fale connosco


2012-03-08

A.Martins Ribeiro - Terras de Valdevez

 Sei que há dias para tudo, alguns até fora de toda a razoabilidade, mas, este de hoje, dedicado á mulher, não o podia deixar passar em claro e leva-me a dizer alguma coisa neste espaço. Tive o prazer de receber hoje na minha casa o colega Samorinha e esposa e fiquei emocionado quando, num café onde paramos, as nossas companheiras foram distinguidas por uma representação oficial lá presente nessa altura, com dois lindos e perfumados cravos de tons beges. Um mero gesto simbólico mas de grande significado. Lembrei-me então dum texto que escrevera nos meus fogosos tempos em que a mulher era para mim um portentoso poema que ainda hoje não perdeu a sua beleza. Tende paciência, pois aí vai ele!

 

*******

 

Há maravilhas que são classificadas como tal porque algo as eleva acima  da  vulgaridade  das  coisas e entre essas causas que nos ferem a atenção a principal é a beleza do que admiramos. E assim como umas nos prendem de espanto pela grandeza ou nos fazem estarrecer pela monstruosidade ou nos emocionam pela expressão ou nos encantam pela melodia, a beleza conduz-nos sempre ao cúmulo das paixões, que é o amor. Ver uma flor é ver o amor que Deus pôs na sua criação, contemplar um quadro magistral é considerar a simpatia e o amor do artista. E se víssemos um anjo? Há miríades de belezas na terra, mais que as estrelas do céu, sendo cada luzeiro daqueles, só por si, também uma maravilha, porém, a maior beldade que alguma vez existiu e que há-de perdurar até ao desfazer dos mundos, á vista da qual tudo é secundário e cujo brilho ofusca todas as restantes belezas, é a mulher.

Ela é a síntese do mundo. Não há coração mais completo e dentro dele moram todos os sentimentos imaginários; o amor, o ódio, a intriga, a crueldade, o ciúme, a vingança e a fortaleza. O amor que chega a ser sublime quando é de mãe, sentimento mais sagrado de todas as criaturas, tumultuoso, languescente e heróico quando é paixão. Se gosta de alguém torna-se louca até se consumir num delírio febricitante e se deixar perder, impotente, no sorvedoiro da sensualidade. Se a ofendem, ou não perdoará o insulto pondo em campo o seu terrível ódio até chegar a execrável vingança ou, olhando para a sua condição de mulher, é capaz de beijar quem a esbofeteou. Mas, ai de quem lhe cair nas garras! Seria pior do que ver-se atacado por todas as feras mais assanhadas do sertão.

A mulher! A mulher! Ente fraco, miserável e vil, que domina qualquer força com armas tão inauditas que nem exércitos poderosos lhe conseguem resistir. Condição tremenda, mas infelizmente verdadeira!

É cruel como um carrasco amando só quem lhe apetece, por galantaria, por capricho ou por interesse, que ela é incapaz de ter amor verdadeiro. É vaidosa e então julga-se mais que uma rainha e superior a todas as criaturas, desprezando-as com mordaz arrogância, pisando-as e ferindo-as mais dolorosamente do que a chaga de um punhal. É compassível com os infelizes e parece ter um coração mais lato que o mar infindo. É mais doce que o mel, mais meiga que as rolas, mais simples que as pombas, mais sedutora que as serpentes, mais enganadora que a ilusão, mais perversa que o mal, mais vaidosa que o diabo, mais tentadora que o vício, mais bela que os anjos, mais sublime que os monumentos famosos, mais escultural que a arte, mais imponente que os cataclismos, mais insatisfeita que um judeu, mais forte que mil exércitos e mais cara que todos os incomensuráveis tesouros. A mulher tanto é capaz de descer até ao fundo dos abismos da podridão, como de subir até aos píncaros da virtude. Depende dos princípios da sua génese. Ponto final no coração do Homem, miragem muitas vezes do seu desejo. Ela nasceu para o tornar feliz com seus carinhos e meiguices, para o consolar nas suas tremendas desgraças, para o alegrar nas tristezas do cativeiro da existência, para compartilhar com ele todas as agruras e também todos os encantos desta vida, para ser, enfim, aquela eterna companheira até à morte.  

E então tu, bela Diva, que foste criada para salvar o Mundo, porque foges tantas vezes dessa tua sublime missão e o conduzes, pelo contrário, ao mais profundo abismo?

Ah! Mas assim como é um deserto, árido e seco, igualmente seria esta vida sem o oásis delicioso dos carinhos e mesmo das tentações da Mulher. Por via disso tudo gira à volta dela, tudo se move com ela, tudo vive para ela e por sua causa!

E eu, mesquinho homem, ao encarar-te, formidável Divindade, fico absorto ao contemplar-te, esfrangalho-me todo como um desesperado que imagina a salvação e não a enxerga nem topa. Cantaria as  tuas  glórias  se pudesse assim como, mais gostosamente ainda, fustigaria os teus defeitos. Se te possuir direi somente: “-sou feliz!”; porém, lembrando-me da tua inconstância hei-de suspirar: “-até quando?”  Oh! Mas mesmo assim amo-te, adoro-te, anseio por ti como por um anelo cobiçado eternamente e não me tenho em mim que não exclame no auge do meu estupor:

— Não és tu, Mulher, a maior beleza desta maravilhosa Criação?

 

 

Dezembro de 1956

 

2012-03-08

Peinado Torres - Porto

Boa tarde companheiros Anda nesta página um marasmo do "caraças " o nosso Presidente Manel Vieira, celebrou os seus 56 anos de idade no passado dia 2, e o pessoal da AAAR andou distraído. Soube por acaso no almoço " regional " no restaurante Presuntaria Transmontana, mesmo na marginal de Gaia. Estava um dia primaveril, e como era para comer cheguei cedo, por acaso fui o lº, sentei-me num dos bancos a admirar uma paisagem que eu conheço muito bem, que me estimula, pois o Rio Douro, os barcos rabelos e toda a panorâmica da BELA E FORMOSA CIDADE DO PORTO ( CAPITAL DO MUNDO )dá-me a alegria de estar vivo. Bom estava absorvido com a paisagem e eis que vejo um dos fotógrafos de serviço de nome FREI ASSIS. Ainda não vi as fotos, mas de certeza que fiquei bonito. Entretanto chegou o Aventino, lá foi um abraço e seguidamente chegou o Castro, acompanhado do 2º fotógrafo de serviço, o reporter famoso, nosso decano, que mesmo constipado não falta às suas obrigações . O MATUSALEM também conhecido por MARQUÊS DOS ARCOS DE VALDEVEZ Senhor de MARTINS RIBEIRO. Faltou por obrigações profissionais o nosso Presidente que estava num congresso, e faltou o Diamantino ex-recluso que anda a " monte ", não atende o telefone. AMIGOS E COMPANHEIROS, foi como sempre um pedaço de dia bem passado, não divulgo por dever sigiloso a ementa, mas recomendo o local. O convívio que se segue é na Gafanha da Nazaré, vamos dar cabo de uma " CALDEIRADA DE ENGUIAS ", leram bem caldeirada de enguias. Quem quiser pode-de inscrever até ao próximi dia 16 Um abraço VOLTAREI
2012-02-29

Assis - Folgosa - Maia

Olá, Cabral!

É com alegria que te recordo. Devo ter sido um dos últimos a ver-te antes de teres deixado a Barrosa.

Recordas que fomos de férias em 1959, tu, o Amaral e mais esta pessoa que dizes recordares? Fomos, via Vouga em direcção a Viseu, naquela pequena automotora que balouçava como se estivéssemos em pleno mar-alto... Numa tasca, em viseu, comemos um "prego" e bebemos uma SCHUEPS... - que bem nos soube! - e pouco depois tu seguias o caminho de Mangualde e nós, Amaral e Assis, em direcção ao norte: Granja de Penedono e Cedovim. Tu já não regressarias e o Amaral deixava a Barrosa pouco tempo depois do Regresso. E eu, apesar de ter sido castigado por haverem julgado que tinha conhecimento da compra de alguns livros não permitidos, feita pelo Amaral, o que não era verdade, ainda passei mais uns anos dentro. - Já lá vão realmente quase 53 anos, mais que uma vida...

Aparece, amigo Cabral, e traz mais alguém que conheças, por exemplo o António Martins, teu conterrâneo, creio.. Os tempos são outros e verás que vale a pena; como diz o Peinado 'já rezámos muito' naquele tempo...Vem até ao Algarve com a gente...

Aquele abraço

Assis

 

2012-02-29

Antonio Torres - Porto

Boa tarde companheiros Não pensava voltar a estas lides tão ràpidamente, mas não consegui refrear a satisfação , que tive hoje ao ler a mensagem do meu condiscípulo Francisco Cabral, que não falamos, já lá vão 53 anos, é muito tempo.Nestes anos que passei fora da quinta da Barrosa,muita água passou debaixo das pontes, que foi desaguar ao mar, e assim será pelo tempo fora, Já o disse mais que uma vez , que apesar de ter tido fortes desilusões de ordem espiritual, tive e tenho a alegria de passados estes anos todos, ter relações muito estáveis e profundas com muitos ex-companheiros e porque não EX-RECLUSOS da quinta da BARROSA. Fiquei contante por te teres apresentado no nosso site, espero que não seja a última vez, e espero que enchas os pulmões, ou melhor que te inscrevas e vás com esta " tropa fandanga " até MESSINES, vais ver que vais gostar e poderás cumprimentar ou abraçar os teus companheiros de outrora e outros que por lá andaram noutras épocas diferentes da nossa , tudo gente boa , ou não sejam AAAR. Cabral apresenta-te, podes crer que somos um "BANDO DE EX-RECLUSOS", muito " porreiros " rezamos pouco ou nada, porque já rezamos quando lá estivemos. Por tudo isto aparece Amigos e companheiros para todos um grande abraço. ATÉ MESSINES termino VOLTAREI
2012-02-28

Francisco Cabral de Sousa - ESTORIL

Ó Peinado, continuas em grande, e com humor. Tantos anos já passaram que, da Barrosa, só recordo o jogo da pelota, do futebol e da longa avenida sob latadas (as uvas eram boas) e do levantar cedo, claro. O teu nome e figura não esqueci. Recordo o Assis, o Pedrosa, O Manuel Vieira, o Ismael, o Lage, o David e.... Vivi todos estes anos em Lisboa, interompidos pela tropa (dois anos na Guiné) e, porque não sabia fazer mais nada, ingressei na Banca e lá permaneci 36 anos. Talvez venhamos a encontrar-nos. Um grande abraço para todos o ex-reclusos da Barrosa.

Quer partilhar alguma informação connosco? Este é o seu espaço...
Deixe-nos aqui a sua mensagem e ela será publicada!

.: Valide os dados assinalados : mal formatados ou vazios.

Nome: *
E-mail: * Localidade: *
Comentário:
Enviar

Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório.

Copyright © Associação dos Antigos Alunos Redentoristas
Powered by Neweb Concept
Visitante nº