou cantor, mas canto... desafinado! Não sou escritor, mas escrevo... palavras à toa! Não tenho o dom da palavra, mas falo... demais. Não sou amor, mas sei amar... convencido! 
A segunda lembrança, vai direita para a minha mãe, melhor dizendo, para as nossas mães, no poema "MÃE" de Miguel Torga, sobejamente conhecido por todos, pelo que não se torna necessário deixar aqui a sua transcrição (está na Net). Um grande bem haja para ela, pela matriz que me deixou, na qual assenta, hoje em dia, todo o meu acreditar. De todo, eu quero continuar a fazer jus a esta herança.
E deixo também o poema "URGENTEMENTE" de  Eugénio de Andrade (também está na Net), que tem o condão de me transmitir toda a paz e tranquilidade, quando o ódio e a raiva tentam apoderar-se de mim. Comigo, dá efeito, principalmente, quando a maresia me fustiga, vinda dos mares da Madalena. A areia da praia, já  há muito, que desertou. Com ela, também eu parti, quando de calças arregaçadas, até ao joelho, escrevia o mais lindo poema, sobre a areia molhada. Do poema, apenas recordo o seu nome: "Partida para a Liberdade!"  
Lá, ao longe, muito ao longe, um barco esperava por mim. Ao leme estava a nudez, esbatida na espuma, de um corpo de mulher. A escultura das suas formas arredondadas estavam em sintonia com a minha pulsação. Sobre os mastros, os corvos, conhecidos pelas suas vestes negras, estavam ausentes. Era um bom presságio. Só os medos, o pecado e a visão de todo um mundo hostil, tantas vezes publicitados, tentaram, em vão, dissuadir-me. Era urgente içar a âncora, soltar as amarras, ler o poema "URGENTEMENTE" e partir... Hasta la vista! 
Para todos vós, uma grande abraço amigo, com os votos de um Feliz Natal (à lareira) e um Ano 2012, sem corruptos (???!!!)

2011-12-18

Peinado torres - Porto

Bom dia companheiros e amigos Inicio este pequeno texto para desejar a todos os EXPRESIDIÀRIOS da quinta da Barrosa que me têm acompanhado ao longo dos tempos e a todos os outros com quem também convivi, e já agora para todos os que porlá andaram e não conheci, lhes envio os meus votos de um feliz e SANTO NATAL e UM PRÓSPERO ANO NOVO, e para as suas FAMÍLIAS também, e sobretudo SAÚDE. quer física, quer mental. Esta é a minha primeira mensagem. È NATAL. È pena que não seja este o estado de espirito durante todo o ANO. Sempre encarei o NATAL como uma festa da FAMÍLIA. Até mesmo quando estava no semnário, que me faltava a minha família de sangue eu gostava do NATAL. Hoje com os anos a pesarem ainda gosto do NATAL, talvez porque ainda o vou passar com a minha MÃE, que tem 103 anos, com a minha mulher, o meu filho , a mimha nora e os meus dois netos, è uma felicidade e por isso me sinto rico. Mudando de conversa, Não posso deixar de dar os meus parabéns ao ALEX, mas vou fazer um pequeno reparo. Dois encantadores textos duma vez só, é como comer quatro pratos de TRIPAS Á MODA DO PORTO, numa só refeição. Eu explico. Eu sei, ou pelo menos assim o entendi, cada um destes contos , são vivencias do autor, e para quem as leu com eeses olhos, dá muito que pensar sobre as várias fases das nossas vidas. ALEX continua a brotar coisas cá para fora, mas espassadamente, vá lá de 15 em 15 dias. Creio que se assim for podemos dar mais envolvimento a esta NOVA PALMEIRA. Já agora vos informo que o meu coração vai estar presente no próximo dia 2o na OLIVEIRA DO PARAÍSO, mais uma vez o nosso amigo ALEX juntamente com outros EXPESIDIÀRIOS vão- se reunir para uma confreternização de NATAL. à boa maneira BEIRÃ " BEM HAJA " para quem teve a feliz ideia e para todos quantos vão participar com a sua presença. Para todos UM FELIZ E SANTO NATAL. VOLTAREI
2011-12-17

Arsénio Pires - Porto

Um Postal de Natal para a Câmara da Cidade

 

A minha amiga Nani não vai ter Natal.

Vive sozinha desde que o marido lhe morreu há já uns quantos anos.

Vive sozinha… é como quem diz! Vivia muito bem acompanhada pelas suas plantas com quem conversava longamente a certas horas do dia na sua marquise solarenga… mas já não vive.

É que os homens da Câmara bateram-lhe à porta num dia destes e gritaram:

- Vamos deitar essa marquise abaixo!

- Mas porquê? Já a tenho há mais de 30 anos e nunca fez mal a ninguém!

- Não interessa. Foi construída sem licença! Tem que ir abaixo. São leis. A Câmara tem que pôr a cidade linda!

 

Marcaram um dia e lá apareceram com as ferramentas todas.

Roubaram-lhe a marquise num instante e as suas plantas ficaram sem casa. E a Nani, sem as suas amigas.

E a minha amiga entrou em depressão. Chora com saudade das suas plantas e diz que não vai ter Natal. Que nem à casa do filho quer ir comer o bacalhau. Que lhe deitaram abaixo a vida ao lhe roubarem a sua marquise. Que os seus dias já não fazem sentido. Que se não fosse por não sei o quê… até lhe apetecia acabar com tudo.

 

- Os homens da Câmara cumprem leis – dizemos-lhe nós, os amigos. Mesmo sem respeitarem a Lei do Usucapião, eles avançam com a espada da Lei nas mãos! Lei injusta e dura… mas Lei. Que a Lei foi feita só para os pobres! Que os ricos nunca precisaram de respeitar as leis. Que por isso mesmo é que são ricos. Que isto e que aquilo…

Mas ela é que não quer saber de nada. Que não sabe quem são eles, que nunca lhes viu a cara, que nunca votou nem nunca votará “em gente desta raça”, diz desconsolada.

 

Amigos, quem arranja uma nova marquise para a minha amiga?

Plantas… ela ainda conservou algumas na esperança, talvez, de que eles, os da Câmara,  se arrependam e, quem sabe?, voltem a colocar lá a sua marquise.

 

P.S. Juro que esta história é verdadeira!

Durante o dia, idosa que é, a Nani vai até ao Centro de Dia para Idosos do nosso bairro “fazer mimos para eles”, como ela diz. Faz umas pataniscas de bacalhau como ninguém. Daquelas que se serviam nas tascas da ribeira de Gaia e se empurravam com um copo de vinho do Porto espetado a respingar encima dum balcão de madeira.

 

Foi ela quem me contou a desgraça que aqui vos deixo.

Acreditem.

Se puderem!

2011-12-15

alexandre gonçalves - palmela

SEGUNDA PARTE: CONTO DA NEVE Bom, como o texto da primeira parte saiu ligeiramente oblíquo, vou agora tentar o ângulo recto. Em boa hora o Sousa Pires trouxe o natal à boca de cena. A memória é um filão de ouro. Basta escavar e logo num molho de bróculos ou de pinhas encontramos reflexos dourados desse tempo inesgotável. Eu não fui para as prendas porque o excessivo amor dos meus pais não derreteu a neve desse tempo. E tanta era que perdura ainda. Se visitarem a aldeia onde eu botei raízes, bem podem cobri-la com o REQUIEM de Mozart. Nem assim acordarão as crianças que morreram nas ruas, nos campos e nos montes. Ao fim da tarde, ao virem da escola, eram surpreendidas por nevões intensos. Algumas moravam longe e nem tempo tinham para se abrigarem. Escorregavam descalças, como dizia o augusto gil na Balada da Neve. Escorregavam no chão da rua direita, que era a mais torta e mais irregular da aldeia. Caíam no chão gelado, mortas de frio, e adormeciam. A neve corria logo pressurosa, condoída e carinhosa, e estendia delicadamente um lençol de linho sobre os tenros corpos. Nos meses de dezembro e janeiro era mais fácil morrer do que ir para a escola. É essa a razão porque a minha aldeia ficou sem rapazes e sem raparigas. Eu próprio morri uma noite no qintal da minha avó, na véspera de natal. Tinha ido buscar umas cabrinhas ao chão da ribeira. A minha avó avisou-me. Olha que vai nevar. O ar corta como lâmina. Vai depressa e não as deixes fugir. Andam por aí lobos esfaimados que lhes chamam um figo se as apanham. Pois sim. Lá ir fui. Mas não houve regresso. Eram cabras a valer. Eram duas apenas mas davam-nos leite e queijo à fartura para toda a família, que graças a deus não era numerosa. Era eu, a minha avó e a minha mãe. O meu pai, atrapalhado com a vida, numa sinistra manhã de nevoeiro, fugiu da aldeia e disseram-me, quando eu já podia entender, que estava no brasil. Bem mal o conheci. Muito mais tarde, fui-me dando conta de que a família dele era outra. Nunca mo disseram. Tive de o suspeitar. Tive de o concluir , na solidão do meu medo. Mas falava eu daquelas duas rebeldes criaturas. A minha avó chamava-lhes cabrinhas, como se fossem meninas de colégio. Mas eu nunca pude concordar. Era ofender a stelinha e a carminha, as filhas da dona ester, que era uma das quatro professoras lá da aldeia. Estas duas meninas nunca morreram. Na casa da dona ester não nevava. E as filhas muito trabalho hão-de dar à minha desgraçada imaginação. Ainda hoje têm as mesmas pernas das rãs quando nadam. Éramos os três da mesma classe, embora a stelinha fosse ano e meio mais velha.Tínhamos fama de bons alunos. Mas elas, além disso, eram lindas e perfumadas. E vestiam muito bem. Esse aspecto não me incomodava. Eu tinha era outro problema. Eram as minhas botas, abertas de ambos os lados. Eu explicava convictamente que aquilo era de propósito. Que fora o sapateiro a fazer umas janelinhas de ventilação. Não era verdade mas eu era um mentiroso compulsivo. E de tanto mentir, cheguei a pensar ser verdade tudo o que eu dissesse muitas vezes. À distância sempre direi que as botas me afligiam e me envergonhavam terrivelmente. Mesmo assim, sentia-me gostado pelas filhas da professora, sobretudo a carminha. No aproveitamento escolar, éramos os três os alunos mais elogiados pelas professoras. Quanto ao resto, foi tudo bem diferente. Como se verá mais adiante. Portanto, não eram cabrinhas mas cabras ou cabronas aqueles animaizinhos. Ao soltá-las, um ruído qualquer foi o bastante para me puxarem a corda até eu não poder mais. Procurei-as pela noite dentro. Era um dia vinte quatro qualquer. O sino já chamara três vezes pelos cristãos para a missa do galo. A neve já começava a pintar tudo de branco. E eu já começara a morrer. Consegui ainda entrar pelas traseiras do quintal. Mas já não subi as escadas de granito. Deixei-me cair sobre um pouco de palha que ali havia. A neve, maternal e comovida, cobriu-me de branco, porque era essa a cor da minha idade. Fiz uma morte simples e de algum modo confortável. Alguns anos depois ressuscitei em vila nova. Foi obra da dona ester. Era uma pena que tão grande inteligência ficasse lá pela aldeia. Moveu os cordelinhos todos para eu atravessar montanhas e vales num combóio escuro que eu nunca tinha visto. Só não moveu nem o seu coração nem o da carminha em direcção ao meu. Nas férias, se ela me prestasse só que fosse um pouquinho de atenção, eu não voltava a vila nova. Mas percebi muito cedo que ela voava muito alto. E eu, embora uma grande cabeça e um belíssimo coração na versão da mãe, eu era muito baixinho quer para a carminha, quer para a mamã. Nos últimos anos liceais, fui proibido de falar com as meninas da minha infância de neve. Na sua avisada opinião, eu daria um excelente sacerdote. Não dei nem excelente nem medíocre. Dei o que dei, um execrável advogado, que mal cobre com os seus ganhos as despesas que faz. Mas sobre a carminha, ainda hei-de falar um dia. Agora, só quero voltar a vila nova. Aos natais de vila nova, que foram todos tristes. Uma tristeza crua e seca, esmagada por uma aparência cínica de alegria. Após a ceia, que eu engolia como se estivesse doente, disfarçava-me de um produto quase divino e punha-me fora de tudo o que acontecia. Quando começavam as rifas, eu fazia tudo o que os outros faziam. Aparentemente. Em rigor nunca preenchi uma ficha. Eu não estava vivo. Se alguma vida tinha, ela não estava lá. Navegava pelo espaço da noite. Nunca ninguém notou que eu abandonava o jogo e os divertimentos. Mas não o fazia como quem vai e volta. Muito cedo descobri um reduto. Era no recanto superior esquerdo da capela. Não o fazia por qualquer excessivo apelo de ordem religiosa. Nunca me senti bem por esse lado. Era antes um lugar para a tristeza, como quem alimenta um cão de companhia. Neste lugar, à minha maneira, também voava. Ia à missa do galo da minha aldeia, consolava as mulheres da minha vida, que na altura já eram quase meia dúzia. Mais que tudo, talvez provocasse um enconto casual com a carminha. Ela andaria agora já nos dezasseis anos. Isso era avassalador. Desde longe, eu conseguia tirar-lhe alguma roupa, tocávamos sem querer um no outro e eu pedia desculpa. Mas ela é que não ia por aí. Tomava a iniciativa para eu me livrar de culpas e de confessores, uma praga a abater por ambos. E então sim, fazíamos o primeiro beijo da vida, mas só isso, por causa dos retiros. O beijo, sendo lento e puro, deixava-nos em serenidade de consciência. Adormeci muitas vezes e sem culpas nestes voos domésticos. Nunca ninguém deu pela minha falta. Pela madrugada, à luz sonâmbula das escadas e do dormitório, eu procurava a minha cama, deitava-me mas já não dormia mais. Ouvia a respiração geral, os sonhos sonoros e dramáticos de cem jovens à procura do futuro. E o futuro era apenas neve.

Quer partilhar alguma informação connosco? Este é o seu espaço...
Deixe-nos aqui a sua mensagem e ela será publicada!

.: Valide os dados assinalados : mal formatados ou vazios.

Nome: *
E-mail: * Localidade: *
Comentário:
Enviar

Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório.

Copyright © Associação dos Antigos Alunos Redentoristas
Powered by Neweb Concept
Visitante nº