fale connosco


2013-04-30

DAVIDE VAZ - Soito e Almada

Almada, 30 de Abril de 2013 Meus caros companheiros ex-reclusos como diz o nosso amigo Peinado. PAZ E AMOR PARA TODOS. Vou falar um pçouco ad arma do pvov - O VOTO. Em 1970, há 43 anos. tinha eu 28 anos, ía pela primeira vez a França e a caminho de Paris. Acabara de tomar o comboio em TOUR DE CHAROLE, junto a Andorra. Eram umas umas seis da manhã. A meu lado sentou-se um jovem, percebi depois, estudante de direito na Universidade de Toulose. Entabulámos conversa. A determinada altura eu lamentava-me da situação política em Portugal, (já era a altura do Marcelo Caetano), dizendo-lhe que não tínhamos eleições, havia censura, tínhamos a PIDE, etc., etc.. Ele olhou muito fixamente para mim e disse-me: - OLHe MEU AMIGO, CADA POVO TEM O GOVERNO QUE MERECE! Olhei para ele e dei-lhe razão. Assim estamos nós agora. O cavaco foi primeiro ministro durante muitos anos. Recebeu comboios de euros. Que fez? Acabou com a pesca, acabou com a agricultura.. Agora manda a malta pescar e trabalhar a terra... É preciso descaramento! Os amigos dele foram os homens do BPN, não se esqueçam. Assim, o Oliveira Costa foi Secretário de Estado dum dos seus governos, assim como o Duarte Lima, no seu tempo, que era o chefe da ala do PSD no parlamento, o Avelino arvalho era o Ministro da aúde, o Diuas Loureiro o Ministro da Administração Interna, o Daniel Sanches o das SEF, etc., etc., Aliás, o Dias Loureiro até era Conselheiro de Estado escolhido por ele - Cavaco. Os fulanos que acabei de mencionar foram os homens do BPN Ele próprio, Cavao, fartou-se de ganhar dinheiro com o BPN!!! O BPN deu um prejuízo ao país superior a 7 (sete) mil milhões de EUROS! Muito mais do que os 4(quatro) mil milhões que agora o Passos coelho(da cartola) quer tirar aos rewformados, doenres e desempregados. No entanto, as pessoas votaram maioritariamente duas vezes nele. O Isaltiono foi agora preso, espero que definitivamente. Já tinha sido condenado, concorreu à Câsmara de Oeiras, e venceu... O mesmo se diga do Valentim Loureiro e outros quejandos. As pessoas não sabem uzar a sua arma - O VOTO. Por isso eu cada vez mais penso na resposta que o jovem francês me deu há quarenta e três anos:- CADA PAÍS TEM O GOVERNO QUE MERECE. Muito mais poderia dizer quanto a isto, mas hoje fico por aqui. MEDITEM! Um abraço para todos do DAVIDE VAZ
2013-04-29

Arsénio Pires - Porto

O voto é a arma do povo! – lembrou-nos o Gaudêncio recordando os muros do PREC.

Eu  digo:

O voto é uma arma sem gatilho!

Eles, os donos do nosso voto, têm o gatilho e a bala. Nós damos-lhes a arma. E aplaudimos!

E eles usam-na quase sempre contra quem neles votou ou não votou.

Conclusão:

Com arma ou sem arma serás sempre “uma coisa que paga impostos”!

Por outras palavras, serás sempre #%”$&%.

Faz-lhes um manguito à Bordalo Pinheiro!

2013-04-29

ANTÓNIO GAUDÊNCIO - LISBOA

Pegando no tema do nosso amigo Lamas, também eu me confesso zangado, irritado, ludibriado, funguiçado e com uma grande vontade de pegar num varapau ou numa escopeta e começar a espadeirar em tudo o que me tem, nos últimos tempos, desmoralizado e atormentado a vida.

Mas não concordo com essa treta do VOTO. No tempo do PREC algumas paredes do País estavam pejadas de frases, umas giras e outras profundas, cuja origem se atribuía aos anarcas. Ora, de entre essas frases, fixei uma que relembro agora porque me parece vir a propósito:

Alguém escreveu numa parede :  O VOTO É A ARMA DO POVO 

Resposta do anarca : SE VOTAS FICAS SEM ARMA, POR ISSO NÃO VOTES

2013-04-28

JOSÉ MANUEL LAMAS - NAVARRA - BRAGA

Motivado pelo Alexandre e o Ismael, digo : eu tambem não sou Deus mas, estou zangado. Zangado, não com a Associação, mas com o que ao País diz respeito . por isso tambem me sinto infeliz, mas não sinto as dores deste povo e pela simples razão, que a este povo nada deve doer. Tem este povo nas mãos, uma poderosa arma (VOTO) e é por não ser devidamente utilizada essa arma, que os coelhos ainda pastam neste quintal.                                                                                                                                                                                                                                                                                     Esperemos que algo mude e depressa , a continuar assim isto não vai acabar bem.

2013-04-27

Assis - Folgosa - Maia

Um paraíso a dois passos do inferno

Ontem, dia da Liberdade, passado no recanto de Folgosa. Hoje, já de regresso ao meu encanto de Orbacém e ainda na auto-estrada, ao longe uma coluna de fumo anunciava-me que o inferno dos incêndios estivais estava à porta. Vinha eu distraído com a viagem projectada ao nosso Douro e eis que o pensamento do inferno tomou de assalto, contra a minha vontade, o seu lugar. Calquei no acelerador e em poucos minutos alcancei o Caminho do Fradinho. Respirei fundo, pois o fogo que varria a floresta encontrava-se ainda a vários Kms. Abro o portão da quintinha e entro . O fogo não vai cá chegar, pensei: o vento sopra do mar para leste e portanto nada há a temer. Descarregado o carro, vejo sobre a relva várias folhas de eucalipto já queimadas que o vento trouxe pelos ares. Mau!... Pouco depois escuto o ruído dum helicóptero que chega carregando um baldo de água. O fogo sentia-se agora também lá ao longe. O vento mudara de sentido, para nordeste. A portar-se assim, o fogo acabará por atingir a encosta por nós habitada. Uma meia hora mais e o lardo de S. João - o do cruzeiro partido - estava recheado de carros e de caras várias, umas conhecidas e outras que eu nunca vira. Vieram também os bombeiros em carros pequenos e em auto-tanques, cinco corporações ao todo, disseram, para combater o fogo em quatro frentes. Todo o mundo opinava: "Não chega cá, vai noutro sentido", "os bombaneiros não vão conseguir parar o fogo com o vento que sopra", "realmente...vai ser difícil", "só um helicóptero para um incêndio destes...um canader, sim, acabaria com ele...", "mas este hélio é enorme...", "sim, mas só leva mil litros e ainda deixa cair metade pelo caminho e o rio ainda fica longe..." "pois é." - Seguiu-se um longo silêncio e todos nós olhávamos atónitos o fumo negro que se espalhava já por vários kms. "Como irá progredir o incêndio?", alguém pergunta ao bombeiro que se apeava do camião grande que acava de chegar. "Ele tem muito que comer neste mato e não temos bons acessos, mas estamos cá cinco corporações para o combater desde as 14,30 h. Vamos passar aqui todo o dia de hoje, toda a noite e certamente também amnhã". Era o chefe duma das corporações e ele sabia tudo sobre incêndios. Felizmente parece que, por vezes, também os chefes se enganam. O fogo progrediu mais rapidamente do que ele pensava e ainda não haviam passado duas horas e já as línguas desse mesmo fogo varriam toda a encosta. De mangueira em mão juntei-me aos bombeiros e, com eles, procurámos que ao menos as casas fossem libertas do infernal fogo. Era já noite, por volta das 21,30 hs, os soldados da paz, todos suados, bebiam um sumo e comiam uma sande...Davam por acabada a sua tarefa, só os chefes ficavam no largo para fazerem as contas da operação. O inferno passou a dois passos do paraíso...- Como agradecer a estes bons soldados da paz? Um copo de água fresca, foi quanto lhes oferecemos, nada mais quiseram...e foram ainda eles a agradecer a quem lhes oferecia um simples copo de água fresca, como se a não houvessem ainda merecido... - Obrigado, amigos Bombeiros! Sem a vossa ajuda, amanhã, os meus amigos não iriam poder partilhar a beleza deste cantinho. Nem uma pétala foi beliscada e o inferno passou a dois passos do meu paraíso... Mil vezes Obrigado.

Quer partilhar alguma informação connosco? Este é o seu espaço...
Deixe-nos aqui a sua mensagem e ela será publicada!

.: Valide os dados assinalados : mal formatados ou vazios.

Nome: *
E-mail: * Localidade: *
Comentário:
Enviar

Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório.

Copyright © Associação dos Antigos Alunos Redentoristas
Powered by Neweb Concept
Visitante nº