fale connosco


2020-06-20

manuel vieira - esposende

Fui tão parco em palavras 

que me esqueci do S.Pedro

mas também não vai ter festa

num ano que é bem negro.

2020-06-20

manuel vieira - esposende

Pretendendo também não escapar ao desafio do Aventino, cá vai uma quadra não maliciosa:


Ó meu rico Santo António,

de Pádua por adopção,

Ficavas tão bem no Porto

ao lado do S.João.

2020-06-20

alexandre gonçalves - palmela

Agora sim e sem doutrinas, porque o desafio exige foleirice.

 

1. Repara bem como eu ando,

ó meu S.joão do Porto!

por paixão me estou matando,

já me sinto quase morto.

 

2.Só irei à tua festa

se me salvares a vida!

Sem amor ela não presta,

sem amor está perdida,

 

3. S. João foi à fonte,

Madalena esperava.

Ele beijou-a na fronte,

enquanto ela desmaiava.

 

O milagre foi depois

logo da primeira vez.

No chão da fonte eram dois,

para casa vieram três.


2020-06-20

alexandre gonçalves - palmela

Meu Caro Aventino 

 

Não resisto a tanta provocação. Tens pedalada para acordar um morto. No caso, o morto era eu. A noite de junho cai incerta e quase fria em palmela. Os cães dormem serenamente, como se não houvesse guerra no fim da rua. As casuarinas são testemunhas tristes de um verão iminente, que nunca deu mas prometia. Agora também não dá mas, pior que isso, nem promete. O silêncio nivela o mundo num confinamento de medo e solidão. No chão da memória, um a um, vão caindo os nomes que moravam perto de nós. Caem, não dizem nada e adormecem. Andávamos tão certinhos duma receita de felicidade obrigatória. Tínhamos Deus para os bons, e o demónio para os maus. A justiça lá se ia fazendo. O amor não era muito mas ia dando para os serviços mínimos. Paralelamente, as contas funcionavam e os políticos deliravam com os resultados. Mas veio de lá a bomba, carregada de mil sóis. E nem tivemos tempo de sermos heróis (Gedeão). 

Ninguém me encomendou a elegia. Aproveito apenas para sublinhar a vulnerabilidade da nossa espécie. E sobretudo a incapacidade para vencermos com alguma glória os perigos de vivermos sós em multidão. Alguma filosofia recente asseverava que o pecado moderno era o magote. Na muitidão, berramos de felicidade e contagiamos a humana gente. A ausência dos centros comerciais provoca tantos danos afectivos quantos os estragos vitais do covid. E quem assim pensa, fala como se de uma citação bíblica se tratasse.

Não há felicidades gerais. Há momentos, frágeis momentos, de elaboração pessoal, que exigem muita aplicação de quem os espera. Os outros não são o inferno mas sem individualidade também não são o céu. Para saber quem eu sou, não dispenso os outros. Para saber quem são os outros, não me podem ignorar. Relação dialética ontológica: nem eu sem os outros, nem os outros sem mim.

2020-06-19

ANTÓNIO MARTINS RIBEIRO - Terras de Valdevez

Por se pôr a ver as moças

S. João do seu altar

Deu um tombo dele abaixo

Foi-se à tasca embebedar.

 

S. João casamenteiro

Não sei como Vos explico

Casai minha namorada

Dai de prenda um manjerico.

 

Mas este ano, ó S. João,

E é uma grande pena

P´ra não Te portares mal

Meteram-Te em quarentena.

 

 

Quer partilhar alguma informação connosco? Este é o seu espaço...
Deixe-nos aqui a sua mensagem e ela será publicada!

.: Valide os dados assinalados : mal formatados ou vazios.

Nome: *
E-mail: * Localidade: *
Comentário:
Enviar

Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório.

Copyright © Associação dos Antigos Alunos Redentoristas
Powered by Neweb Concept
Visitante nº