fale connosco


2012-12-04

Assis - Folgosa - Maia

Amigos meus,

Saúde para todos, mas sobretudo para quantos se encontram em estado de recuperação.

"Na tua casa ainda somos felizes" disse o Aventino. As coisas acontecem muito naturalmente mas a passos lentos. Doutra forma, a queda era certa e a divisão entre os AAARs mais que evidente. - Como disse em Cabanas e conforme o princípio filosófico anuncia "não se ama o que se desconhece", a presença entre nós do Pe. Mário de Oliveira, no passado dia 24 de Novembro, foi um acontecimento que considero normal. Já não era a primeira vez que ali tinha estado, com muito agrado de ambos, dele e meu. Desta vez, houve a novidade de vários colegas terem a oportunidade de o poderem ver, cumprimentar pessoalmente e com ele conviver e até de poderem ter uma ideia clara da sua personalidade. - Houve uma verdadeira empatia entre ele e todos os presentes. Como desejo comum, ficou o de nos voltarmos a encontrar mais tarde e, se possível, com muitos outros AAARs, desejo sublinhado por alguns ssociados que não puderam estar em Cabanas no dia 24. - O Pe. Mário deixou para cada um dos presentes o seu 'O Livro dos Salmos /versão TERCEIRO MILÉNIO, também para ateus', todos eles com dedicatória e assinatura pessoal. Agradeço me remetam a direcção pessoal por Email a fim de eu os poder enviar por correio o mais rapidamente  possível. É um livro que todos gostarão de ler e meditar, assim espero. Ele é como que a Refeição da Palavra que, por falta de tempo ou talvez por mesa a mais, dada a generosidade de todos os presentes, faltou no encontro do dia 24 de Novembro. Espero que, em próximos encontros, a Refeição da Palavra seja mais farta, mesmo que tenhamos de cortar ao tempo e à quantidade de bens comestíveis, não à sua qualidade.

Como na minha, na casa de todos os AAARs continuaremos as ser felizes, amigo Aventino. Não tenho dúvidas.E não precisamos de ordenar "silêncio..."

O meu abraço fraterno

2012-12-03

manuel vieira - esposende

"Na casa do Assis é que se é feliz" como dizia o Aventino, mas não só.

O Davide já regressou a casa com as vistas afinadinhas e tem que lhes dar algum descanso. Como convém!

Em breve teremos disponível na casa de cada um a nossa revista Palmeira, o mensageiro privilegiado que bate a todas as portas.

Em leitura branda tenho sobre a mesa "O Livro dos Salmos" do Padre Mário de Oliveira, que merece uma abordagem de espírito aberto.

2012-12-02

manuel vieira - esposende

Foi suave a mensagem do Viterbo. Notícias boas de que tudo correu bem e agora será o tempo também a contribuir para uma boa recuperação. Foi bom "escutar" em palavras próprias essa boa notícia.

Também o Davide vai fazer uma pequena intervenção oftalmológica  já a partir de amanhã e junta-se à lista de colegas com tratamentos mais cuidados e para ele vai um abraço amigo.

 

2012-12-02

AVENTINO - PORTO

E AQUELES QUE FICARAM

Na casa do ASSIS é que se é feliz.

( e o meu pai a dizer silêncio, silêncio, que as paredes têm ouvidos. E o meu pai a dizer guerra civil de Espanha, cinco anos, combatente, republicano, clandestino, depois a Legião Francesa, a fronteira, França, de novo a clandestinidade, a Gendarmarie a expulsá-lo, repatriado, Portugal, Salazar e a miséria)

Na casa do ASSIS é que se é feliz.

(Soalhães. Marco de Canaveses. E o meu pai a contar-me, criança de oito ou nove anos de idade que eu era. Silêncio. À lareira da minha casa velha velha, de um país velho, de um ditador velho. Na Freguesia ao lado havia um padre. O padre era convidado para almoçar aos domingos em casa da senhora, casa senhorial, proprietária, rica, criados e criadas, caseiros, regime, Salazar. O padre foi, o primeiro domingo, à mesa com a senhora, mesa longa, farta, os dois, as criadas a servirem).

Em casa do ASSIS é que se é feliz.

( e o padre a dizer: se os criados não vierem comer para esta mesa ao nosso lado eu não como nada e não volto cá. O meu pai a contar-me e esta criança encantada, o meu pai encantado, o sonho, a liberdade, a igualdade, um mundo novo imaginado que nunca, nunca, vim a conhecer).

Em casa do ASSIS é que se é feliz.

(o padre era o padre MÁRIO DE OLIVEIRA, vim a saber muitos anos mais tarde, infância passada, seminário passado, Coimbra e o cheiro a liberdade).

E assim se foram os sonhos com que o meu pai, ateu, republicano, anti-clerical e sonhador me foi encantando, num misto de sonho e de mentira, num  misto do imaginado e do possível. Depois, houve uns tipos que se disseram padres e me expulsaram do seminário. Uma carta a 17 de Agosto de 1970 dava a notícia. Bela ou monstruosa ainda não sei. O que sei é que o futuro é este dia de hoje. Ausente do terno afecto que me tiraram; presente da rectidão, da honra, da lealdade, do carácter com que o seminário me fez cidadão, português, Aventino.

(Corria o meu terceiro ano do curso de direito da Faculdade de Direito da Academia de Coimbra. Os jornais diziam, os jornais falavam Padre Mário de Oliveira, julgamento no Porto, Tribunal Plenário. E lá vim eu, manhã cedo, cinquenta escudos de combóio, esperança a rodos, (e as palavras de meu pai a ecoarem, os olhos de meu pai, os sonhos de meu pai pela liberdade).

Ao tempo, o regime estabelecia que os estudantes de direito, entre outros, naturalmente, tinham preferência nas salas de audiência dos tribunais portugueses. E este sonhador lá rumou adentro pelas portas de ferro do Tribunal de S. João Novo, polícias á porta, polícias pelos corredores, polícias na sala. Estudante da Faculdade de Direito. Coimbra, disse-lhes. Cartão na mão. Pose empertigada. Seguro que "aqui ao leme sou mais do que eu". E o polícia: a sala está completa; não pode entrar. E barrou-me o caminho. Completa de Pides? perguntei-lhe eu. Completa, respondeu-me esse miserável cidadão).

Bem haja Padre Mário de Oliveira. Bem hajas, meu querido ASSIS. 

Na tua casa ainda somos felizes. 

 

2012-12-02

Fernando Viterbo Abrunhosa Sousa - SETÚBAL

 

Como o colega David Vaz noticiou neste espaço, fiz uma plastia da válvula mitral, no Hospital da Luz, no passado dia 26. Ontem, antes de decorrida uma semana, já me encontrava em casa. A intervenção foi complexa mas, ao que me disseram e os exames já feitos parecem demonstrar, muito bem sucedida.

Também nestes momentos se aprende e eu tirei deste dois ensinamentos: Um, que os receios são quase sempre desproporcionados. Não tive dores ou grande sofrimento e fui tratado por uma equipa médica, de enfermagem e auxiliares verdadeiramente fantástica. O outro, foi conhecer o verdadeiro significado da amizade. Definições conhecia inúmeras e de gente sábia. Para conhecer o seu valor e quanto ela nos é importante, tive que passar por este momento.

A vossa foi-me particularmente grata.  Bem hajam!

Quer partilhar alguma informação connosco? Este é o seu espaço...
Deixe-nos aqui a sua mensagem e ela será publicada!

.: Valide os dados assinalados : mal formatados ou vazios.

Nome: *
E-mail: * Localidade: *
Comentário:
Enviar

Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório.

Copyright © Associação dos Antigos Alunos Redentoristas
Powered by Neweb Concept
Visitante nº