fale connosco


2012-11-02

Assis - Folgosa - Maia

"O demais, será a eternidade" (Aventino)


Talvez não seja bem assim como falei ao reviver as palavras dum padre amigo que se encontrava já com um pé em marcha para a chamada 'outra vida'.  A Verdade quem, entre os humanos a terá? Creio que ninguém, ao menos de forma total.

Hoje, como também ontem e todos os "ontens", todos eles são dias santos..., levantei-me aos sons benfazejos da natureza. Abri a janela para saudar as plantas, 'só elas morerrão' mas voltarão da terra a surgir sempre belas. Cumprimentei com um assobio o Pisco que há muito cantava no alto da magnólia. Cumpridas as cerimónias habituais dum 'cristão' mais ou menos limpo, preparei e saboreei o pequeno almoço, para mim sempre grande, como nenhuma outra refeição.

Um disco na 'grafonola' e uma 'missa-eucaristia' em canto luso-brasileiro. Dele, depois de haver aberto o nosso lugar da palmeira e saboreado a tua poética mensagem de romagem (terminação de viagem) ao cemitério, vou arrancar, como quem arranca uma jovem planta para noutro jardim ela florir, vou arrancar um canto que quero ouças desde o local onde te encontras - não já o cemitério - e me digas se  o 'demais' É - não "será" - Eternidade...

Não fui ao cemitério, nem é meu gosto oferecer flores a ninguém, menos lançá-las à terra. À terra, apenas quando mortas para denovo renascerem com novas cores e fresca beleza.

Adoro oferecer plantas e sementes, isso sim, adoro. Todos os dias são santos - para o próximo ano também o dia 1 de Novembro o será - dignos de oferecer Plantas Vivas aos SANTOS que já nos deixaram, muitos eles são.

Dizia então o saudoso padre Caetano, referindo-se ao cemitério em cujo campo a terra de seu corpo iria, poucos dias depois, juntar-se à de quantos o haviam feito antes: "Nada mais...só terra ali existe, nada mais... a 'eternidade', "o demais" fica com as pessoas amigas e comigo". Foram mais ou menos estas as palvras - não literais - do santo padre Caetano.

Escuta então este canto arrancado na 'festa dos pequenos' à vida de quem trabalha pela Vida:"Pão em todas as mesas/no nosso altar.."

 

2012-11-01

AVENTINO - PORTO

E lá fui eu, o dia a amanhecer,

eu na florista, um ramo por favor. Quero gladíolos, ramos de palmeira, rosas vermelhas, sim, sim, essas. Ah! e gerberas!

(O telefonema do ASSIS,  e eu a dizer-lhe, vou ao cemitério, o meu pai e a minha mãe esperam-me, florista, flores, os braços do meu pai, os beijos da minha mãe, e o ASSIS, oh moço, somos todos terra, cova funda, imaterialidade e nada mais)

está bem assim? a florista a perguntar e eu a dizer não está nada bem assim, o que eu queria era que não houvesse ramos, nem flores nem cemitério, nem dia um de Novembro, nem a terra de que me fala o ASSIS.

Então, Moço, estás em Moledo? eu e o Barros estamos aqui em frente ao mar, o dia está belo e lembramo-nos de ti, continuou o ASSIS,

(e a minha mãe a escrever-me postais para Coimbra e cartas e telegramas e o meu pai a escrever e a minha mãe a chorar e eu a chorar, meu querido filho, muito estimo que ao receberes esta nossa carta te vá encontrar de perfeita e feliz saúde que nós por cá ficamos todos bem) e o ASSIS a falar-me que somos pó e em pó nos haveremos de tornar).

E nesse silêncio feliz os tive a todos. O terno peito do meu pai, o calor dos beijos da minha mãe, o maravilhoso telefonema do ASSIS.

Morrerão apenas os gladíolos, as rosas e as gerberas. O demais, será a eternidade.

 

2012-10-28

A. Martins Ribeiro - Terras de Valdevez

Companheiro Ismael Vigário: vou voltar aqui para um simples agradecimento das tuas belas palavras sobre o meu despretensioso texto; deves saber que tudo isso não são mais que devaneios duma mocidade que já passou e não volta mais na qual, necessariamente, quase todos os jovens eram românticos. Outros tempos! Hoje não é bem assim. Verifico também - o que muito me alegra - o teu romantismo e a bela lição que apresentas sobre o mesmo. Posso dizer que és dos meus! E não podia estar mais de acordo contigo. Mal de nós se, nestas insuportáveis desgraças da vida, não pudéssemos encontrar um cantinho na alma para nos refugiarmos, por isso, sabe bem ir desenterrar todas as recordações que nos fizeram felizes. E o romantismo faz-nos sonhar e ele próprio é sonho. Sou assim e não me arrependo. Falaste aí no Camilo, no Herculano, em tantos outros mas a mim o que mais me enche as medidas é, na verdade, o Herculano: prosador inimitável, cultor perfeito da nossa “última flor do Lácio”, deu á estampa esse espantoso livro - EURICO, o presbítero - que eu desbotei de tanto o ter lido e profanei com densas anotações. Quem pode ficar indiferente a Hermengarda? Como se pode deduzir, todos nós temos ou tivemos algum dia, uma mulher que nos ficou na memória; o nome não interessa. Ah! Ismael, mas este teu tópico é um poema do mais belo que se pode escrever e que dá grande prestígio a este nosso sítio dos AARs. Do meu coração, obrigado e vai-nos deliciando com mais. Abraço!

2012-10-27

ismael Malhadas Vigário - Braga (Vale de Espinho- Sabugal)

 

Gostei muito do teu texto de “reminiscências de Helena”, amigo Ribeiro. Eu segui-la-ia pelas Pampas!... Se descobrisse, como tu, que era o teu verdadeiro amor!...

 Romantismo de ontem!?.Romantismo sempre. Esta escola não se situa só no século XIX. Podemos concluir que amadureceu e se instituiu como cânone nesse tempo. Porque as sementes eram antigas e têm acompanhado o homem criador de expressões desde “sempre”. Uma das características desta escola é o primado da sensibilidade sobre a razão, a insatisfação permanente do herói (disposto a suicidar-se se não obtiver o objecto do desejo – “Os sofrimentos do jovem Werther” (1774) de Goethe. O nosso Camilo – “Amor de Perdição” (1862), em que todo o amor é sempre amor de perdição, o próprio Camilo foi a expressão consumada de um amor de perdição.

       Este amor que tantos portugueses votamos à nossa Pátria ainda é uma expressão romântica, teremos que nos reinventar num romantismo verdadeiro como alguns portugueses que nos precederam e propiciaram o nosso imaginário.

       A atual situação do país é uma lídima expressão anti-romântica. Todos os nossos tecnocratas são anti-românticos. Quebraram todos os sonhos de um povo? Daqueles que neles acreditam.

Os românticos seguem o seu vate, “Pescador da Barca Bela”, “Este Inferno de amar”, Ah! Hermengarda de Eurico, Ah! Bobo que me ensinaste a rir com o teu riso de histrião lúcido de alma...

Este povo ainda há de voltar a ser romântico.

Precisa apenas de se olhar a si próprio

Olhar para dentro

Acreditar

 fé no inefável

sentir a paisagem deste espaço

querer o longe e a miragem

e dizer que aqui ao leme

vai um povo

Que quer um novo mar

Dos novos adamastores.

Ismael Malhadas Vigário

 

2012-10-27

manuel vieira - esposende

Temos castanhas em Palmela em vésperas do S.Martinho e o tradicional magusto é sempre momento de grandioso convívio.

Ontem lambusaram-se  perdizes por lá e como refere o Alexandre, a mestria do Davide consola  quem se assente naquelas mesas corridas e parece que todos cumpriram bem as tarefas domésticas.

O Peinado insiste na história dos Encontross bienais em Gaia e eu já dei a explicação que resultou da deliberação aceite na última assembleia geral em Gaia que não teve a sua presença conforme ele nos tinha previamente informado.

É como os amores do Ribeiro, que correm em lânguida e saudosa corrente como se a Elisa ou a ditosa Helena surgissem em sonhos de esperança vã. Um belo trecho que acelerava a concupiscência dos sentidos...já longe dos muros da Barrosa.

Na rubrica "Pontos de vista" o nosso colega Gaudência comentou o último texto do Luís Guerreiro e sensibilizo para a sua leitura, sabendo que as atenções estão normalmente mais atentas ao que se escreve o no " fale connosco".

Quer partilhar alguma informação connosco? Este é o seu espaço...
Deixe-nos aqui a sua mensagem e ela será publicada!

.: Valide os dados assinalados : mal formatados ou vazios.

Nome: *
E-mail: * Localidade: *
Comentário:
Enviar

Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório.

Copyright © Associação dos Antigos Alunos Redentoristas
Powered by Neweb Concept
Visitante nº