fale connosco


2012-01-05

manuel vieira - esposende

"Boas saídas e melhores entradas" para os meus bons amigos que já oiço lá ao fundo", escrevia eu há dias.

Afinal era o Ribeiro e o Assis, caminhando cada um ao seu modo.

Tão distraído que nem dei pela entrada do Ano Novo, andava ele afeito aos comentários que declinam o sucesso.

Já estoiravam foguetes e mensagens no telemóvel quando acordei da sonolência de algum cansaço de fim de ano, metas a cumprir, objectivos em agenda.

Espremi o flut e masquei as passas ressequidas.

Disseram-me que estava a dormitar desde o ano passado e então percebi que as distâncias no tempo são um assomo que engana.

Ainda passei por aqui e li o "velho e o zelador" do Martins Ribeiro.

Muitos outros passam por aqui, quase um vício que não cansa.

Até entendo que alguns não tenham jeito para dizer, como se para dizer tivessemos de ser perfeitos, sobretudo agora que o Acordo Ortográfico tem aplicação obrigatória nos documentos oficiais, mas só nesses.

E é uma pena que nesse vício de ler, tenhamos de repetir a leitura.

Por isso cá vim escrever...

2012-01-01

Assis - Folgosa - Maia

FELIZ  ANO  NOVO  para todos os amigos e seus familiares para cujo Email me não foi possível enviar tais votos.

Espero ainda chegar a tempo já que o garoto 2012 ainda nem um dia tem de vida...

Esta foi a razão primeira que me trouxe ao 'fale connosco' e não para falar da afamada 'roupa velha´de que, como o amigo Manel, tanto aprecio.

E, uma vez que comecei a falar, deixai que diga mais umas palavras. E estas serão apenas para dizer ao nosso amigo Martins Ribeiro que, se fosse eu a escrever o seu belo conto, não o terminaria de forma tão agradável para o dedicado "zelador", não. Acabaria por levantar da cova o pobre velho para meter um 'cagaço' tal ao zelador que, petreficado, ficasse como exemplo para quantos nos querem hoje, e no futuro, até o calor do sol roubar... 

Bom Ano para todos...

.

2011-12-31

A.Martins Ribeiro - Terras de Valdevez

 

O VELHO E O SOL


Num País não distante como o das fábulas, mas aqui bem perto, havi um velhinho, encorrilhado e relho, reformado dos serviços públicos com a mísera pensão de poucos tostões que mal lhe davam para enganar a fome. Vivia num casinha mais parecida com um pardieiro, muito desconfortável e sombria, por cujas frinchas zunia uma aragem cortante, situada num pequeno quintal que dava para a rua pública. 

O País onde vivia o reformado já não existe porque, tendo sido antanho possuidor de uma encantada História de heróis e santos, de trovadores e cavaleiros, foi caindo na vileza e tornou-se num antro de ladrões, de madraços, de vilanaços e escroques que o mergulharam na ignomínia e na desonra até o riscarem do mapa.

Ali num canto do eido, rodeado de plantas e ervas daninhas, sobressaía um tosco e pequeno banco e pedra batido pelo sol nos dias limpos de inverno, onde o pobre do velhote, curvada a espinha e arrimado a um cajado rústico, nele se ia sentar e se deixava ficar tempo sem fim, muito regalado, a dormitar ou a pensar na sua vida, até o sol desaparecer. 

Mas veio um certo dia em que passou por ali na rua pública um indivíduo bem posto que, vendo o velho todo refastelado a gozar as delícias do calor daquele sol benfazejo, parou um pouco a observar, meneou a cabeça e seguiu caminho. Era o autarca (que título altissonante) do Município daquela terra, que foi concluindo para  si mesmo: não podia ser, a atitude do reformado era uma provocação, um desaforo, um insulto á sua condição de político, pois o que o velhote estava a fazer não era mais que a usufruir abusivamente de um privilégio para o qual não lhe tinha concedido a sua autorização de régulo e senhor todo poderoso a que ninguém deveria escapar. Chegado ao seu pomposo gabinete mandou chamar um zelador municipal a quem deu ordens para intimar o velho e avisá-lo de que deveria pagar um imposto se quisesse continuar a gozar o calor daquele sol de inverno. O subordinado, com o zelo de um capanga para agradar ao amo, não perdeu tempo e chegado ao pé do ancião, assim o informou:

-meu amigo, por ordem do nosso Presidente venho avisá-lo de que foi lançado um imposto a todos aqueles que, como você, apanham o sol nestas tardes frias, seja lá onde for.

 Não pôde o pobre do homem dar-lhe ali já uma bastonada com o seu bordão porque era muito fraco e desvalido mas, mesmo não conseguindo endireitar o seu corcovado dorso, retorquiu indignado:

-pagar um imposto pelo sol que Deus dá a todos na sua infinita bondade? Nunca! E saia daqui que já o não vejo bem!

Ruminando impropérios o malvado zelador lá foi informar o Soba daquele burgo da resposta do velhote. Parecia tudo ter ficado esquecido, porém, dali a uns dias, o desditoso ancião verificou que do lado público do seu quinteiro estavam muitos homens de fato macaco a construir uma estrutura semelhante a um alto muro, referindo tratar-se de um melhoramento para benefício do espaço público, mas ele viu muito bem que faziam aquilo para lhe roubar o sol que não quis pagar. 

Dali em diante o sol deixou de aquecer o seu rude e grosseiro banco de pedra e, ao sentar-se nele, o pobre do homem, privado do  gostoso calor do astro, passou a tremer de frio e logo fugia para dentro de casa, mas  como nela não tinha borralho tremia também, metia-se na cama e como a roupa era pouca, continuava a tremer. Foi enregelando cada vez mais e em pouco tempo se finou.

Alguns meses mais tarde andava um grupo de funcionários da autarquia a trabalhar numas obras do cemitério municipal e deles fazia parte o infame zelador que intimara o velhote; a dada altura, quando regressavam no fim da tarefa, passaram junto duma térrea e humilde sepultura, sem nome nem lápide e, olhando-a melhor, um dos homens inquiriu, meio intrigado:

-esta não é a campa daquele velho que recusou pagar o sol?

-Mas é mesmo, certificou o zelador com malvadez nos olhos. Ai o desavergonhado e somítico do velho carcaça, espera aí que eu já o ensino.

E sem cuidar do respeito devido ao campo santo, desapertou a braguilha das calças e fez uma indecorosa mijada em cima da campa rasa meio esbandalhada, juncada de uns quantos ramos de flores já secos e apodrecidos. Tudo porque o pobre do velho não quis pagar o sol.

A moral desta história é a de que já faltou mais para ela  acontecer.




 

2011-12-31

manuel vieira - esposende

Falava eu há dias sobre a "Roupa Velha", esse ditoso prato que mistura a verdura das couves ou coivões em segundo uso, o bacalhau e a as batatas azeitadas  com as chalotas e o alho sem grelo.

Na minha aldeia com ares de cidade ainda "se bota o ano belho fora", numa tradição que cresce em carrelas de ripas de pinho e as caras besuntadas de disfarce em grupos de 5, em despique com prémios endinheirados.

"E bota o ano belho fora, e bota o nobo cá pra dentro..." cantarola a miudagem calcorreando os recantos mais movimentados e as portas dos comércios na procura da moedinha. Em cima vai o "ano velho", lestinho no peso e na altura para não desgraçar os ombros dos moços do andor.

"...e bota o nobo cá pra dentro " ouve-se em coros entrelaçados na rua principal onde cheira já a bolo rei especial das boas pastelarias que concorrem em convencimentos adocicados.

"Boas saídas e melhores entradas" para os meus bons amigos que já oiço lá ao fundo.

2011-12-27

manuel vieira - esposende

Hoje, meus amigos, foi "Roupa Velha" e atentos à quadra podemos naturalmente descodificar a receita, sem confusões com o uso desmesurado de indumentária.

É uso da consoada o reforço das panelas com esse fim, numa tradição que tem atravessado gerações.

Limpinho de espinhas e da pele, lasca-se o bacalhau e reserva-se. Noutro recipiente cortam-se e reservam-se os "coivões" e as batatas também sobrantes.

 

Num tacho alargado aloira-se em bom azeite a cebola e o alho limpo do grelo, com folha de louro e toque ligeiro de pimenta preta moída na hora.

Adicionam-se os ingredientes reservados da ceia e vai-se mexendo, dando-lhe a frescura e intensidade de umas gotas muito ligeiras de vinagre Moura Alves, o tal com 10 graus de acidez estagiado em barricas de carvalho durante 10 anos . Também um toque de cominhos pode reforçar os aromas.

Emprata-se a Roupa velha, remoçando com ovo cozido em rodelas generosas e azeitonas pretas e um toque subtil de salsa cortada finamente.

É uma velha tradição portuguesa com arraiais fortes no Minho e pode ser cozinhado em versões ligeiramente diferentes.

Nas sobremesas as aletrias, os mexidos, os frutos secos, as rabanadas, os bolinhos de abóbora, o bolo rei e outros sustentos bem doces enxameiam as mesas.

Por cá fica o meu contributo...

 

Quer partilhar alguma informação connosco? Este é o seu espaço...
Deixe-nos aqui a sua mensagem e ela será publicada!

.: Valide os dados assinalados : mal formatados ou vazios.

Nome: *
E-mail: * Localidade: *
Comentário:
Enviar

Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório.

Copyright © Associação dos Antigos Alunos Redentoristas
Powered by Neweb Concept
Visitante nº