fale connosco


2014-05-10

José Manuel Lamas - Navarra - Braga

Já tanto aqui foi dito sobre Beja e Gaia, que tenho  para comigo, nada comentar a respeito, muito porque antecedentes por mim desconhecidos me iriam impedir de formalizar um justo comentário sobre este delicado assunto . Digo delicado, porque a contenda gerada, está bem explícita.

 Quero dar as boas vindas ao Nascimento, pois quem vive, acaba sempre por aparecer. Saudo-o pela forma como nos apareceu... " com duas seguidas ". Esta das duas seguidas não é da minha autoria, já antes alguém a trouxe aqui .

 Mas... sem querer atirar mais lênha p'rà fogueira, sempre vou dizer algo .

 

 

                Da coisa, oponentes ou partidários

                Acabai com esta confusão

                Moderai vossos comentários

                E dignificai a Associação.

 

 

                Assis, também tu faltavas

                P'ra na contenda pôr teu dêdo

                Mas vai proteger as favas

                Que o gaio foi visto em Molêdo.

 

 

 Aquele abraço

                               Zé Lamas

2014-05-10

Assis - Folgosa

Boa noite, meus Amigos !

Ontem, por me ter cansado demasiado a cortar erva e a cavar, acabei de jantar e nem o computador abri. Abri-o há momentos e acabei já de ler as vossas intervenções. Polémicas? - Sim, mas não quero ver nelas qualquer resquício de inimizade. Os tempos em que uns e outros estudámos em Gaia e, já como maiores, em outros locais - Valladolid, Castelo Branco, Lisboa, Porto, Coimbra, Paris, ou Lovaina - sim, os tempos tiveram em todos nós algumas influências das quais não é fácil escaparmos. Não devemos pois procurar aquilo que nos separa mas aquilo que nos une. Mas também não devemos contentar-nos em seguir o caminho dos sapos da história do Arsénio.

Nenhum dos Associados avançou responsabilizando-se com a organização da A.G. em Gaia. Este é um facto inegável aceite por todos, segundo parece. Não é pois apenas uma questão de opinião sobre a aceitação ou não de que ali se realizasse. - Como princípio, eu aceito que a opinião da maioria se deva aceitar sempre que o interesse comum esteja em causa. Mas também nos foi ensinado,  que para que o interesse comum estivesse defendido, "a lei deveria ser para a pessoa e não esta para a lei". Só então "jus est justum" ( Sto. Tomás de Aquino) na opinião do nosso saudoso professor Julio de la Torre, a melhor definição de Direito...

Li, nas vossa intervenções, que já várias diligências foram feitas para que o encontro de Beja se venha a efectuar. Sou, pois, de opinião que o esforço de quantos já trabalharam nesse sentido não seja lançado às urtigas...e assim, Beja seja o destino da nossa viagem este ano. Lá procurarei estar com todos vós. 

- Quanto à favada em Orbacém, ela não está esquecida. Só que, como as favas foram semeadas tardiamente por causa da chuva, elas ainda estão praticamente em flor. Demos tempo ao tempo...  

 

O meu abraço

 L

2014-05-09

DAVIDE VAZ - ASLMADA - SOITO

Meus caros amigos e companheiros ex-reclusos:

Fala-se da aprovaçãõ duma proposta numa reunião magna da ida a Gaia de 2 em 2 anos.

~Eu não estive na dita assembleia pelo que não a votei.

Mas, tal como o Peinado, se tivesse estado presaente votaria contra.

Tenho que louvar os companheiros que organizam os encontros pois é um coisa que dá muito trabalho.

Fiquei contente pela escolha de Beja que é umja cidade e região que me encantame de que pouco conheço,

 Já por várias vezes eu tenho advogado visitas ao sul.

Por exemplo Évora é belíssima e património mundial.

Ficaraápara outra vez..

Vamos deixar-nos de fanatismos que só nos desunem.

Cultivemos a amizade e deixemos os formalismos!

Por mim lá penso estar em Beja, Serpa, Vidigueira, Alqueva etc...

E quero comer umas migas de baclhau com coentros e cantar como os alentejanos:

Castelo de Beja

Subindo lá vais

Tu metes inveja

Às águias reais.

Aquele abraço para todos do

Davide Vaz

2014-05-09

Delfim Pinto - Praceta Bento Gonçalves, 16, 1º. Esqº.

Até Beja, amigos Alex e Vaz.

E ...outros amigos...também...


2014-05-09

Arsénio Pires - Porto

Amigos:

Para serenar os ânimos, vou contar uma pequena história que de certeza se tem passado muitas vezes com todos nós… desde que nascemos!

Era uma vez cinco sapos que se encontravam estrategicamente instalados num ramo sobre o lago à espera que algum insecto menos atento por ali passasse a fim de poderem engoli-lo para conforto das suas luzidias mas famintas barrigas.

Ora acontece que havia já bastantes horas de espera e nem um só dos tais insectos surgia por perto das suas bocarras armadilhadas.

Como sempre acontece nestas ocasiões, surgiu um dos cinco sapos e coaxou solenemente:

- Que pasmaceira, malta! Estou farto disto. A fome aperta e nem um só insecto para amostra. Temos que decidir mudar de estratégia! Que vos parece?

E depois de animada e por vezes acesa discussão, quatro dos cinco sapos decidiram ir para a outra margem do lago e montar a espera aos insectos noutro galho.

 

Agora, amigos, acaba aqui a história com esta pergunta:

- Quantos sapos ficaram no primeiro galho?

 

(segue até ao fim da página e encontrarás a resposta)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 


 

Resposta:

- Ficaram os mesmos cinco. Sabeis porquê? Porque  um dos cinco sapos não alinhou na conversa e os outros quatro DECIDIRAM sair mas não se moveram do sítio onde estavam!

 

Moral da história:

Uma coisa é DECIDIR e outra, muito diferente, é AGIR.

 

Quem tiver olhos para ver, que veja.

Até Beja, amigos Alex e Vaz.

 

Quer partilhar alguma informação connosco? Este é o seu espaço...
Deixe-nos aqui a sua mensagem e ela será publicada!

.: Valide os dados assinalados : mal formatados ou vazios.

Nome: *
E-mail: * Localidade: *
Comentário:
Enviar

Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório.

Copyright © Associação dos Antigos Alunos Redentoristas
Powered by Neweb Concept
Visitante nº