fale connosco


2013-04-12

Ismael Malhadas Vigário - Braga

Mesmo que seja uma não-primavera, ela continua a existir na nossa memória dos dias que passam à nossa frente.  Às vezes, há dias que têm as quatro estações e pode ser primavera mesmo no inverno e inverno na primavera. Um qualquer tempo é tempo de cantar, versejar, trocar as tintas, vestir roupa de verão e olhar a chuva pela janela, porque todo o tempo é tempo de renascer

Amares, largo das freguesias, 6 de janeiro de 2013

A tarde é um bico de pássaro a entrar no largo

e a dizer até amanhã.

Nas cumeadas dos montes levantam-se nuvens de lebres

que lembram dias de outros dias.

E a luz é artificial e contrasta com a luz

daquela criança que está ali a brincar no jardim.

E a luz destes dias cai tão rápida

e faz inverno de idade a olhar para ontem.

 

E a mulher estende a mão à criança,

candura a alongar o tempo que depois chegará

ao cidadão em breve brotará e multiplicado.

O cão vai à frente da trela e o homem caminha a trás.

Olha para o lado e o animal conduz o dono

a farejar para um qualquer lado.

 

Uns namorados sentam-se à mesa da janela.

Ela olha para o game boy e ele olha para o g. b.

 ambos estão longe de dentro do seu olhar.

 

Desço ao balcão e toco o pé no jardim

e a luz faz um breve rasgo de passar.

Toca o sino e marca a hora

e aqui a pensar no não tempo de mim.

e a demora do tempo não me diz até quando

virá a breve transição de todos os dias

que se fazem ainda sentir em mim.

Agora é que é bom estar aqui

a viver na folha do papel.

                                                     Ismael Malhadas Vigário

 

2013-04-11

ANTONIO GAUDÊNCIO - LISBOA

........e se as andorinhas viessem para anunciar a primavera !!!!!!!!

Tropeçando nas muitas recordações que  tenho acumulado ao longo da vida, parece-me quase uma certeza esta mania de velhos de que, na nossa infância, havia mesmo quatro estações : primavera, verão, outono e inverno. Bem diferenciadas e cada estação no seu tempo próprio.

Lembro-me de que a primavera, para além desse prodígio que é a explosão da natureza traduzida em flores, em verde e na cobertura com nova folhagem das árvores que, durante meses pareciam dormidas, a primavera, repito, trazia-nos as andorinhas. Este ano, com um inverno cavernoso e uma primavera chuvosa e fria, as andorinhas ainda não surgiram a riscar os céus na sua incansável procura de liberdade. E já sinto a falta delas!!!!!!

Gosto das andorinhas. Gosto de as ver voar. Gosto de as observar, ao fim da tarde, pousadas num qualquer fio , muito alinhadinhas, quietas, a descansar mas chilreando, contando, eventualmente, umas às outras as peripécias do dia. 

Mais a sul, aquele sul que eu calcorreei milhentas vezes por dever profissional,  e refiro-me essencialmente ao Alentejo ( Moura, Serpa, Vidigueira, Estremoz etc, etc..) era para mim um prazer vê-las, nos ardentes dias de verão, um pouco antes do  pôr do sol, aproveitando aquela sedosa luz crepuscular  para dar as suas últimas voltas num frenesim de curvas, tangentes e chilreios. 

Este ano ainda não vi uma andorinha. Se as virem, por aí, digam-lhe que as estou esperando para me convencer que a primavera já começou.  

2013-04-05

manuel vieira - esposende

O Assis pisou a areia e todo o mundo se silenciou. Um silenciozinho, fica bem o diminuitivo, que entorpece aquele entusiasmo onde assentam as dinâmicas que fazem saltar os grupos.

Na segunda feira de Páscoa tive a oportunidade de dar um abraço ao Lamas e à sua esposa que me presenteou com um bom folar  de tradição transmontana e da sua confecção e que me consolou as memórias do sabor.

O Lamas esteve pouco tempo em Gaia mas o suficiente para lhe garantir muitas memórias que me surpreenderam. Já agora quem passar em Braga, aproveite para almoçar no restaurante S.Frutuoso à saída pela estação em direcção a Prado. Muito conhecido pela qualidade do cardápio, pela tradição das comidas, no S.Frutuoso encontra lá sempre este simpático casal.

2013-04-03

Assis - Folgosa - Maia

Acabo de pisar a areia do mar.

Segui o conselho do Aventino. Vim ver as ondas, cheirar seu sal, espreitar a noite, esperar pelo amanhecer enquanto a chuva miudinha molha meus pensamentos, na tentativa de lavá-los. Está fresco e a música da guitarra clássica do you toob acompanha-em surdina. Não me atrevo a cantar. Leio, entre as estrelas e as núvens que passam, a notícia de mais um amigo que nos dexa, o João. Aquele garoto que grande parte de nós conheceu e com ele conviveu na Barrosa, acabou de soltar-se da Cruz e voou, passou pela praia esta noitinha. Foi dia de Ressurreição. A mágoa de nos ter deixado sem nos dizer adeus fica, mas mais a de não lhe termos podido dizer que lhe queríamos mais. Até um qualquer dia destes, Amigo João.

Aos seus familiares mais chegados, o nosso sentimento de Amizade.

2013-04-02

manuel vieira - esposende

Faleceu ontem em Lisboa o nosso colega João Manuel da Cruz, mais tarde com o nome de João Manuel da Cruz Malheiro Ferraz e que era natural da aldeia de marzagão no concelho de Carrazeda de Ansiães.

Nos últimos anos esteve presente num Encontro em Gaia e a sua doença manifestou-se há pouco mais de um ano.

Foi o Davide que teve conhecimento da situação e teve o cuidado de informar-me para que desse conhecimento aos colegas e já o fiz em "Notícias". Sei que informou também alguns colegas que residem na zona de Lisboa e apenas não soube a hora do funeral.

Quer partilhar alguma informação connosco? Este é o seu espaço...
Deixe-nos aqui a sua mensagem e ela será publicada!

.: Valide os dados assinalados : mal formatados ou vazios.

Nome: *
E-mail: * Localidade: *
Comentário:
Enviar

Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório.

Copyright © Associação dos Antigos Alunos Redentoristas
Powered by Neweb Concept
Visitante nº