fale connosco


2014-01-03

Assis - Folgosa

 Borbulhas e Curandeiros entre Palmeiras

Amigos AAARs:


Como não tenho a solução milagrosa para a melhoria de A Palmeira - esta deverá surgir da colaboração de todos, literária e também monetária -  tento apenas, após a degustação de um cálice de vinho generoso do Pinhão, já que não sou apreciador das borbulhas nem que sejam dum verdadeiro champagne seco, entrar hoje aqui como "aprendiz de feiticeiro" ou curandeiro de emergência para os males do Gaudêncio. - Estamos distantes. Não posso pois, como todo o curandeiro sempre deseja, pronunciar-me categoricamente sobre os males que o afligem. Todavia, amigo Gaudêncio, já que tanto aspiras a pronunciar-te sem dores sobre o presente e o futuro de A Palmeira, atrevo-me a dar-te um conselho: Toma em mão uma escovinha das unhas. Desinfecta-a com alcool. Sem esforços maiores, esfrega vagarosamente durante 5/10 minutos as palmas e os dedos das mãos. Respira fundo e aguarda que o sangue percorra calmamente os locais doloridos. - O que acabaste de fazer, repete-o antes de te deitares e ao levantares da cama. E não esqueças a água. Um copo de água morna com algumas gotas de limão ao deitar e outro ao levantar serão também certamente uma grande ajuda para a melhoria da circulação sanguínea. - Se por acaso o remédio caseiro deste aprendiz de feiticeiro não der resultado, mando-o sem problemas à outra banda. Mas não deixes de experimentar. E tenho dito.

FELIZ ANO NOVO

para todos os AAARS

PS - Para maior eficácia do remédio, a água deverá repousar com um dente de alho aberto ao meio durante uma noite ou durante o dia

 

 

2014-01-03

ANTÓNIO GAUDENCIO - LISBOA

Por causas que desconheço, e os "curandeiros" da praça tardam em acertar no prognóstico, ando com uma mazela no ombro e braço direito que me impede de fazer a minha vida normal. E entre as coisas normais que dificilmente consigo fazer está o teclar no computador.

Ora isto de me ver impedido de emitir também a minha opinião sobre esse assunto da Palmeira não me cai nada bem. Mas com esta curta intervenção quero lavrar o meu protesto por ver que, em vez de nos "sentarmos" e conversarmos, vejo escrita uma barbaridade como a que foi escrita pelo Arsénio: « Finalmente, estou aberto a retirar-me se alguém quiser assumir o meu papel para dar dinâmica diferente à revista ». Ó meu caro Ársénio, estás a brincar, a reinar ou abusaste das " bolhinhas" da gasosa? Tenho a minha ideia sobre este assunto que, de forma genérica, coincide com a tua primeira resposta ao repto do Aventino.

Já fiz, nesta meia dúzia de linhas, um esforço bem doloroso mas antes quero dizer que só as minhas dificuldades actuais é que me impediram de intervir porque me recuso a ser incluído no grupo «dos que se remetem ao silêncio».

Só tenho pena se, quando me sentir capaz de escrever, o assunto PALMEIRA já estiver ultrapassado, liquidado, arrumado ou esquecido. Mas também reconheço que a minha opinião não será determinante e por isso pouco se perderá..........  

2014-01-02

Arsénio Pires - Porto

Meu caro Peinado e todos os que se remetem ao silêncio sobre a Palmeira:

Vamos lá falar claramente.

1. A intervenção do Aventino e que tu, em parte, secundaste, foi bem recebida por mim. Aliás, algumas das sugestões que o Aventino apresentou vou pô-las, como disse, em prática no próximo número (se houver próximo número!).

2. Não disse aqui que tudo está bem na Palmeira. Nada está totalmente bem em coisa nenhuma. Estou aberto, como sempre, a reconhecer que podemos fazer ainda melhor. É para isso que servem as achegas que o Aventino deu e tu também. E outros já deram, no passado.

3. Duma coisa eu não abdico enquanto fizer parte deste Grupo Coordenador e vou repeti-la:

A Palmeira é um elo de ligação entre TODOS os ex-colegas e, por conseguinte, será SEMPRE uma plataforma aberta a TODAS as sensibilidades: crentes, agnósticos, ateus, nem-uma-coisa-nem-outra, todos os quadrantes políticos, etc. Estaremos sempre mais interessados em que os assuntos sejam (não exclusivamente, claro!) “coisas” dos nossos tempos passados e presentes, ou que a elas se refiram: experiências havidas, por que entrámos?, porque saímos?, o que foi feito de cada um de nós depois de sairmos? (sugestões oportunas do Aventino), encontros regionais e nacionais, etc.

4. Todas as sugestões merecerão ser consideradas desde que sejam exequíveis tendo em conta a nossa situação económica. Uma coisa é o que gostaríamos de fazer e outra, bem diferente, é o que podemos fazer.

5. Estou aberto, também, a uma reflexão sobre se havemos de continuar com a publicação da Palmeira. Se acharmos que ela já desempenhou o seu papel e deve retirar-se, avancemos. Até porque temos de considerar, como disse atrás, o aspecto económico.

5. Finalmente, estou aberto a retirar-me se alguém quiser assumir o meu papel para dar dinâmica diferente à revista.

Mais… não consigo, amigos.

2014-01-02

António Peinado Torres - Porto

 Bom dia e FELIZ ANO NOVO.

 Ainda a Palmeira. Parece-me que será mais importante receber e tratar sugestões, que dar respostas imediatas, fico com a ideia de que está tudo resolvido e bem feito, e todos sabemos que não é assim.

 Parece-me que o facto de não haver devoluções da revista, é considerado um facto positivo.

 Dos 300 ARRS que a recebem, sabemos quantos a arrumam para um canto, ou quantas vão directamente para o lixo ?

 Que eu me lembre nunca recebi qualquer questionário a pedir sugestões que acompanhasse a revista, e se quizermos fazer um pequeno exercício de memória, sempre que sai um número os Coordenadores solicitam neste SITE comentários, e quantos respondem ?

 Alinhei na sugestão do Aventino porque a achei pertinente e com pernas para andar, pois entendo que se pode apresentar um produto muito mais atractivo e com mais e bons conteúdos, e não entendo como se pode produzir uma revista, ainda que sem fins lucrativos, com prejuízos.

 Meu caro Amigo Arsénio já disse a alguem que tu bem conheces e agora escrevo para os AARS em geral, que dou mais importância a este SITE do que à REVISTA.

 As conversas que aqui estabelecemos são interactivas, como esta que agora estamos aqui a ter.

 Polémicas não é comigo, tenho muito com que me entreter, apesar de ter terminado com a minha actividade profissionel no passado dia 3 de Janeiro, tenho outras ocupações de tempo e uma grande parte dele a tratar dos meus males, mas ainda me vai sobrando tempo para me relacionar com os meus amigos e dedicar-me a pequenas actividades.

 Não quero alongar mais a escrita, e termino como iniciei FELIZ ANO NOVO Voltarei´ Peinado

2013-12-31

Alves Diamantino - Terras da maia

As borbulhas são…..

 

Com elas se melhora a memória espacial, se gravam novas memórias.

São uma combinação única no estilo e qualidade. A todos seduzem,

quer as tratem pelo masculino ou feminino, face ao seu poder e elegância,

ou equilíbrio e delicadeza.

Divinas borbulhas!

Alimento básico da alma, ração essencial da felicidade. Num só pensamento,

entrelaçam seres humanos, na expressão dum só desejo e uma só aspiração.

Num repente, se esquecem passados e se lembram futuros venturosos. Num

fugaz momento se harmonizam os ais das emoções.

Mas os melhores momentos, sempre combinam com os melhores champanhes

e com os melhores amigos.

Convido-vos, estimados AARs, a contemplar a persistência das borbulhas.

Escutemos em silêncio o suspiro dum “brut”, antes de, suavemente ser vertido

 para o bocal da “flute”. Observemos  a “perlage” antes que a sofreguidão do

palato a destrua.

Tim, Tim…..

Brindemos à maior dádiva que temos, a vida, deixando-nos impregnar

pelo natural artifício do fogo das borbulhas.      - FELIZ ANO 2014 -

 

 

Quer partilhar alguma informação connosco? Este é o seu espaço...
Deixe-nos aqui a sua mensagem e ela será publicada!

.: Valide os dados assinalados : mal formatados ou vazios.

Nome: *
E-mail: * Localidade: *
Comentário:
Enviar

Os campos assinalados com * são de preenchimento obrigatório.

Copyright © Associação dos Antigos Alunos Redentoristas
Powered by Neweb Concept
Visitante nº