fale connosco


2012-02-19

Ismael Malhadas Vigário - Braga / Vale de Espinho

(Oferta aos meus amigos da aaar: ao Arsénio. Assis, Aventino, Alexandre, NÉ Vieira, e a todos os que nesta refrega de palavras têm prazer e escrevem à noite até doerem os olhos, as mãos das teclas, porque gostam de partilhar a amizade, as dúvidas, a dor, mesmo que seja a metafísica, que pode ser melhor bálsamo e dádiva da amizade.)

 

Recado

 

Aurora radiosa

Vem sentar-te ao meu lado

E segreda-me

uma palavra escondida.

 

Uma palavra diáfana

a escorrer dos teus lábios luminosos

vem, aurora radiosa

e segreda-me o teu amor glorioso

de dias azuis e transparentes.

 

Vê aqui,

neste ponto do meu lugar,

 o diálogo dos teus raios

 são de prata.

as palavras procuradas.

 

 

Desce,

doce e fresca manhã

e inebria-me na tua brisa.

 

Vem visitar-me

E afaga-me de luz

nos teus róseos dedos.

 

Nos campos de Marte

Jazem corpos em delírio

Saúdam a terra

E em estado decadente

Repetem o ritmo

De deuses ancestrais.

 

Deixa  os deuses do olimpo

E vem sentar-te

 Aqui.

Viemos de longe

E perdemos o rasto

Da melodia das palavras

À força de as pronunciarmos.

 

E o tempo urge  

É de viagem a pé

À soleira da porta.

 

Vem,

Senta-te aqui

E falemos da ponte

da água que

aqui nos trouxe.

 

Saúdo-te

Por nos termos encontrado

Nesta ponte de caminheiros

E façamos outra ponte

A do futuro de hoje

Deixemos o tempo em que fomos órfãos,

Somos as mãos que o delírio

Não consegue abraçar.

 

Quisemos estar sempre juntos

E perdemos o rasto do horizonte crepuscular.

Peguemos no bordão

 subamos a montanha

Nem que seja por uma breve ilusão.

 

O tempo ainda é de oiro

E pesa ainda

Sobre nossos ombros partidos.

E são esquálidos estes dias finais,

Ainda sabem a mosto e a maresia

E vale a pena

Ouvir o marulhar do mar

E em turbilhão e seja fraca a inspiração.

 

Ainda sabe bem sentir os odores da cozinha

E as palavras que embalam o coração.

Às vezes  trocamos palavras azedas

E a nossa procura fere na alma

E ouvem-se vozes e cantos

E choros e vigílias.

 

E tudo apenas

Por nos cruzarmos

No mar da comunicação.

 

Vem sentar-te

À minha mesa

Sempre desejei o teu convívio

 E das palavras surdas

que as procurei sempre dentro de mim.

Fala-me e diz-me

Das vozes que ainda

Estão dentro de ti

 

 E se ouve palavras de sangue

Palavras de ausência

De loucura.

Podes falar.

 

Senta-te aqui

 e ri e chora

E reconhece

Que tens direito

Ainda e sempre a poder SER.

Ismael Malhadas Vigário

 

 

 

2012-02-18

Nicolau - Oeiras (Soito)

 

Diz o povo que, "zangam-se as comadres, descobrem-se as verdades!" Mas, porra, se no nosso grupo não existem comadres e muito menos mentiras para se descobrirem as verdades, porquê as zangas, que nem sequer passam de amuos? Talvez haja mais verdades, que nós queiramos acreditar que são mentiras.
Falemos, pois, destas verdades. Sem medos das críticas, de coração aberto. Com transparência e coerência. Quanto à fé, cada um tem a que tem e a mais não é obrigado. Não há que dar justificações, seja a quem for.
Embora a destempo e para levar a água ao moinho, posso lembrar o meu primeiro Natal na guerra do Norte de Angola. Foram oito dias de inferno, passados na serra da Canda. Passou-se de tudo, naqueles dias. Fomos atacados pela formiga Kissonde, eram duas horas da noite. Estávamos a 2km do objectivo, onde se iria desenrolar o combate. De manhã, bem cedo, mal acordados e todos mordidos, partimos para o incerto, camuflados pelo cacimbo. É que o diabo daquela formiga, quando morde, deixa ficar a cabeça enterrada na carne. Mas adiante, porque isto não é um romance. 
Já embrenhados na selva, começámos a ouvir, ao longe, o primeiro roncar dos nossos aviões. Lá mais para a frente, do lugar onde caminhávamos, os pilotos abriram as torneiras e as bombas começaram a cair.
Era o começo. Depois, foi a vez da infantaria, (carne para canhão). Tiros, rajadas, morteiros, bazucas... Os gritos dos animais da selva refugiavam-se nos nossos medos. E nós outros? Apenas no choro, nos gritos, na dor. Depois, foi o silêncio... Cuidámos dos feridos, a pulsação voltou ao normal e as palavras ficaram caladas.
Finalmente, chegaram os heróis, que amedrontados, no meio da luta, correram em sentido contrário ao do objectivo. Mas como prenderam uma preta com uma criança, foram condecorados, mais tarde, com toda a pompa e circunstância. Numa guerra, os heróis são sempre os medrosos que deixam os camaradas à sua sorte.
Finalmente, o regresso à base. O nosso calvário iria continuar. E continuou, muito duramente. Só por mera informação, o planalto da serra é tão grande como Portugal. E claro está, perdemo-nos. Naquela imensidão, completamente desnorteados, limitávamo-nos a caminhar. A água dos cantis, esgotou-se. Ao segundo dia, já quase metade dos soldados iam às cavalitas dos camaradas, que foram buscar forças às suas últimas reservas. Os nossos lábios estavam gretados. As gargantas colavam-se. O desespero estava no limite. E foi na tarde do terceiro dia que encontrámos uma pequena poça de água, onde boiavam muitas fezes de animais. Mas, mesmo assim, não resistimos à tentação. Enchemos o bandulho. Saltos de alegria, abraços, e muitos sorrisos, sem molestar mais os nossos lábios. Era assim a guerra, numa guerra que não era nossa. Era Natal! E foi assim que a guerra me roubou os melhores anos da juventude. Quatro anos de tropa ao serviço dos Senhores da Guerra.
Portanto, pergunto eu agora: Porquê as guerrinhas ou quezílias de menor idade, entre nós? Ou então sejam claros e explanem as vossas ideias para que todos possamos entender. 
Depois do epísódio relatado e que eu vivi, deixei de ter tabus, conceitos e muito menos preconceitos. Apenas gosto de respeitar os outros da mesma maneira que gosto que me respeitem a mim. E a partir deste combate, também deixei de ligar ao tempo, trocando-o pelo espaço. É no espaço que tudo acontece e é ao espaço que ligamos toda a nossa vivência. Não me lembro das datas de acontecimentos havidos. Lembro, sim o espaço onde aconteceram.
Com certeza, que em Gaia também aconteceram combates que deixaram feridas. E lembro-me de no meu 1º. ano, por ter dado um pontapé num colega, o então Director reuniu toda a gente, no salão, para eu ser castigado. Ao fundo, em pé, o Director, que também detinha a pasta de Directo espiritual, e sentado numa cadeira, o ofendido, com um pé descalço,  E eu, sem saber de nada, ouvi chamar o meu nome, com o pedido para avançar. Avancei para o cadafalso e já, frente a frente, recebi ordens para me ajoelhar e beijar o pé do ofendido. Hoje, sei que esta cena foi vivida também por outros colegas.
E conto este episódio, porque, como disse, hoje, não tenho tabus de espécie alguma. Com certeza, que episódios como este marcam, sobremaneira, uma criança. 
E, quer queiramos ou não, todos os que passámos por Gaia, ficámos marcados com uma tatuagem que nem o melhor dermoabrasão consegue tirar.
E se em Gaia fomos tatuados, os que foram até Espanha, receberam a marca de um ferro, em brasa. E os que saíram da Instituição, já padres, são visíveis os grilhões e uma grande bola de ferro, em cada pé. Verdade? Mentira? Cada um poderá responder por si. É a lei da vida! Era assim...
Tenho constatado que muitos de nós ora damos uma no cravo, ora outra na ferradura. Penso que, quanto mais verdadeiros formos, mais a amizade sai reforçada entre nós. Porque, se nos pusermos na retranca, jamais poderemos oferecer aos outros uma sã camaradagem. Jamais poderemos ter sol na eira e chuva no nabal. E enquanto não começarmos pelo princípio da nossa estadia, haverá sempre mal entendidos. Andem, contem, falem, meditem, analisem e depois sim, vamos batê-las.
Jamais eu poderei ser um exemplo de seja o que for. Na verdade, eu só apareci passados quase 50 anos. E mesmo agora, a minha presença tem sido escassa. E nos encontros lembramo-nos, apenas, de quando meninos. Hoje, estamos todos mudados e, como tal, não nos conhecemos bem. Mas só o facto de termos passado pelas mesmas carteiras, quase de certeza absoluta que todos temos alguma coisa para contar. Eu estou pronto!  

 

2012-02-18

Arsénio Pires - Porto

É claro que já perceberam que confundi o nome do Ismael por Samuel. Cosas do adiantado da hora.

Ismael, peço desculpa pelo erro. Mas era em ti que pensava!

2012-02-18

manuel vieira - esposende

Gosto sempre da irreverência do Alexandre Pinto e das saudáveis diferenças, importantes para estimular algum debate, daquele que até pode tirar o descanso ao Martins Ribeiro.

O Arsénio lançou um desafio ao Ismael como prenda de aniversário convidando-o a participar na sua revista Palmeira. Para este número já não irá a tempo mas fica o repto para outras edições.

Esta "conversa" de amigos é condicionada por ser escrita e por vezes não se interliga como convém a qualquer diálogo, pois comentamos por vezes o que escreveu o " Zé" e quando colocamos online a mensagem já escreveu também o "Quim" e pode levar a interpretações desajustadas. 

Mas isso é o risco normal de um sítio que controla a admissibilidade das mensagens pois a sua colocação online não é imediata, para evitar situações abusivas de interlocutores estranhos ao grupo.

Mas como diz o nosso amigo Alexandre é importante "esta saudável guerra civil" pois o silêncio não deve ser nosso parceiro por largo tempo e mesmo a dita guerra, retirando o sono ao Ribeiro, também nos favorece pois estimula os escritos, as invectivas, até os "maus pensamentos" da década de sessenta.

2012-02-18

Alexandre Gonçalves - Palmela

Meu Caro J. Marques---------------------------------------------------------------------

Parabéns por este regresso auspicioso! Mal entraste na arena, desencadeou-se de imediato uma saudável guerra civil. E já  que se fala em J.Cristo, é bom lembrar que ele veio trazer a guerra e não a paz. Herdámos desse tempo uma teologia do vazio. A Trindade e outras construções dogmáticas de carácter barroco ocuparam-nos de tal modo a inteligência que só nos podia sobrar tempo para a dúvida. Os que ainda duvidam são uns privilegiados. Porque ainda preservam a humildade de interrogar, de querer resolver resíduos de inquietação que incomodamente perduram. E não é para menos. À distância, esse  tempo de crescimento e abertura à vida parece estar carregado dum terrorismo espiritual, que nenhuma pedagogia moderna poderia aprovar. Deus, feito à imagem e semelhança dos deuses gregos, era um pesadelo. Chamavam-lhe pai mas no gelo das instituições parecia um carrasco, um olho infinito que se infiltrava pelas múltiplas ranhuras do corpo a crescer. Até no banho espiava. De noite, sem o mínimo pudor, misturava-se com os sonhos hormonais, que a idade tão generosamente oferecia. Nas poucas férias concedidas, metia-se em todos os buracos onde uma pobre alma tentava esconder-se. Nas ribeiras do verão lá andava ele, entre os juncos e os amieiros. Quando se regressava, ele pedia contas. Aparecia logo uma auditoria. Ao terceiro dia de retiro, já todos tinham perdido a inocência. O inferno era o justo prémio dum olhar, dum desejo, dum toque subtil e apressado numa superfície bem mais pura que a alma do maior santo. Vinha então o confessor, uma espécie de bombeiro de serviço, a apagar a consciência incendiada. Que tens, meu filho? Fizeste coisas feias? Mexeste no teu corpo? São perguntas para sequestrar uma vida inteira. Para não falar de outras boas práticas, que só de se lembrarem causam arrepios. Na Idade Média já seriam uma barbaridade. Como adjectivá-las na década de sessenta?----------------------------------------------------Formaram-se assim bons cristãos? Será o Cristianismo a glória da humanidade? Terá a Religião Católica o monopólio da ética? Bom J. Marques, se tens dúvidas, preserva-as! Caro Ismael, o teu texto só merece a nossa admiração. Se ele é claro, que tenham paciência os leitores! A clareza não é a maior virtude de quem escreve. Se é rigoroso e demolidor, parabéns por teres semeado pelo menos alguma indisciplina! E bom amigo Arsénio, falta pouco para pormos a cereja em cima do bolo. Isto é, estamos quase a atingir a plena maturidade do site e da nossa reflexão colectiva. Temos é de passar da teologia da salvação, que corresponde exactamente à era pós-moderna do vazio, para uma ontologia da existência, na procura pessoal do sentido e da alteridade. E já todos percebemos que cultivamos com brio as nossas diferenças. Não temos só de as respeitar mas cumpre-nos também estimulá-las. E tu já deste o teu contributo para estas pedradas no charco. Cuidado, companheiros de viagem! A idade não é compatível com um pensamento de piedosas conciliações. Pensar é preciso. E subverter também!| Cá dentro e na cidade que está ao lado.   

  

Quer partilhar alguma informação connosco? Este é o seu espaço...
Deixe-nos aqui a sua mensagem e ela será publicada!

.: Valide os dados assinalados : mal formatados ou vazios.

Nome: *
E-mail: * Localidade: *
Comentário:
Enviar

Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório.

Copyright © Associação dos Antigos Alunos Redentoristas
Powered by Neweb Concept
Visitante nº